Vários – “A Galope Na Tradição” (folk europeia)

pop rock >> quarta-feira, 14.04.1993


A GALOPE NA TRADIÇÃO

Imparável o ritmo de lançamento de novos compactos de música folk europeia no nosso país. Entre novidades e reedições de obras antigas. Na medida do possível (faltam páginas…), tentaremos escrever sobre todos. Mas para que os fanáticos (como é o caso deste vosso amigo…) e os impacientes (idem, idem…) vão deitando contas à vida, aqui vai a listagem, com as respectivas classificações, do que foi ouvido, já se encontra disponível no mercado (em quantidades suficientes ou não, essa é outra questão…) e vale a pena destacar. Do (6), para os que gostam de ter tudo, aos (8), (9) e (10), de aquisição imprescindível.



Assim, a começar pelas reedições, e por ordem alfabética: Blowzabella, “A Richer Dust” (Plat Life), a obra fundamental do grupo liderado pelo mago da sanfona, Nigel Eaton (10); Fuxan Os Ventos, “Noutrora” (Fonograma), espanhóis de costela galega, um pouco irregulares, que deram nas vistas nos anos 70 (7); John Kirkpatrick, “Plain Capers” (Topic), para os aficionados de “morris dancing” (7); Maddy Prior & Tim Hart, “Folk Songs of Olde England”, vol. 1&2, (Mooncrest) da era anterior aos Steeleye Span (5) e (6); Milladoiro, “Solfafria” e “Galicia no Pais das Maravillas”, da fase Columbia, mais internacionalista. No primeiro colaboram um grupo de pandeiretas e coros femininos (9) e (8); Peter Bellamy, “The Transports” (Topic), a ópera folk pelo malogrado cantor, na companhia de uma galáxia de estrelas – June Tabor, Martin Carthy, Nic Jones, Cyril Tawney, Dave Swarbrick, Watersons, entre outras (8); Richard Thompson, “Strict Tempo” (Hannibal), álbum de instrumentais, de Ellington às “Barn Dances”, para nós de longe o eu melhor (9); Shirley Collins, “No Roses” (Mooncrest), aventura folk rock de sabor “morris” por uma das grandes vozes femininas inglesas, com Ashley Hutchings e os supermúsicos da Albion Country Band (7).
No capítulo das novidades temos: Boys of the Lough”, “The Fair Hills of Ireland” (Lough), comemoração dos 25 anos de carreira de uma das instituições folk irlandesas (7); Cherish the Ladies, “The Back Door” (Green Linnet), grupo constituído só por senhoras, resposta às escocesas Sprageen (7); Chieftains, “The Celtic Harp” (RCA Victor), dedicado ao mais antigo instrumento tocado na Irlanda (8); Dolores Keane, “Solid Gronud” (Shanachie), a voz das vozes, cada vez mais afogada no “mainstream2 (5); Gwenva, “Le Paradis des Celtes” (Ethnic), bretões, com as bombardas de Jean Baron (8); Heather Heywood, “By Yon Castle Wa” (Greentrax), uma bonita voz da Escócia, apoiada pelos ex-Battlefield Brian McNeill e Dougie Pincock (6); Kevin Burke, “Open House” (Green Linnet), idiossincrasias várias pelo antigo violinista dos Bothy Band e Patrick Street (8); Lo Jai, “Acrobates et Musiciens” (Shanachie), uma das maravilhas do ano, texto extenso já na próxima semana (10); Mary Bergin, “Feádoga Stáin 2”, que é como quem diz, “tin whistle” em gaélico (7); Paddy Keenan, “Port Na Phiobaire” (Gael-Linn), outro ex-Bothy Band, neste caso o “possesso das “uillean pipes” (8); Paul McGrattan, “The Frost is all over” (Gael-Linn), um trabalho de flauta (7); Sharon Shannon, “Sharon Shannon” (Solid), “miss” acordeão, rival de Mairtin O’Connor, em corrida pelo mundo – inclui uma versão de um “corridinho” algarvio, o mesmo que aparece na 3246ª variante de “Bringin’ It all back Home” (8); Tannahill Weavers, “The Mermaid’s Song” (Green Linnet), sempre em forma, estes escoceses de boa cepa (8); Vários, “Heart of the Gaels”, “sample” de última fornada da Green Linnet (8); Vários, “Chapitre 2” (Revolum), mostruário de vários nomes da música occitana, da Gasconha, Provença e Limousin, entre os quais os Lo Jai. Sons inuisitados, grandes grupos e vozes a descobrir (9); Whistlebinkies, “Anniversary” (Claddagh), 74 minutos de música excepcional, num “o melhor de “ que comemora as bodas de prata do grupo mais injustiçado da Escócia – atenção a um grande tocador de “highland pipes”, Rob Wallace. Um quarteto de harpa entre os convidados. Texto desenvolvido para a semana (10).
Finalmente, para aguçar o apetite: os (ou as…) Varttina, da Finlândia, muito badaladas pela “Folk Roots”, com “Seleniko” (Spirit) (8), do qual apenas chegou por enquanto uma amostra, são mais uma banda-revelação proveniente da Escandinávia. Prestes a chegar estão “Cartas Marinas”, de Emilio Cao, “Lubican”, dos La Musgana, “Winter’s Turning” (Plant Life), de Robin Williamson, ex-Incredible String Band tornado bardo da harpa e “Aa Úna” (Claddagh), primeira onda de choque provocada por “Vox de Nube”, gravado numa igreja por um grupo coral misto, com acompanhamento instrumental, de música irlandesa dos primeiros séculos da era cristã.

