Imagens de cabeçalho aleatórias... Recarregue a sua página para ver mais!

“Eletrónica – Circuitos Elétricos” – Livro

Volume 1 do
Excelente livro que cobre todos os módulos de Eletricidade e Electrónica que fazem parte de muitos Cursos Profissionais:
– Curso Profissional de Técnico de Electrotecnia (Disciplina: Electricidade Electrónica)
– Curso Profissional de Técnico de Electrónica, Automação e Computadores (Disciplina: Electricidade Electrónica)
– Curso Profissional de Técnico de Electrónica, Automação e Comando (Disciplina: Electricidade Electrónica)
– Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos (Disciplina: Electrónica Fundamental)
… you name it

link abaixo

ÍNDICE
18 Descobertas fundamentais
23 Capítulo 1
Conceitos fundamentais
1.1 Modelos atômicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
1.2 Carga elétrica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .25
1.3 Campo elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .26
1.4 Processos de eletrização. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .27
1.5 Elementos condutores, semicondutores
e isolantes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .29
1.6 Grandezas elétricas, unidades, notação
e prefixos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .30
1.7 Tensão elétrica (U) ou diferença de
potencial (ddp). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .32
1.8 Corrente elétrica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
1.8.1 Sentido da corrente. . . . . . . . . . . . . . . . . . .34
1.8.2 Efeitos da corrente elétrica. . . . . . . . . . . . .35
1.9 Tensão (corrente) contínua/alternada. . . . . . . . . .36
1.10 Potência elétrica (P). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
1.11 Energia elétrica (e). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
39 Capítulo 2
Resistência elétrica
2.1 Resistores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .40
2.1.1 Simbologia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .42
2.1.2 Código de cores dos resistores. . . . . . . . . .43
2.1.3 Medição da resistência. . . . . . . . . . . . . . . . .45
2.2 Lei de Ohm. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .46
2.3 Potência dissipada em uma resistência . . . . . . . . . 47
2.4 Resistência em um condutor. . . . . . . . . . . . . . . . .48
2.4.1 Influência do material: resistividade. . . . . . . 48
2.4.2 Influência do comprimento. . . . . . . . . . . . .49
2.4.3 Influência da área da seção transversal
do condutor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .49
2.4.4 Cálculo da resistência. . . . . . . . . . . . . . . . . .50
2.4.5 Influência da temperatura sobre
a resistência elétrica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
2.5 Isolante ideal e supercondutores. . . . . . . . . . . . . .53
2.6 Condutância (G) e condutividade elétricas (σ). . .54
2.7 Associação de resistores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .54
2.7.1 Associação em série. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
2.7.2 Associação em paralelo. . . . . . . . . . . . . . . .56
2.7.3 Associação mista. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
2.8 Transformações delta-estrela (DY) ou
estrela-delta (YD). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
2.8.1 Utilização das transformações DY e YD na
simplificação de circuitos. . . . . . . . . . . . . . .65
73 Capítulo 3
Geradores e receptores
3.1 Geradores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
3.1.1 Geradores de tensão e de corrente. . . . . . .75
3.1.2 Gerador de tensão contínua não ideal. . . . .77
3.1.3 Rendimento energético (h) de um gerador.78
3.1.4 Máxima transferência de potência de um
gerador à carga. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .79
3.2 Receptores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .83
3.3 Operação conjunta de receptor e gerador. . . . . . 86
3.4 Associação de geradores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
3.4.1 Associação em série de geradores. . . . . . . . 91
3.4.2 Associação em paralelo de
n geradores iguais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
3.4.3 Associação de dois geradores em oposição. . 95
3.4.4 Associação mista de geradores. . . . . . . . . .96
99 Capítulo 4
Análise de circuitos elétricos básicos:
em série, em paralelo e misto
4.1 Circuito em série. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .100
4.2 Circuito em paralelo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
4.3 Circuito misto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
4.4 Caso particular: curto-circuito. . . . . . . . . . . . . .108
111 Capítulo 5
Circuitos divisores de tensão e corrente
5.1 Divisores de tensão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
