Imagens de cabeçalho aleatórias... Recarregue a sua página para ver mais!

Medição de Potência e Energia em Corrente Contínua – Ficha de Trabalho de Laboratório

Curso Profissional de Electrónica, Automação e Comando
Disciplina de Electricidade e Electrónica
Módulo 1 – Corrente Contínua (10º Ano)
Ficha de Trabalho de Laboratório: “Medição de Potência e Energia Eléctrica em Corrente Contínua”

MEDIÇÃO DE POTÊNCIAS EM CORRENTE CONTÍNUA

Objectivos
1. Medição de potências eléctricas
2. Relacionar matematicamente a potência total com as parciais, em vários circuitos
3. Cálculo da energia

Introdução
A potência eléctrica P pode ser medida por dois métodos:
. Directo – usando um wattímetro
. Indirecto – usando um amperímetro e um voltímetro

Procedimentos
1. Monte um circuito eléctrico com a resistência eléctrica que lhe for dada pelo professor e alimente-a com uma tensão de 12V.
Aponte o valor da resistência eléctrica –>
Meça o valor da potência dissipada na resistência, usando o wattímetro –>

2. Desligue o wattímetro do circuito e meça tensão aplicada à resistência e a respectiva intensidade de corrente que a atravessa:
Tensão –>
Intensidade de Corrente –>
Calcule o valor da potência dissipada na resistência –>

3. Monte um circuito com as 2 resistências dadas pelo professor, em série, e alimente o circuito com uma tensão de 12 V.
Aponte os valores das resistências –>
Meça o valor da potência dissipada em cada uma das resistências –>
Meça o valor da potência total dissipada nas 2 resistências –>
(nestes 2 últimos casos, pode usar o método directo ou indirecto)

4. Calcule a energia consumida em cada uma das resistências (em 1 hora) –>
Calcule a energia consumida pelas duas resistências (em 1 hora)

5. Monte um circuito com as 2 resistências dadas pelo professor, em paralelo, e alimente o circuito com uma tensão de 12 V.
Aponte os valores das resistências –>
Meça o valor da potência dissipada em cada uma das resistências –>
Meça o valor da potência total dissipada nas 2 resistências –>
(nestes 2 últimos casos, pode usar o método directo ou indirecto)

6. Calcule a energia consumida em cada uma das resistências (em 1 hora) –>
Calcule a energia consumida pelas duas resistências (em 1 hora)

7. Monte um circuito com as 3 resistências dadas pelo professor, em associação mista, e alimente o circuito com uma tensão de 12 V.
Aponte os valores das resistências –>
Meça o valor da potência dissipada em cada uma das resistências –>
Meça o valor da potência total dissipada nas 2 resistências –>
(nestes 2 últimos casos, pode usar o método directo ou indirecto)

8. Calcule a energia consumida em cada uma das resistências (em 1 hora) –>
Calcule a energia consumida pelas duas resistências (em 1 hora)

–> Elabore um relatório do trabalho, onde deve constar:
. Os objectivos do trabalho
. A introdução
Para cada um dos pontos (os pontos 3 a 8 podem ser agrupados dois a dois)
. O material usado
. Os esquema
. Os valores medidos e/ou calculados
Conclusões
. Relações entre as potências parciais e totais (para cada um dos casos: associação série, associação paralelo, associação mista)
. Relações entre as energias parciais e totais (para cada um dos casos: associação série, associação paralelo, associação mista)

Abril 15, 2009   Não há comentários

Lei De Ohm. Medição De Resistências – Ficha de Trabalho

LEI DE OHM. MEDIÇÃO DE RESISTÊNCIAS

OBJECTIVOS:
– Confirmar experimentalmente a Lei de Ohm
– Medir indirectamente resistências; montagem do voltímetro a montante e a jusante
– Utilizar a montagem mais adequada para medir uma resistência

MATERIAL NECESSÁRIO:
– Fonte de Alimentação variável +30/-30 V
– Cabos de ligação com extremidades banana, forquilha e crocodilo
– 2 multímetros
– 2 resistências de 1/8 W: 4,7Kohm, 180 kohm
– 1 resistência de ¼ W: 100ohm

PROCEDIMENTO:
1. – Monte o circuito da figura 1, fazendo R = 4,7Kohm.
– Aplique as tensões de 5 V, 10 V, 15 V, 20 V, 30 V, anotando-as e às respectivas intensidades de corrente, no quadro 1,


figura 1

2. – Usando o ohmímetro, meça a resistência.
– Anote a sua tolerância.
– Anote esses valores no quadro 2.
3. – Altere o valor de R para 180Kohm. Com a tensão de 5V, anote a intensidade de corrente, no quadro 1
4. Com R = 180Kohm, monte o circuito da figura 2. Com a tensão de 5V, anote a intensidade de corrente, no quadro 1.


figura 2

5. – Altere o valor de R para 100ohm (1/4 W).
– Com a tensão de 5 V anote a respectiva intensidade de corrente, no quadro 1
6. – Repita o ponto 2. Anote os resultados no quadro 2.
7. – Volte a montar o circuito da figura 1, fazendo R = 100ohm.
– Aplique uma tensão de 5 V e anote a respectiva intensidade de corrente no quadro 1.

EXERCÍCIOS:
1. Com os valores obtidos no ponto 1 dos Procedimentos Laboratoriais, represente em papel milimétrico as tensões em função das correntes (em abcissa).

2. Dos resultados do ponto anterior, pode concluir que há proporcionalidade directa entre a tensão e a corrente? Justifique.

3. Dos resultados dos pontos 1 e 3, dos Procedimentos Laboratoriais, pode concluir que há proporcionalidade inversa entre a corrente e a resistência?

Março 24, 2009   Não há comentários