Peter Hammill – “The Noise”

pop rock >> quarta-feira, 07.04.1993


Peter Hammill
The Noise
CD Fie, distri. Megamúsica



O principal problema de Peter Hammill será talvez o de ter dito tudo cedo de mais. Compositor, vocalista e guitarrista carismático dos Van Der Graaf Generator, da estirpe dos resistentes dos anos 70, poeta da língua inglesa, que utilizou para rasgar os interiores da alma humana, Hammill experimentou os limites da pop em álbuns como “The Least We can do is Wave to Each Other”, “H to He, who am the only one”, “Pawn Hearts” (um dos melhores álbuns de sempre da música popular), “Godbluff”, “Still Life”, todos ainda com a banda e, já a solo, “Chameleon in the Shadow of the Night”, “The Silent Corne rand the Empty Stage”, “In Camera” (monumento solitário equiparável a “Pawn Hearts”), “The Future Now”, “PH7” e “A Black Box”.
Os anos 90, contudo, ultrapassaram-no. Remetido ao estatuto de autor de culto, Hammill tem vindo a assinar álbuns que procuram, sem grande sucesso, recuperar o fogo perdido. Posterior a “Fireships”, um bom álbum de canções onde a serenidade predomina, “The Noise” inflecte na direcção oposta, no rock de batida dura, o que, à partida, poderia indicar uma filiação na rebeldia de “Nadir’s Big Chance”, a bíblia dos adolescentes “punks” com algo mais na cabeça que gel e alfinetes. Nada mais falso. Peter Hammill não consegue sair do beco dos seus fantasmas pessoais, repetindo fórmulas mil vezes usadas, e com maior imaginação, em ábuns antigos. “Nadir’s Big Chance” pegava fogo ao instituto mental. “The Noise” é um estertor preso por guitarras eléctricas, de um poeta perdido no labirinto da sua própria inspiração. Não é um may álbum. Peter Hammill não é capaz de tal. Mas limita-se a marcar passo. “The noise is with me still”, canta ele em “The noise”, “I loved the noise / though now it’s gone / some glorious echoes of the noise still linger on.” No meio de ruído de estática. Peter Hammill procura a sintonia com o final do século. (6)

Vários – “Polémica Entre Editoras E Retalhistas A DIFÍCIL CONVIVÊNCIA” (debate / retalhistas / discotecas / editoras / multinacionais)

pop rock >> quarta-feira, 07.04.1993


Polémica Entre Editoras E Retalhistas A DIFÍCIL CONVIVÊNCIA

Um dos pontos mais quentes e mais badalados nos últimos tempos tem sido o das (difíceis) relações entre as lojas de retalhistas, as vulgares discotecas, e as editoras multinacionais com sede no nosso país. Todos, ou quase todos, se queixam de que o mercado está em recessão e de que a galinha deixou de ser dos ovos de ouro. De ambos os lados esgrimem-se razões. Há lobos e cordeiros. Ogres e bodes expiatórios. O bolo, parece, não chega para todos.



