John Coltrane – “A Love Supreme” + “Coltrane” + Ballads”

Partilhar

(público >> mil-folhas >> jazz >> crítica de discos)
sábado, 1 Março 2003


Coltrane de luxo

JOHN COLTRANE
A Love Supreme
10 | 10
Coltrane
7 | 10
Ballads
8 | 10
Impulse, distri. Universal


Apesar do atraso, não é possível deixar passar em claro a reedição, ou as “De Luxe editions”, de três álbuns importantes na discografia de John Coltrane, a começar pela obra-prima “A Love Supreme”, agora apresentada num formato inovador que, além dos quatro movimentos que integram a “suite” original, gravada em 1964 e editada pela primeira vez no ano seguinte, inclui um segundo CD com a única gravação ao vivo (no festival de Antibes, concerto do qual existe a circular uma outra edição, semi-pirata…) registada em disco deste tema, bem como quatro “takes” alternativos, dois das quais, de “Ackowledgment”, com as participações de Archie Shepp, no sax tenor, e Art Davis, no contrabaixo. Extra que, no caso de Shepp, pouco acrescenta, antes dilui a carga emocional do que é, antes de mais, uma oração a solo. Monólogo transformado em diálogo, feito de entendimento, mas também alguma condescendência.
“A Love Supreme” é, como se sabe, o disco de “redenção” de Coltrane, a sublimação de um percurso torturado que mergulhou no inferno das drogas, dedicatória ao sagrado, requisição à transcendência. Sobre motivos melódicos simples (o de “Aknowledgment” não poderia ser mais parco no número de notas) Coltrane, McCoy Tyner, Jimmy Garrison e Elvin Jones erguem um vasto e complexo edifício rítmico e harmónico. Coltrane forçara as portas da perceção e em “A Love Supreme” volta a usar a violência e a loucura perfeccionista que o animavam para através da música esgotar as preces, os gritos de revolta, de louvor e de perdão. Acompanhá-lo, nota a nota, nesta viagem, constitui uma experiência arrasadora.
“Coltrane”, de 1962, foi a primeira gravação de estúdio do mítico quarteto. De novo a um primeiro CD que reproduz a gravação original foi acrescentado um segundo, contendo material inédito das mesmas sessões, entre os quais alguns inéditos. À semelhança de “A Love Supreme”, a nova remasterização é da responsabilidade de Rudy van Gelder, a partir de fitas de qualidade superior às utilizadas nas anteriores reedições da Impulse. No meio de material abrangente e algo desequilibrado, o tema de banda sonora, “The inch worm”, brincadeira sem consequências de maior, empalidece ao lado da balada “Soul eyes” e do típico balanço tyneriano de “Out of this world”, sobre o qual o saxofonista (que neste disco juntou o soprano ao tenor) dá um dos seus recitais de “hard bop”.
“Ballads”, gravado poucos meses mais tarde, obedece, na presente reedição, aos mesmos procedimentos. Versão oficial num CD, versões e “takes” no outro, incluindo cinco do tradicional “Greensleeves” e sete de “It’s easy to remember”, ilustra o lado, menos citado, de Coltrane enquanto intérprete, não menos inspirado, de baladas. Isto e o facto de uma insistente dor de dentes que então o afligia ter impedido um outro “ataque”, mais duro, da palheta, pelo que um reportório de baladas se revelou mais apropriado… Oportunidade para escutar o Coltrane mais “smooth” e dançante, a dar outra descontração aos seus companheiros. Jimmy Garrison, então, parece flutuar.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.