Amália Rodrigues – Segredo

28.11.1997
Amália Rodrigues
Segredo (9)
Ed. e distri. EMI – VC

LINK

“Segredo” é uma colecção de 12 temas inéditos ou “versões nunca publicadas” que Amália gravou no seu período áureo, entre 1965 e 1975, nos estúdios de Paço de Arcos da Valentim de Carvalho. sessões que encontraram a fadista no seu melhor, perfeitamente descontraída e envolta numa atmosfera de cumplicidade com os amigos que nessas ocasiões a acompanhavam, enfrentando os microfones após conversas e refeições em comum. Versões menores é coisa que não existe em Amália, sabendo-se que para elea era sempre a primeira vez, nunca cantando o mesmo fado da mesma maneira. “Talvez eu não seja criadora, mas quando canto estou a inventar”, dizia ela então. Encare-se, pois, este disco como vem descrito no detalhado texto de apresentação, uma “antologia transversal” da fadista. Entre os 12 temas encontram-se sete fados de Alain Oulman, incluindo os inéditos “medo”, “Amor em casa”, “Verde pino, verde mastro”, “É da torre mais alta” e “Procura”, e “As mãos que trago” e “Abril”, antes não publicados. Importantes são ainda “Primavera”, com poema de David Mourão-Ferreira, “não é desgraça ser pobre”, um fado menor que Amália definia como sendo “o pai e a mãe do fado(…) destino mau, destino das pessoas quando é triste” e “Cansaço”, na versão de Luís de Macedo e Joaquim Campos. Os restantes dois temas de “Segredo” são “Longe daqui”, de Arlindo de Carvalho, balada inspirada no folclore da Beira Baixa, e “Minha boca não se atreve”, de Fontes Rocha. Em todos eles, em maior ou menor grau, está presente a alma do fado, que é como quem diz, a alma de Amália. Escutá-la é escutar a voz de um rio de múltiplos cursos, mas todos eles desaguando em Portugal. O Portugal do “medo”, do “longe” e do “amor” que se destacam nas páginas interiores deste “Segredo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *