Imagens de cabeçalho aleatórias... Recarregue a sua página para ver mais!

Interruptor de Palmas

clap3

Interruptor que actua a partir de batimento de Palmas
componentes fundamentais (corriqueiros): Temporizador 555 e Transístores BC-547

Introdução
O “Interruptorde Palmas” é um mini-projeto eletrónico simples, feito com a ajuda dos componentes básicos.
O “Interruptor de Palmas” tem a função de ligar / desligar qualquer componente elétrico ou circuito através do som de um simples batimento de uma mão na outra (palmas).
É conhecido como “Interruptor a Palmas” , porque o microfone de condensador que é usado neste projeto é capaz de captar o som que tenha o mesmo tom sonoro de um batimento de palmas (uma mão contra a outra) como entrada para o circuito poder actuar.
Embora não seja obrigatório que o som que fará actuar o interruptor seja o som da batida de palmas (pode ser qualquer som que tenha o mesmo – ou similar – tom (frequência)).
O microfone converte então a energia de sonora em energia elétrica, a entrada para o circuito é um som dentro de terminadasa gama de frequncias, enquanto o circuito nos dá a saída na forma de LED aceso (energia elétrica).

Componentes Necessários:
Resistências de 1K, 4.7K, 47K, 330 and 470 ohm (1 de cada valor)
1 Condensador de 10µF
2 condensadores de 100nF
1 Microfone de Condensador
2 transístores BC547
1 LED
1 temporizador 555 (circuito integrado)
Pilha de 9V

Princípio de Funcionamento
Este circuito (ver esquema abaixo) é feito com a ajuda de um Sensor Activado por Som.
Este sensor capta o som do batimento de uma mão na outra (vulgo palmas) como Entrada e processa esse som de forma a fornecer a Saída.
Quando o som em causa é “fornecido” como a entrada ao Microfone de Condensador Eléctrico, esse som é transformado por este condensador em Energia Eléctrica e o LED acende.
O LED liga-se (fica ON) logo que lhe “fornecemos” o som e depois desliga-se (fica OFF), automaticamente, após alguns segundos. Este tempo que o LED se mantém aceso pode ser configurado (alterado), variando o valor do condenador de 100mF visto que ele está ligado ao temporizador 555, cuja função principal é gerar um impulso.
Apesar de o nome do circuito ser “Interruptor a Palmas”, ele não funciona somente através desse método. Poderá ser qualquer som que tenha a mesma tonalidade, ou similar, pelo que o seu nome pode ser também “Interruptor Operado por Som”
Este circuito é baseado principalmente em transístores, porque o terminal negativo do Microfone está directamente ligado ao transístor.
Neste circuito, não se utiliza nenhum Interruptor Eléctrico (normal) para ligar / desligar o circuito, logo, quando ligarmos a bateria ao circuito, isso significa que o circuito fica ligado (ON) e captará as entradas na forma de Energia Sonora.
Isto também poderá ser modificado utilizando um Relé como Interruptor Electrónico, para ligar / desligar o circuito.
Logo que fornecemos o som de entrada ao circuito, ele amplifica o sinal sonoro captado e fornece-o ao temporizador 555, o qual gera o impulso para o LED, fazendo com que este acenda.
Deverá certificar-se que o pólo negativo do Microfone de Condensador está ligado ao amplificador. Caso contrário o circuito entrará em sobreaquecimento e poderá não funcionar com diferentes modelos de transístores, etc.
Não pode também aumentar a sensibilidade do Microfone de Condensador pois caso o faça este durará / funcionará por pouco tempo. Para funcionamento a longo prazo ele apresenta, por defeito, uma pequena gama de sensibilidade..
Isto também se aplica no que toca à Lâmpada, pelo que o circuito tem muitas possibilidades de sofrer modificações.

FIGURA – ESQUEMA

clap2

clap4

Vantagens e Desvantagens
1. Pode ser usado para ligar (ON) e desligar (OFF) um LED ou Lâmpada, simplesmente através do batimento de palmas.
2. Podemos também remover LEDs e colocar em seu lugar uma Ventoinha ou outro componente eléctrico na saída.
3. O Microfone de Condensador utilizado neste circuito tem uma pequena gama de sensibilidade, que nãopode ser alterada.