5.1.1 Divisor de tensão sem carga . . . . . . . . . . . 113
5.1.2 Divisor de tensão com carga. . . . . . . . . . . 122
5.2 Circuito divisor de corrente. . . . . . . . . . . . . . . . 126
5.3 Aplicações de divisores de tensão e corrente. . 128
129 Capítulo 6
Leis de Kirchhoff
6.1 Definições. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
6.2 Primeira lei de Kirchhoff ou lei dos nós. . . . . . . 131
6.3 Segunda lei de Kirchhoff ou lei das malhas. . . . . 132
6.4 Resolução de circuitos pelo método da análise
de malhas (leis de Kirchhoff). . . . . . . . . . . . . . . . 133
137 Capítulo 7
Análise de malhas pelo método de Maxwell
7.1 Resolução de circuitos pelo método de Maxwell.138
143 Capítulo 8
Superposição de efeitos
8.1 Resolução de circuitos pelo método da
superposição de efeitos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
149 Capítulo 9
Teoremas de Thévenin e Norton
9.1 Teorema de Thévenin . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
9.1.1 Determinação do gerador equivalente de
Thévenin. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
9.2 Teorema de Norton. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154
157 Capítulo 10
Capacitores e indutores em
corrente contínua
10.1 Capacitores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158
10.1.1 Princípio de funcionamento. . . . . . . . . . . 158
10.1.2 Capacitância. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
10.1.3 Energia armazenada. . . . . . . . . . . . . . . . . 165
10.1.4 Capacitor plano. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166
10.1.5 Associação de capacitores. . . . . . . . . . . . 169
10.1.6 Regime transitório (capacitor em
corrente contínua) . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
10.2 Indutores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
10.2.1 Princípio de funcionamento . . . . . . . . . . 181
10.3 Energia armazenada no indutor. . . . . . . . . . . . . 182
10.3.1 Indutor de uma só camada. . . . . . . . . . . 183
10.3.2 Associação de indutores. . . . . . . . . . . . . 184
10.3.3 Regime transitório (indutor em
corrente contínua) . . . . . . . . . . . . . . . . . 187
195 Capítulo 11
Corrente alternada
11.1 Noções básicas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
11.1.1 Outras grandezas importantes
referentes ao sinal CA. . . . . . . . . . . . . . . 201
209 Capítulo 12
Números complexos
12.1 Formas de representação. . . . . . . . . . . . . . . . . . 210
12.1.1 Forma cartesiana ou retangular . . . . . . . . 210
12.1.2 Forma polar ou trigonométrica. . . . . . . . 211
12.2 Conjugado de um número complexo . . . . . . . . 212
12.3 Operações com números complexos. . . . . . . . 212
12.3.1 Soma e subtração. . . . . . . . . . . . . . . . . . 212
12.3.2 Multiplicação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
12.3.3 Divisão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
12.4 Representação da corrente alternada com
números complexos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
12.5 Diagrama de fasores (ou fasorial) . . . . . . . . . . . 214
215 Capítulo 13
Circuitos simples em corrente alternada
13.1 Circuito resistivo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216
13.2 Circuito capacitivo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217
13.3 Circuito indutivo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 219
221 Capítulo 14
Análise de circuitos em corrente alternada
14.1 Circuito RC. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .222
14.1.1 Resistência e capacitor em série. . . . . . .222
14.1.2 Resistência e capacitor em paralelo. . . . 224
14.2 Circuito RL. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .226
14.2.1 Resistência e indutor em série. . . . . . . .226
14.2.2 Resistência e indutor em paralelo . . . . .227
14.3 Aplicações dos circuitos RL e RC em série. . . .228
14.4 Circuito RLC. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231
14.4.1 Resistência, indutor e capacitor em série.231
14.4.2 Resistência, indutor e capacitor em
paralelo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .234
14.4.3 Ressonância. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235
239 Capítulo 15
Circuitos trifásicos em corrente alternada
15.1 Sistema trifásico não interligado
ou independente. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .240
15.2 Sistema trifásico interligado. . . . . . . . . . . . . . . . 241
15.2.1 Ligação em estrela ou ípsilon (Y). . . . . . 241
15.2.2 Ligação em delta ou triângulo (Δ) . . . . . 243
15.3 Potências em sistemas trifásicos . . . . . . . . . . . . 243
247 Referências bibliográficas

LINK

Posts Relacionados:

0 comentários

Ainda não há comentários...

Mande uns "bitaites" preenchendo o formulário abaixo.

Deixe-nos um comentário