Imagens de cabeçalho aleatórias... Recarregue a sua página para ver mais!

Teorema de Thévenin – Enunciado para Trabalho Laboratorial

Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos
Disciplina: Electrónica Fundamental
10º Ano
Módulo 2: Análise de Circuitos em Corrente Contínua
Trabalho de Laboratório – Teorema de Thévenin

+

Curso Profissional de Técnico de Electrotecnia
Disciplina: Electricidade e Electrónica
10º Ano
Módulo 2: Análise de Circuitos em Corrente Contínua
Trabalho de Laboratório – Teorema de Thévenin

Thevenin_Lab

Ficheiro Multisim

Agosto 27, 2019   No Comments

PAP – Amplificador Para Pequenos Sinais

Curso Profissional de Electrotecnia
PAP – Prova de Aptidão Profissional
Trabalho: Amplificador de Pequenos Sinais
[draft avançado]

solicite password

Agosto 3, 2019   No Comments

Electromagnetismo – “Como Funciona Um Detector de Metais”

Curso Profissional de Técnico de Electrotecnia (e outros)
Disciplina: Electricidade e Electrónica
Ano: 10º
Módulo 3 – UFCD 6009
Magnetismo e Electromagnetismo


Como Funciona Um Detector de Metais

O funcionamento dos detectores de metais baseia-se no princípio físico da indução electromagnética, que já estudámos.
Os detectores de metais possuem uma ou mais bobinas indutoras que são utilizadas para interagir com elementos / objectos que sejam metálicos e que se encontrem por debaixo do solo (geralmente é nessa situação que se usam mas o princípio de funcionamento é o mesmo qualquer que seja o local onde se encontre o objecto metálico).
O detector de bobina única que se mostra abaixo é uma versão simplificada em relação à que é utilizada num detector de metais real, mas o princípio físico de operação é o mesmo – a indução magnética.



Uma corrente pulsante (variável no tempo) é aplicada à bobina, a qual induz um campo magnético que é mostrado a azul. Quando o campo magnético da bobina se move nas imediações do metal, como por exemplo, na nossa ilustração, uma moeda, esse campo magnético induz, por sua vez, uma corrente eléctrica, ou melhor, corrente eléctricas (chamadas correntes parasitas ou correntes de Foucault) na moeda metálica. Essas correntes vão induzir / criar o seu próprio campo magnético, mostrado a vermelho, o qual vai gerar, na bobina, uma corrente oposta à original (tal como previsto na Lei de Lenz que já estudámos – ver em post anterior). E é isso que produz o sinal que nos indica a presença do metal.
Nota: Por analogia, é o deslocamento do ponteiro do galvanómetro, que se verifica quando introduzimos um íman / campo magnético no interior de uma bobina, experiência que já realizámos em laboratório.

Julho 11, 2019   No Comments