Arquivo de etiquetas: CCB

Madredeus – “Madredeus No Centro Cultural De Belém – Cerimónia Solene” (concerto)

cultura >> domingo, 12.12.1993


Madredeus No Centro Cultural De Belém
Cerimónia Solene


A celebração do costume, em tom mais solene. O novo templo de Belém nãopermite brincadeiras e os Madredeus cumpriram a preceito o seu papel. Tudo muito sério e empertigado, com os temas inéditos a diluírem-se numa sonoridade que ameaça provocar saturação. Eles prometem novos voos.



O Centro Cultural de Belém(CCB) intimida. Nos concertos do CCB, a música é por norma bem comportada, engravatada. Uma ocasião solene em que os artistas se vêem na obrigação de provar qualquer coisa. Foi assim com Vitorino, voltou a sê-lo com os Madredeus, nas noites de sexta e sábado no grande auditório. Entra-se no CCB como numa catedral. Com os Jerónimos de um lado e os esgotos do Tejo do outro é difícil não ver no CCB uma nova escola de descobridores. Uma pessoa entra anónima no CCB e sai de lá com apelido Gama ou Cabral.
Os Madredeus assinaram no templo, pejado de fiéis encalorados pelo ar condicionado ligado no máximo, mais um capítulo da história trágico-marítima da Pop nacional. Em termos de comunicação com o público não se pode dizer que tenham sido efusivos, limitando-se Teresa Salgueiro a um “boa-noite a todos” no princípio e um “obrigado a todos” no fim. Um dos pontos fortes foi a iluminação, entregue em mãos de mestre. Cada canção vestiu-se com uma pequena cenografia de luz, um quadro fugaz de reflexos e fulgores coloridos que ora aprisionavam a figura de Teresa Salgueiro numa pirâmide de raios brancos, ora faiscavam em relâmpagos laranja (jugo não ter havido aqui quaisquer intentos eleitoralistas), como aconteceu no instrumental “Slostício”.
Descontando uma certa ointoxicação provocada pela sobrexposição a temas como “O pastor”, “O ladrão” e “Vaca de Fogo”, que ficamos a trautear interiormente mesmo contra-vontade, numa relação insidiosa que ameaça transformar-se de amor em ódio, o concerto dos Madredeus pode considerar-se um êxito. Teresa Salgueiro, sem estar nos seus melhores dias (diga-se que os piores dias dela equivalem aos melhores para a maioria das outras cantoras), rubricou apesar de tudo momentos de excepção, ao longo da segunda parte do concerto, em “Maio maduro Maio” – versão do tema de José Afonso que integra o álbum de homenagem a este autor a publicar em breve – “Os senhores da guerra”, um inédito escrito por Francisco Ribeiro e, como vai sendo hábito, no ascético “O menino”, tema emblemático da religiosidade que ilumina o coração dos Madredeus, apresentado já em período de “encores”.
“Matinal” foi outro momento alto, com o tradicional dueto vocal de Teresa Salgueiro e Francisco Ribeiro (repetido em “O ladrão”) que cada vez mais privilegia as acentuações étnicas do canto. Idem para o instrumental “Açores” no qual ficou patente a interligação perfeita entre as guitarras de Pedro Ayres e José Peixoto.
Em conclusão: mais um triunfo para os Madredeus e alguns indícios de saturação. A banda soube criar um som original, certo, mas tem sentido dificuldades em renová-lo, ficando a pairar a ameaça de poder ruir sobre si próprio. Será mesmo necessário que os instrumentos (salvo honrosas excepções) toquem sempre todos ao mesmo tempo? Por que não explorar combinações parciais, criar novos espaços de silêncio, diversificar o leque tímbrico dos arranjos? Esperemos pelo novo álbum e pelas mudanças prometidas, com John Cale e Steve Hillage na agenda dos participantes. Porque se é verdade que por enquanto as pessoas gostam, também não é menos verdade que essas mesmas pessoas se saturam. Não há ovelhas que resistam a pastar sempre a mesma erva, pormelhor que seja o pastor.

Vitorino – “Vitorino No Centro Cultural De Belém – Comoções Sob Controlo” (concertos)