Por entre o clima de suspeição, há quem se mantenha à margem, fazendo finca-pé da sua independência. Discotecas como Contraverso, VGM, One-Off e Bimotor, das mais prestigiadas da capital, utilizam estratégias que passam ao lado das multinacionais. São especializadas em músicas consideradas “difíceis”, mas têm uma clientela própria. Quem lá vai sabe exactamente o que procura. Música alternativa, na Contraverso, música clássica e Folk, na VGM, raridades dos anos 60 e 70, na One-Off, “heavy metal” e música de dança, na Bimotor, as principais apostas de cada uma delas.
Encomendas às editoras, só em desespero de causa ou mesmo, no caso da One-Off, inexistentes. Orlando Leite, da VGM, pouco trabalha com as editoras – “normalmente não têm as coisas de que necessito”. É fácil perceber porquê. A loja do Príncipe Real distribui e trabalha com os seus próprios catálogos: Accent, Ricercare, New Albion, Greentrax, Claddagh, Gael-Linn…
José Guedes, da Contraverso, diz com um sorriso irónico nos lábios que “compra tudo o que lhe interessa às multinacionais”. Importado directamente do estrangeiro, “apenas o que não há no mercado”. E acrescenta, com um sorriso: “É mais conveniente.” Relações directas com as editoras independentes estrangeiras não tem “nenhumas”. “Não é uma questão de preço”, garante, “não tenho é paciência para as aturar…”. José Guedes tem, contudo, uma opinião concreta sobre os preços praticados no mercado português: “Devem evitar-se os descontos escondidos, que se praticam em quase todas as lojas de Lisboa.” Que descontos escondiso? “Os interessados sabem…”
Nas lojas da cadeia Bimotor os diversos catálogos são, na maioria, provenientes lá de fora, já que as suas especialidades, a ”música de dança” e o “heavy”, que importam em grande quantidade, não estão disponíveis nas multinacionais. Para tal, a discoteca tem pessoal especializado, “pessoas que estão dentro de cada género de música”. “Temos a nossa própria noção de mercado”, diz Rui Rodrigues, da filial das Amoreiras, o que permite à Bimotor reger-se por regras diferentes das outras lojas.

À Beira Da Catástrofe

As editoras multinacionais apontam o dedo a dois intervenientes aparentemente distintos. Por um lado, aos retalhistas que passam ao lado dos seus catálogos, indo buscar lá fora aquilo que à primeira vista pareceria ser mais fácil e cómodo de obter através das editoras. Por outro, às chamadas “grandes superfícies”, os hipermercados, que põem à venda os discos dos artistas objecto de maior consumo, em quantidades maciças e com margens de lucro reduzidas.
As multinacionais vêem-se, deste modo, como que encurraladas entre dois fogos. Se as lojas não lhes compram, são obrigados a vender aos hipermercados, com a consequente diminuição na percentagem de lucros, mas como forma prioritária de escoamento do produto.
Para Francisco Vasconcelos, administrador da cadeia de lojas Valentim de Carvalho, os hipermercados são os principais culpados da fase descendente que a indústria atravessa: “Há dois anos, iniciámos uma baixa de preços em certos títulos escolhidos, em princípio dos mais vendidos, ou das novidades com maior expectativa, para respondermos à política comercial dos hipermercados. Existia um movimento bastante acelerado de fuga de público das lojas normais para os hipermercados. Foi para tentar estancar essa sangria que começámos esta política comercial. Estamos a trabalhar com margens de lucro normais, que rondam os vinte e tal por cento. Não conseguimos atingir os 28 por cento, que é a margem corrente das grandes cadeias internacionais – Virgin, HMVM, FNAC. Temos que sofrer um bocadinho e apertar o cinto.”
Nos hipermercados, “as margens de lucro descem aos cinco, seis por cento”, continua Francisco Vasconcelos, “números impossíveis de atingir por qualquer loja vulgar, até porque, logo à partida, se esta está situada num bom local, chega a pagar de renda cerca de oito ou nove por cento do valor da sua facturação a quem arrenda esse tipo de lugares. Pode dizer-se que há uma especulação imobiliária por trás de tudo isto. Se uma pessoa quiser abrir uma loja no Shopping de Cascais ou nas Amoreiras, é quanto vai ter de pagar. Como não podemos atrair o público para uma estrada deserta nem somos um supermercado que vende batatas juntamente com cassetes vídeo e açúcar, só discos, temos de ir para esse tipo de locais. Com sete ou oito por cento logo para o dono do espaço, é evidente que menos do que estes vinte e tais por cento não chega para pagar os ordenados das pessoas, as quebras de ‘stock’, tudo isso…”.
Ainda sobre a concorrência dos hipermercados, Francisco Vasconcelos lamenta o “desaparecimento de muitos clientes [incluindo lojas] tradicionais”: “Quando comecei a trabalhar nisto, havia qualquer coisa como 800 clientes. Hoje, em Portugal, não deve haver mais de cento e tal.” Descida violenta, “em parte resultado da crise económica, em parte porque estão a ser esmagados pelos hipermercados. Ou as lojas se tornam mais especializadas ou os hipermercados, cuja acção tem sido verdadeiramente catastrófica, toma conta disto tudo”.
Em relação às lojas da concorrência, a cadeia Valentim de Carvalho optou por as combater com as mesmas armas montando um departamento de música independente à base de importações directas, procurando, em simultâneo, uma melhoria de serviços e de atendimento ao público, partindo do princípio de que o cliente prefere pagar mais e ser mais bem atendido do que abastecer-se de discos a granel e entalados no mesmo pacote das couves e do detergente.
Segundo Francisco Vasconcelos, “as lojas de discos que lidam com produtos de entretenimento devem ser locais atraentes, onde as pessoas se deviam divertir e aprender. Vamos ter que tornar as lojas mais interessantes. Neste aspecto, a loja do Rossio teve um grande impacte no mercado”.

