Arquivo de etiquetas: Clannad

Clannad – “Banba”

pop rock >> quarta-feira >> 26.05.1993


Clannad
Banba
CD RCA, distri. BMG



Brennan & Brennan, Máire e Ciarán, conseguiram finalmente apagar todos os vestígios de música tradicional de uma banda que chegou a gravar, há muitos, muitos anos, um belíssimo disco chamado “Dúlaman”. Agora devem vender que se fartam. Que lhes faça bom proveito. A música, essa, reduziu-se a um pote de mel e a névoas de produção, nas quais o mínimo sobressalto de energia ameaça escaqueirar a estrutura de porcelana irlandesa. A voz de Máire não podia ser mais frágil e etérea, os teclados mais avanescentes. As melodias, desenhadas a lápis número quatro, são fininhas, fininhas, tanto que mal se distinguem. Numa delas julgamos vislumbrar, ao longe, as belezas do passado: “Ca dé sin do’n té sin.” Deve ser do título em gaélico. A flauta e o “tin whistle” são soprados com ordens de nunca ultrapassar o risco, por Frankie Kennedy, dos Altan. Quem não o conhecesse, jamais adivinharia. E é assim: um título apropriado para uma banda na corda bamba que, quase de certeza, já deveria concorrer ao Festival da Eurovisão do próximo ano. (2)

Clannad – “Lore”

Pop Rock

10 de Abril de 1996
Poprock

Clannad
Lore
2XCD, RCA, DISTRI. BMG


clannad

Não se compara com o que de bom fizeram os Clannad, quando não tinham outras ambições senão serem um grupo bem-comportado da tradição gaélica, com a voz de Máire Brennan à altura do que se lhe pedia quando se pedia encantamentos. Guardamos “Dúlaman” na recordação. E, a partir daí, a mágoa de assistirmos ao processo de degradação de um bom grupo de música folk, tornado um mau grupo de fusão que passou à destruição do imaginário celta. Como Enya, os Clannad preferiram a magia que faz abrirem-se as portas do mercado à magia das florestas druídicas. Eles lá sabem.
“Lore” procura alento num início com pretensões de majestade mas cedo se acomoda ao que tem sido norma nos últimos álbuns: uma mistura enjoativa de mel estragado com fotografias em tons sépia, segundo uma fórmula que já atinge as raias do insuportável. Certo, é indolor, não provoca habituação e dizem que faz bem ao coração. Mas não é para isso que servem as aspirinas? (3)