cultura >> sábado, 20.11.1993


Vitorino No Centro Cultural De Belém
Comoções Sob Controlo



O CENTRO Cultural de Belém, como o Braz & Braz, tem. Tem montes de modernidade. Tem uma programação cultural. Tem espaço. Tem luz. Tem vista para o mar. Mas não tem telefone. Quem quiser ou precisar de telefonar no intervalo, terá de se deslocar em contra-relógio até uma cabina no exterior (neste caso junto ao planetário), e regressar antes do começo da segunda parte. Senão arrisca-se a que, quando voltar, um arrumador zeloso das suas funções o impeça de reocupar o seu lugar, alegando o desconforto que tal irá causar aos outros espectadores.
Adiante. Vitorino ocupou, quinta à noite, com um concerto sóbrio e intimista, um Grande Auditório que não encheu. Ontem a lotação esgotou. Os nervos da maioria dos participantes eram evidentes, ressalvando-se a mestria do pianista João Paulo Esteves da Silva e o profissionalismo do quarteto de cordas Lusitância. Da primeira parte, que privilegiou as canções do álbum “Eu que me Comovo por tudo e por nada”, com as palavras de António Lobo Antunes, destaque para “Canção prá minha filha” (dedicada pelo escritor à filha, “quando tiver medo do escuro”9, que Vitorino interpretou de forma tocante, e para a canção que dá título ao álbum, em registo de tragédia de costumes.
Filipa Pais entrou super-elegante, em negro e vermelho, e híper-nervosa, para cantar a “Valsa das Viúvas” (da pastelaria Bénard), sozinha e quase angustiada, como se quisesse fugir. No final, valsou com Vitorino pelo palco. Na segunda parte entraram em cena os manos Janita e Carlos da Lua Extravagante. Bom, o dueto em “cante” alentejano travado entre o primeiro e Vitorino, em “Eu hei-de amar uma pedra”. Depois, Vitorino comoveu-se de verdade numa “Laurinda” inesquecível. Entre boleros, dedicatórias e um cheironho de “salsa” (em “Os maridos” – “que são sempre os outros”…) Vitorino e a Lua terminaram a cantar em coro com a assistência. “Queda do império” e o inevitável “Menina estás à janela”. O som, impecável, acabou por falhar já perto do fim, no precisomomento em que Vitorino pronunciava as temíveis palavras “Carbonária” e “anarquismo”. Até um dos holofotes explodiu de raiva…

Balanescu Quartet – “Balanescu Quartet Hoje À Noite Em Belém – Sempre Em Pé”

cultura >> sexta-feira, 05.11.1993


Balanescu Quartet Hoje À Noite Em Belém
Sempre Em Pé



ENTRE as proezas de vulto que se atribuem aos Balanescu Quartet destacam-se duas: terem sido aplaudidos de pé por 10 mil pessoas, em 1990, no estádio de Wembçey, num concerto com os Pet Shop Boys e, em 1992, a reprodução, em instrumentos de corda, da orgia de sons electrónicos dos Kraftwerk, num álbum magnífico chamado “Possessed”. Tocam hoje em Lisboa, pelas 22h00, no auditório principal do Centro Cultural de Belém.
O grupo tornou-se uma lenda viva, um fenómeno que ombreia em popularidade com os rivais Kronos Quartet. Em “Possessed”, custa a acreditar no que se está a ouvir, de tal forma Alexander Balanescu (violino), Clare Connors (violino), Bill Hawkes (viola de arco) e Nick Cooper (violoncelo) transfiguram os seus instrumentos, obrigando-os a suar e a soar como maquinismos de ficção – automáticos, pulsantes, mas com um coração a bater. No que respeita à ovação em pé por 20 mil pessoas, não estivemos lá para as contar, além de que não vemos com bons olhos um agrupamento de gente séria, da “erudita”, ser aplaudido de pé, de mais a mais num estádio.
Mas quem são afinal estes paladinos da corda que, desde 1987, ano da sua formação, têm trazido (ou levado, consoante a posição em que se está) a música de câmara aos auditórios populares, numa operação de miscigenação, na sua área, sem precedentes?
O principal dos quatro é Alexander Balanescu, romeno de nascimento e solista em quase todos os discos de Michael Nyman. Fez parte dos Arditti Quartet, gente fina, que não deixou que a aplaudissem de pé (o entusiasmo é o pai de todos os excessos). Faz o que quer do violino. Em “Possessed”, o álbum dos disfarces (em que, no meio do golpe de génio que foi pegar de caras a cibernética dos Kraftwerk, quase passa despercebido um tema de David Byrne, “Hanging upside down”), obrigou-o a parecer-se com um sintetizador. Clare Connors fez os arranjos de transposição da linguagem “techno” da banda alemã para as cordas. De Andy Parker, o violista, não há nada de particularmente importante a destacar (ou, se há, ninguém nos disse nada). Já em relação a Nick Cooper, é de bom tom fazer-lhe a vénia e acenos de apreciação, pois tocou na London Symphony Orchestra.
Os quatro juntos dedicam-se a reinventar obras de artistas dos mais diversos quadrantes musicais, provando com isso que as cordas são pau para toda a obra. Estratégia que tem a vantagem de empurrar certas camadas específicas de público para incursões no território do “inimigo”.
Em disco, o grupo assinou obras de grande mérito, como são as versões de algumas peças antigas de Michael Nyman, o já citado “Possessed” e o posterior “Music for String Quartet”, com a repescagem de temas de David Byrne, John Lurie, Michael Torke e Michael Moran.
Ao vivo, os Balanescu vão a todas. Aos estádios, onde já foram aplaudidos de pé por mais de 50 mil pessoas, mas também ao Queen Elizabeth Hall, à Knitting Factory – sede das múltiplas vanguardas nova-iorquinas – ou, como esta noite, ao Centro Cultural de Belém.
Actuaram, entre outros, com Keith Tippett, Andy Sheppard, Jack de Johnette e Johyn Surman, mas não se importaram nada de fazer o mesmo com os Pet Shop Bpys (o que lhes mereceu – é espantoso – uma ovação em pé de 100 mil pessoas) e os Miranda Sex Garden (que, por acaso cantam numa das faixas de “Possessed”). Também não se fazem caros quando se trata de aceitar convites para colaborações em discos alheios. Que o digam Sam Brown, no seu segundo álbum, e Kate Bush, em “The Sensual World”, no tema “Reaching Out”.
Assim sendo, vamos hoje à noite todos a Belém, aplaudi-los. De pé, claro. Eles merecem.