Aplicações
A utilização “Interruptor de Palmas” não está restrita ao acendimento / apagamento de LEDs, podendo ser usada para comandar outros equipamentos eléctricos como lâmpadas, ventoinhas, rádios ou outro qualquer circuito básico que pretenda comandar através do som.

Esquema no Multisim
esqM

Vídeo / Simulação no Multisim
Nota:No Multisim, por este não possuir Microfone, este foi simulado usando uma fonte de tensão (ao fim e ao cabo o microfone transforma a energia sonora em energia eléctrica (tensão eléctrica) que injecta na entrada do circuito.



Vemos na simulação que ao abrir e/ou fechar o circuito (aparecimento de som / não há som) o led (neste caso o receptor usado) acende / apaga.

Circuito Multisim, aqui.

Maio 15, 2017   Não há comentários

Modulação por Largura de Impulso (PWM)

Novembro 11, 2013   Não há comentários

Modulação por Largura de Impulso (PWM) – Parte 4/4

Curso Profissional de Electrónica, Automação e Comando
Disciplina de Electricidade e Electrónica
Módulo: Osciladores
Disciplina: Automação e Comando
Módulo: Robótica

[…continuação]

Modulação por Largura de Impulso (PWM) – Parte 4/4

5. – Controlo da Velocidade de um Motor DC Passo-A-Passo de um Robot

5.1. Funcionamento e Ajustes

A modulação de largura-de-impulso é um método eficiente para ajustar a quantidade de potência entregue a uma carga eléctrica.

Um circuito simples, contendo um circuito integrado inversor, díodos, potenciómetro e condensador, cria um PWM de duty-cycle variável. Uma resistência e um transístor comutam cargas mais elevadas do que o CI 74AC14 conseguiria fazer sozinho.

Digamos que você tem um lindo motor DC rotativo para o seu robot. O problema é que o motor é um pouco rápido demais para depurar/afinar o funcionamento do robot, ou até demasiado rápido para utilização final.

Para afinar, você deseja que o motor rode a 1/3 ou 1/4 da velocidade total. Mas substituir o motor seria caro e desmontá-lo e montar o outro é coisa de ‘doidos’.

Você mede a corrente do motor sem carga (em vazio, sem nada para ‘puxar’), a 5V, e obtém 88 mA.

Nota pois que há uma resistência aparente de 56 ohm (5V / 0,088 A).

Poderá a velocidade do motor ser reduzida para 1/3 se inserir uma resistência de 112 ohm, para que ele receba apenas 2/3 da potência?

Para experimentar com resistências diferentes, insira um potenciómetro de 200 ohm entre o motor e a terra (GND).


Figura 9 – ERRO!

Comece por alimentar o circuito com a resistência configurada para 0 ohm.
De seguida movimente o cursor do potenciómetro até mais ou menos 112 ohm.
O motor é um bocado ‘preguiçoso’, mas parece que funciona e vê-se que está lento.
Desligue agora o circuito.

Quando realimentar o circuito de novo (ainda com o cursor na mesma posição, 112 ohm), o motor não roda mesmo! ESTRANHO!!!

O problema é que um motor é uma carga eléctrica variável.

O motor precisa de muito mais potência na fase de arranque do que depois, quando está já a funcionar em pleno.
A resistência de 112 ohm é muito elevada para o motor conseguir arrancar.
Os motores também precisam de muito mais potência quando um robot vai a subir uma colina ou quando empurra qualquer coisa.

Há uma outra razão pela qual uma resistência não é uma boa escolha para controlar a potência entregue a uma carga de valor elevado:
À medida que as exigências de potência aumentam, rapidamente excederá a potência suportada por uma resistência ou potenciómetro “normais”. O componente electrónico ficará muito quente e depois, muito provavelmente, avaria/queima.

Além disso, uma resistência gasta/consome muita energia na forma de calor (perdas, portanto). Num robot alimentado a pilhas, é mesmo preferível não desperdiçar energia (ou arranjar uma pipa de massa para comprar pilhas).

A modulação de largura-de-impulso é a salvação!


Figura 10 – Esquema de um circuito PWM, modulador de largura-de-impulso, controlando a velocidade de um motor.

Substituindo o potenciómetro por um transístor, a velocidade do motor pode ser controlada através do duty-cycle de uma onda quadrada.

