Balanescu Quartet – “Balanescu Quartet Hoje À Noite Em Belém – Sempre Em Pé”

cultura >> sexta-feira, 05.11.1993


Balanescu Quartet Hoje À Noite Em Belém
Sempre Em Pé



ENTRE as proezas de vulto que se atribuem aos Balanescu Quartet destacam-se duas: terem sido aplaudidos de pé por 10 mil pessoas, em 1990, no estádio de Wembçey, num concerto com os Pet Shop Boys e, em 1992, a reprodução, em instrumentos de corda, da orgia de sons electrónicos dos Kraftwerk, num álbum magnífico chamado “Possessed”. Tocam hoje em Lisboa, pelas 22h00, no auditório principal do Centro Cultural de Belém.
O grupo tornou-se uma lenda viva, um fenómeno que ombreia em popularidade com os rivais Kronos Quartet. Em “Possessed”, custa a acreditar no que se está a ouvir, de tal forma Alexander Balanescu (violino), Clare Connors (violino), Bill Hawkes (viola de arco) e Nick Cooper (violoncelo) transfiguram os seus instrumentos, obrigando-os a suar e a soar como maquinismos de ficção – automáticos, pulsantes, mas com um coração a bater. No que respeita à ovação em pé por 20 mil pessoas, não estivemos lá para as contar, além de que não vemos com bons olhos um agrupamento de gente séria, da “erudita”, ser aplaudido de pé, de mais a mais num estádio.
Mas quem são afinal estes paladinos da corda que, desde 1987, ano da sua formação, têm trazido (ou levado, consoante a posição em que se está) a música de câmara aos auditórios populares, numa operação de miscigenação, na sua área, sem precedentes?
O principal dos quatro é Alexander Balanescu, romeno de nascimento e solista em quase todos os discos de Michael Nyman. Fez parte dos Arditti Quartet, gente fina, que não deixou que a aplaudissem de pé (o entusiasmo é o pai de todos os excessos). Faz o que quer do violino. Em “Possessed”, o álbum dos disfarces (em que, no meio do golpe de génio que foi pegar de caras a cibernética dos Kraftwerk, quase passa despercebido um tema de David Byrne, “Hanging upside down”), obrigou-o a parecer-se com um sintetizador. Clare Connors fez os arranjos de transposição da linguagem “techno” da banda alemã para as cordas. De Andy Parker, o violista, não há nada de particularmente importante a destacar (ou, se há, ninguém nos disse nada). Já em relação a Nick Cooper, é de bom tom fazer-lhe a vénia e acenos de apreciação, pois tocou na London Symphony Orchestra.
Os quatro juntos dedicam-se a reinventar obras de artistas dos mais diversos quadrantes musicais, provando com isso que as cordas são pau para toda a obra. Estratégia que tem a vantagem de empurrar certas camadas específicas de público para incursões no território do “inimigo”.
Em disco, o grupo assinou obras de grande mérito, como são as versões de algumas peças antigas de Michael Nyman, o já citado “Possessed” e o posterior “Music for String Quartet”, com a repescagem de temas de David Byrne, John Lurie, Michael Torke e Michael Moran.
Ao vivo, os Balanescu vão a todas. Aos estádios, onde já foram aplaudidos de pé por mais de 50 mil pessoas, mas também ao Queen Elizabeth Hall, à Knitting Factory – sede das múltiplas vanguardas nova-iorquinas – ou, como esta noite, ao Centro Cultural de Belém.
Actuaram, entre outros, com Keith Tippett, Andy Sheppard, Jack de Johnette e Johyn Surman, mas não se importaram nada de fazer o mesmo com os Pet Shop Bpys (o que lhes mereceu – é espantoso – uma ovação em pé de 100 mil pessoas) e os Miranda Sex Garden (que, por acaso cantam numa das faixas de “Possessed”). Também não se fazem caros quando se trata de aceitar convites para colaborações em discos alheios. Que o digam Sam Brown, no seu segundo álbum, e Kate Bush, em “The Sensual World”, no tema “Reaching Out”.
Assim sendo, vamos hoje à noite todos a Belém, aplaudi-los. De pé, claro. Eles merecem.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.