Arquivo de etiquetas: Stackridge

Stackridge – Friendliness (conj.)

08.08.1997
Não Tenham Medo, Eles Só Precisam Da Vossa Amizade
Passados 25 anos sobre a época mais produtiva e estimulante do progressivo, entre 1970 e 1974, o prazer está na busca dos pequenos e grandes tesouros que se ocultam nas bandas menos conhecidas, embora algumas delas sejam dignas de figurar ao lado dos seus pares bem sucedidos.

Para os pesquisadores, a vaga de reedições de música progressiva dos anos 70 que tem chegado à discoteca Torpedo constitui material de consulta essencial. Torna-se possível a descoberta de nomes e segunda linha que, por este ou aquele motivo, nunca lograram a mesma projecção mediática ou o sucesso alcançado pelos nomes que constam nas enciclopédias mais generalistas. Nomes como King Crimson, Gentle Giant, Van Der Graaf Generator, Yes, Genesis, Jethro Tull ou Emerson, Lake and Palmer, para só falar dos ingleses.
Passados 25 anos sobre a época mais produtiva e estimulante do progressivo, entre 1970 e 1974, o prazer está na busca dos pequenos e grandes tesouros que se ocultam nas bandas menos conhecidas, embora algumas delas sejam dignas de figurar ao lado dos seus pares bem sucedidos. Já aqui escrevemos, há tempos, sobre os álbuns dos CMU (“Open Sppaces” / “Space Cabaret”), Tonton Macoute (“Tonton Macoute”), Spirigyra (“ST. Radigunds”) e Beggars opera (“Waters of Change”). A estes acrescente-se agora “First Utterance”, dos Comus, “(Have No Fear, I Only Need Your) Friendliness”, dos Stackridge, “Time Is…” dos Raw Material, e “Sea Shanties”, dos High Tide.
“First utterance”, dos Comus, é um dos clássicos menosprezados dos 70. David Bowie descobriu o grupo em 1969. Infelizmente para os Comus, Bowie não constituiu grande ajuda, já que ele próprio, nessa época, lutava para sair do anonimato. A crítica não soube o que fazer, na data da sua edição, em 1971, com “First Utterance”. A revista “Sounds” definiu o tema de abertura como “o cruzamento entre uma versão histérica do coro das bruxas de McBeth com guinchos de Marc Bolan a ser estrangulado até à morte”. Na “Record retailer” falou-se numa “cacofonia de sons incoerentes”. O crírtico da “Record Mirror2 foi mais sucinto: “Soa aos T. Rex a 94rpm.” Houve apreciações favoráveis, como a de John Peeel, mas mesmo nestas perpassava uma evidente perplexidade. Opinião unânime era a deque não havia, então, mercado para o tipo de música que os Comus tinham para oferecer.
Volvido mais de um quarto de século, continua a assustar esta mistura endemoinhada (e agora remasterizada) que aliava a teatralidade vocal dos Genesis com um gosto por melodias clássicas, de uma forma esquizofréncia, e cosntantes desvarios do violino e do oboé, prenunciadores de um free rock extemporâneo. Alguns anos mais tarde, os Comus foram aceites pela Virgin, para a qual gravara, “To Keep From Crying”, um álbum mais acessível que contava com as colaborações de Lindsay Cooper, dos Henry Cow, e Didier Malherbe, dos Gong. (See for Miles, 8)

LINK

Delicioso é o termo que melhor define, e abreviando o título, “Friendliness”, dos Stackridge, um grupo de pop progressivo que se tornou conhecido sobretudo pelo lado cómico-provocatório das suas prestações ao vivo. Em disco, porém, a doçura de canções como “Lummy days”, o luminoso instrumental, “Friendliness”, “Syracuse the Elephant” ou o impagavelmente intitulado “Father Frankenstein is behind your pillow” estavam ao mesmo nível da excentricidade e de um talento inato para a composição demelodias que deviam tanto aos Beatles como à poesia rural de um álbum como “Treason”, dos Gryphon. (Repertoire, 8)
Em “Time is…”, segundo álbum dos Raw Material, esta banda não escondia que os seus heróis eram os Van Der Graaf Generator. “Ice queen” é uma emulação dos “riffs” típicos da banda de Peter Hammill, com o seu saxofonista e flautista, Michael Fletscher, a fazer uma imitação razoável de David Jackson. Faltava, era claro, aos Raw Material o génio de Hammill, mas a combinação demelodias psicadélicas com longas passagens instrumentais, nos sopros e teclados, de temas como “Empty houses” ou “Insolent lady” conferiam a este disco uma aura de amgia peculiar, embora toda a segunda parte não consiga manter a mesma criatividade, socorrendo-se de alguns “clichés”, já então estafados, do cósmico-progressivo à maneira dos Hawkwind. (Repertoire, 7)
Também interessante é “Sea Changes”, dos High Tide, um “power-trio” alucinado impulsionado pela guitarra de Tony Hill e com a loucura adicional do violino eléctrico de Simon House, futuro elemento dos Hawkwind e esporádico acompanhante de Bowie. Veja-se aqui a versão britância e, apesar de tudo, mais elegante dos energúmenos alemães Guru Guru. Curioso mas massacrante em último grau. (Repertoire, 6)
Falta acrescentar que se encontra escondido nas prateleiras da “megastore” da Virgin o “Second Album” dos Curved Air, onde a voz de Sonja Kristina, o violino de Darryl Way e os tecladfos de Francis Monkman ensaiavam, de forma magnífica, a sua visão de uma música rock com pretensões sinfónicas, que haveria de pulverizar-se no conto de fadas surreal e experimental do ´lbum seguinte “Phantasmagoria”, uma das chaves-mestras de todo o progressivo. (Warner Bros. import. Loja Virgin, 8)
Para ler e consultar, encontra-se disponível na discoteca Planeta Rock a versão inglesa da enciclopédia de grupos progressivos italianos editada pela Vinyl Magic. Reúne farta informação, com discografias completas, entrevistas, reprodução de capas e, como bónus, um CD. Com ela chegaram também os álbuns de algumas dessas bandas: Stormy Six, Quella Vecchia Locanda, Corte dei Miracoli, The Trip, Delirium…