Há duas diferenças entre a parte condutora deste circuito e do do LED:
. O transístor, Q3, deve ser mais potente que um 2N3904. Um 2N2222 está OK, para motores pequenos.
. Um díodo, D3, foi adicionado, para absorver os picos indutivos do motor. Um 1N914 ou um 1N4001 serve, para pequenos motores, mas é preferível um 1N5817.

No esquema acima, repare que o motor pode receber 12V, apesar de o CI 74AC14 ser alimentado a 5V. Isto é possível porque a saída do integrado alimenta a resistência do transístor, e não directamente o motor. A resistência, o transístor e o díodo, em conjunto, ajudam a isolar as tensões lógicas das tensões do motor.

5.2. Limitações Práticas do Controlo do Motor por PWM

Utilizando este circuito PWM, consegui alterar a velocidade do motor GM6 do Solarbotics, de 145 RPM a 5V para um valor tão baixo como 0,18 RPM a 5V.

Como pode imaginar, o consumo de potência diminuiu correspondentemente, pois o motor estava a OFF na maior parte do tempo.

Contudo, duvido que o motor fosse capaz de transportar uma carga (movimentar um robot) com uma tão grande alteração da velocidade do motor. Se precisar realmente de alterar a velocidade do motor de forma drástica, utilize engrenagens ou um motor diferente.

A modulação de largura-de-impulso é difícil abaixo dos 25% no caso dos motores porque eles não alcançam a mesma inércia rotacional em confronto com as resistências estáticas, devido à massa lubrificante, engrenagem, e intervalos entre comutadores.

De facto, para que o GM6 rode tão lentamente, tive de reduzir a frequência do PWM a apenas 100 Hz, substituindo o C2 por um condensador de 1 microF. Isto permitiu a cada impulso “ON” tempo suficiente para arrancar o motor com um movimento ligeiro antes da pausa do tempo a “OFF”.

Um outro truque interessante para o controlo do motor com o PWM é aplicar o dobro da tensão standard do motor. Normalmente, o PWM funcionará com um duty-cycle de 50% de forma a que a velocidade total do motor não se altere (o dobro da tensão mas metade do “tempo a ON”).
Mas, com o acrescento de tensão, o robot pode agora ajustar a velocidade do motor acima (ou abaixo) da sua velocidade normal.

Um aspecto estranho do PWM nos motores é que ele pode criar um chiado audível. Basicamente, se escolher uma frequência do PWM na gama audível, o dispositivo mecânico oscilará, muito provavelmente, de forma audível.

Aumentar a frequência para valores superiores a 20 kHz pode silenciar o chiado do motor. Mas, alguns motores, transístores, ou integrados drivers para motores são incapazes de comutar entre ON e OFF a uma velocidade tão elevada.

Precisará de experimentar a escolha da frequência correcta para o seu motor particular, sistema montado, semicondutores, e carga. Eu escolhi 1 kHz porque é provável que funcione com a maioria dos motores, mesmo que não de uma forma silenciosa ou electricamente óptima.

5.3. Vantagens da Modulação de Largura-De-Impulso

Espero que este artigo lhe tenha mostrado como é fácil controlar a velocidade de um motor, o brilho, e potência de um dispositivo eléctrico com a utilização de apenas uma mão-cheia de componentes electrónicos.

Este circuito é melhor do que usar uma resistência fixa ou variável para cargas de valor elevado ou variáveis, tais como motores e displays de LEDs.

Uma solução PWM baseada num microcontrolador utiliza menos componentes e tem a flexibilidade de podermos variar o duty-cycle e a frequência através de software.

Isso pode ser uma vantagem numa batalha de mini-sumo, onde a busca tem de ser desempenhada a uma velocidade do motor muito pequena, mas o duty-cycle precisa de crescer até aos 100% “ON” para empurrar o oponente.

Contudo, pode acrescentar integrados a este circuito se quiser ser capaz de seleccionar uma de entre várias velocidades. Por exemplo, utilizando um demultiplexer ou outro integrado de selecção-de-caminho, pode ligar o caminho entre a saída do 74AC14 e o potenciómetro para passar num de vários potenciómetros com o cursor em várias posições, cada um para uma ocasião, pois.

[FIM]

Novembro 11, 2012   Não há comentários