Rosário De Pecados

Se as lojas Valentim de Carvalho pensam já na resposta a dar à concorrência dos “híper”, outras há que elegeram um tipo de “inimigo” diferente, como é o caso da One-Off, que recusa a trabalhar com as distribuidoras / editoras portuguesas. Rui Spúlveda, responsável pela importação dos compactos desta discoteca instalada nas Amoreiras, vê na editora EMI (autónoma das lojas) – Valentim de Carvalho, “que domina o mercado nacional”, o culpado de vários males.
Antes, porém, Rui Sepúlveda começa por atacar as editoras em geral: “Andam pelos jornais e pela televisão a lamentar-se de que as vendas do passado caíram não sei quantos por cento e que este ano será ainda pior, quando o que se passa é que foram apenas elas que deixaram de vender”, já que “todas as boas lojas de Lisboa, que trabalham com importações directas, venderam melhor”. Vai mais longe: “É muito difícil arranjar cá aquilo que se pretende. As editoras, a maioria das vezes, não têm o que queremos e, quando têm, fazem a chamada ‘panelinha’ – primeiro é para as lojas deles [e aqui Rui Sepúlveda passa a referir-se em particular à EMI – Valentim de Carvalho], só o que sobra é que vai para as outras lojas. Há um boicote autêntico.”
Embalado, conta um caso acontecido há dois anos, “no Natal de 91, quando da saída do disco de Rui Veloso ‘Auto da Pimenta’”, que deu origem a uma autêntica “guerra de preços”: “A Valentim de Carvalho decidiu pôr este disco à venda, nas suas lojas, com 15, 20 por cento de desconto, o que, sendo um disco de grandes vendas que poderia ajudar várias lojas a recuperar de meses menos bons, obrigou toda a gente a baixar as margens de lucro. Nessa altura chegou a aventar-se a hipótese de se formar uma associação de lojas que boicotassem a Valentim de Carvalho.”
Por estas e por outras, a One-Off voltou as costas às multinacionais, que acusa de, por vezes, incorrerem em estratégias menos límpidas. Rui Sepúveda conta, a propósito, certos rumores que, segundo ele, correm em diversas discotecas sobre o lançamento, no ano passado, de “Rock In Rio Douro”, dos GNR: “Um mês antes de o disco sair, iam todos os dias dezenas de miúdos às lojas, pagos ou não pela editora, pedir o disco, dizendo que já tinha saído, e perguntar por que é que não estava à venda.”
Na opinião de Rui Sepúlveda, tratava-se de uma forma de pressão para forçar o retalhista a compras antecipadas e em grande quantidade. “Se o lojista não se precavesse”, argumenta, “comparava logo uns 500 discos, que depois ficavam em casa.” É que, ainda segundo o homem forte da One-Off, “quando o disco saiu de facto, as compras não chegaram sequer a dez por cento do número daqueles pseudopedidos”.

“Um Perfeito Disparate”

David Ferreira, administrador da editora EMI-VC, contactado pelo PÚBLICO, prontificou-se desde logo a comentar as “acusações” que sobre a sua casa reacaíam.
Do “caso GNR” às hipotéticas pressões às discotecas, David Ferreira garante que “é totalmente mentira”. E garante que só não processa o autor de tais afirmações por “falta de tempo”: “Além de ser mentira, é um perfeito disparate.” Para reforçar esta afirmação avança valores oficiais: “O disco saiu em Junho do ano passado e vendeu, só no mês de saída, 28.547 álbuns. As vendas totais até esta altura estão em 76.131, ou seja, o valor de saída praticamente triplicou. Isto fala por si. Estes dados são facilmente comprováveis na Sociedade Portuguesa de Autores. Além de que seríamos parvos se estivéssemos a perder tempo num estratagema tão complicado com artistas que claramente não nos levantam grandes problemas para atingir grande facturação. É absurdo.”
Quanto ao hipotético favoritismo dado pela editora às lojas Valentim de Carvalho, David Ferreira desmente-o igualmente de forma categórica: “Também é mentira. Tratamos de igual maneira os clientes que visitamos. A One-Off, tanto quanto me lembro, teve uma altura em que estava com os pagamentos em atraso. É evidente que uma loja nestas condições deixa de ser visitada. Mas isso não é uma questão de favoritismo – as editoras vendem, não oferecem. Em relação a qualquer disco, o que se passa é que nós, pelo contrário, temos uma política de saída simultânea de novidades e, quando os pedidos excedem as quantidades em ‘stock’, fazemos um rateio para que as existências, assim como as faltas, sejam distribuídas com justiça.” Sobre o pretenso boicote na forma de descontos despropositados nas lojas Valentim de Carvalho, do disco “Auto da Pimenta”, de Rui Veloso, David Ferreira classifica-o como “outro disparate!”.
“A lei portuguesa”, explica, “não permite às editoras discográficas fixarem preços de venda ao público. Nós temos um preço de revenda, que é o que consta na tabela, vendemos ao mesmo preço de revenda a todos os nossos clientes. O que acontece é que nessa altura a loja Valentim de Carvalho praticava, como continua a praticar, uma política de preços de uma série de referências que é a mesma dos hipermercados e que consiste em haver sempre uma lista de títulos em que se abdica das margens de lucro habituais. Não se trata de um desconto feito pela EMI – Valentim de Carvalho à Valentim de Carvalho loja, mas de um desconto feito pela Valentim de Carvalho aos clientes, o chamado preço VC aplicado a discos de artistas de todas as editoras, do Sting ou da Whitney Houston, por exemplo. Aí eu não tenho qualquer interferência. A Valentim tem os preços que tem, os hipermercados têm o preço que têm, a One-Off tem os preços que tem. Temos tabelas transparentes, em vigor para todos. A partir daí, não há nada que possa viciar a concorrência.”

CAIXA
EM BUSCA DO DISCO PERDIDO

Enquanto lojas e editoras se digladiam, o consumidor nem sempre encontra nas bancas o disco que procura. Fomos a quatro discotecas da capital em busca dos títulos que tiveram honras de destaque nas secções de música dos jornais “Blitz”, “Diário de Notícias” (suplemento “Compacto”) e PÚBLICO (suplemento Pop Rock), nas tr~es semanas compreendidas entre 2 e 17 de Março.



A lista de obras procuradas era a seguinte: “O Canto da Cidade” (Daniela Mercury), “So Tough” (St. Etienne), “Sweet, Oblivion” (Screaming Trees), “Talking Loud II” (colectÂnea), “Duran Duran” (Duran Duran), “Field Guide” (Timbuk 3), “Live in Theatre 1988” (David Sylvian), “Story of my Life” (Pere Ubu), “Songs of Faith and Devotion” (Depeche Mode), “Star” (Belly), “Frank Black” (Frank Black), “Senhas” (Adriana Calcanhoto), “Vorony” (Ukrainians), “Vox de Nube” (Noirin Ní Riain) e a reedição da série Earthworks.
Disponíveis nas quatro discotecas só estavam os Duran Duran, Depeche Mode e Belly. A estreia a solo de Frank Black apenas não figurava numa discoteca. Os St. Etienne apareciam em duas lojas. Com presenças solitárias em apenas uma loja estavam os Screaming Trees, a colectânea “Talking Loud II”, Timbuk 3, David Sylvian e Pere Ubu. De uma área mais específica, Ukrainians, Noirin Ní Riain e série Earthworks não figuravam em nenhuma discoteca.
Dois casos particulares, os discos das artistas brasileiras Adriana Calcanhoto e Daniella Mercury. No primeiro, o álbum ainda não saiu. Uma das discotecas já o teve à venda numa edição esgotada obtida através de uma distribuidora. O segund apenas existe nos formatos de vinilo e cassete, estando o compacto, de momento, esgotado na editora. Nos casos dos títulos em falta, ou eram desconhecidos ou nunca foram pedidos. Os Timbuk 3 tinham-se esgotado numa discoteca.
As conclusões a extrair são as de que apenas os títulos mais sonantes estavam à disposição do comprador. O factor crítica, para todas as discotecas consultadas, não é relevante ou é-o pouco, obedecendo as encomendas ou importações antes a critérios próprios de cada loja, segundo uma espécie de intuição sobre o que vende e o que não vende proporcionada pela experiência dos respectivos funcionários e/ou proprietários.
No caso de discos esgotados, o “stock” é renovado, a maioria das vezes, num prazo reduzido ou não chega a ser reposto, porque as previsões apontam para uma não-continuação da procura. O argumento da “falta de interesse” volta a ser invocado para os discos que nunca chegaram aos escaparates. É a retracção, compreensível, em tempo de vacas magras e forte concorrência. O comprador de discos, quando busca algo mais particular e fora do grande consumo, tem de procurar bem antes de encontrar o pretendido.
Há quem conheça o território e quem o desconheça. Os primeiros fecjham-se em copas, não vá alguém antecipar-se e comprar o compacto desejado antes de si (as quantidades são pequenas e a rapidez de aquisição é aqui um factor importante). Os segundos, se não quiserem andar de loja em loja, desistem ou resignam-se ao que há. Alguns encolherão os ombros e pensarão que, procura por procura, têm ali mais à mão o hipermercado.

READY MADE E PÓS



Nova formação dos Pop Dell’Arte: João Peste, Luís San Payo, Pedro Alvim, Paulo Monteiro, e João Luís II
O LANÇAMENTO DO ÚLTIMO TRABALHO DOS Pop Dell’Arte, “Ready Made”, terceira edição da Variodisc, esperado há cerca de um ano, vai finalmente concretizar-se na próxima segunda-feira, 12 de Abril, mas a banda promete já outro álbum. “Ready Made” vai ser editado em formato vinil, com seis temas, e em CD, no qual figuram ainda duplas versões de “2002” e “Mc Holly”. Ambos têm uma edição limitada de “ready mades”, adaptados ao formato, assinados pelos membros dos Pop Dell’Arte, quando da gravação do disco.
A nova formação dos Pop Dell’Arte – que inclui, desde o final do ano passado, além do trio sobrevivente (composto pelo vocalista João Peste, o baterista Luís San Payo e o baixista Pedro Alvim), outros dois novos membros, Paulo Monteiro, ex-Croix Saint, na guitarra, e João Luís II, na guitarra e manipulação de fitas – apresenta integralmente ou temas do novo álbum (com excepção de “808 loop”, dia 17 de Abril, na Voz do Operário, em Lisboa, além de uma série de temas novos do período pós “Ready Made”. Têm como convidado especial General D e a primeira parte do concerto será assegurada pelos Lulu Blind.
“se, mais uma vez adiamentos imprevistos impedirem a saída do disco, será por exclusiva responsabilidade da Varidisc, já que este álbum está concluído há muito tempo e nós não abdicamos da data do concerto de apresentação em Lisboa, que está prometido desde o final do ano passado”, referiu o mentor da banda, João Peste. O atraso na edição de “Reasdy Made” não impediu a banda de preparar novos temas que, segundo João Peste, “já justificam um outro álbum”. “My super Analana”, “H27”, “A sex machine (with hands to kill)”Be hop” e “Racismo é estúpido” são alguns desses temas, num conjunto de 13 que a nova formação dos Pop Dell’Arte se tem ocupado nos últimos seis meses. Esperamos que este futuro álbum viva dias melhores, com uma edição atempada.
Cristina Carvalho?/Conceição?