Arquivo de etiquetas: Steve Roach

Steve Roach & Kevin Braheny – “Western Spaces” + Steve Roach, Kevin Braheny & Michael Stearns – “Desert Solitaire” + Steve Roach – “World’s Edge”

pop rock >> quarta-feira, 20.01.1993

FORA DE SÉRIE


Steve Roach & Kevin Braheny
Western Spaces (8)
CD, Fortuna
Steve Roach, Kevin Braheny & Michael Stearns
Desert Solitaire (7)
CD, Fortuna
Steve Roach
World’s Edge (8)
2xCD, Fortuna
Todos import. Ananana



Em “Western Spaces” e “Desert Solitaire”, primeira e segunda partes de uma obra conceptual, os compositores procuraram “captar a essência” do deserto. Em concreto, das regiões áridas do Sudoeste da América do Norte, da Califórnia e das vastidões do Mojave, cujas areias serviram de inspiração a estas paisagens impressionistas.
Steve Roach e Kevin Braheny fazem parte da cena electrónica da “West Coast” americana, de tendência sintesista. Nesta aventura a dois, cujo segundo tomo conta com a colaboração de Michael Stearns, proveniente da mesma área musical, procederam de forma idêntica ao projecto paralelo de Steve Roach com Robert Rich, que tão bons resultados proporcionou até agora, em “Strata” e “Soma”: electrónica mais sonoridades étnicas, reais e sampladas. No fundo, um entre vários ramos da árvore, cada vez frondosa, que Jon Hassell plantou em “Possible Musics”. Música de movimentos e reverberações tão amplas como as do deserto, de flutuações e alterações subtis, repetindo a sucessão imperceptível de contornos das dunas do deserto.
“Desert Solitaire” tem como defeito pouco adiantar em relação ao disco anterior. Diz as mesmas coisas da mesma maneira, sem apresentar inovações. Temas há que parecem repetições de “Western Spaces”. Cai por momentos na monotonia e na “new age” bem comportada. Mas será talvez a monotonia aparente do próprio deserto que exige a disponibilidade e a atenção dos máxima dos sentidos.
O disco a solo de Steve Roach não se afasta muito, em termos formais, dos outros dois álbuns. Nele o compositor parte da metáfora a “chegada à beira do abismo” e do impulso de “saltar no vazio, ganhando asas antes da queda”. Voo e gravidade, expressos num maior contraste dos timbres (não falta o inevitável “didgeridoo”) e na utilização sistemática de percussões – das profundezas das “frame drumas” ao retinir de sino rituais tibetanos e aos ecos de cerâmica do “dumbek”. A excepção é o tema com cerca de uma hora que ocupa a totalidade do segundo disco, “To the threshold of silence”, longa progressão ondulatória, tão silenciosa como “Thursday afternoon”, de Brian Eno, ou “Waiting for Cousteau” (que ninguém se espante, é diferente de tudo o que este autor fez até à data), de Jean-Michel Jarre, aquele que mais se aproxima do sentido xamânico que Roach procura imprimir à sua música.

Steve Roach, Stephen Kent, Kenneth Newby – “Halcyon Days”

Pop Rock

8 Janeiro 1997
poprock

Steve Roach, Stephen Kent, Kenneth Newby
Halcyon Days
FATHOM, DISTRI. STRAUSS


hd

Steve Roach desempenha hoje, no universo da música electrónica conotada com a chamada escola da Califórnia, um papel equivalente ao de Klaus Schulze, nos anos 70, relativamente à Escola de Berlim, ou a Brian Eno, na década seguinte, na área do ambientalismo. À semelhança destes dois músicos, Roach possui a mesma capacidade, quer de aglutinador e catalisador de sons e tendências estéticas alheias, quer de inovador em campos personalizados de composição, que acabam por se instituir como correntes autónomas. Foi Roach que na Hearts of Space, em álbuns como “Western Spaces”, ou “Desert Solitaire”, dignificou um género, a “new age”, conferindo-lhe a profundidade e autenticidade de uma música que unia a espiritualidade, a inovação tecnológica e a essência das músicas étnicas imaginárias do quarto mundo, como as delineara Jon Hassell. Foi ainda Roach, que em plena autofagia dos géneros conotados com a música de dança, reinventou o silêncio para além da “ambient techno”. Primeiro na solidão absoluta dos confins da galáxia, num álbum como “The Magnificent Void”, do qual derivaria a estética “Ambient Noir”, o próprio som da escuridão, amplificado nas cavernas do insconsciente. O lado mais étnico e telúrico da sua música artilhou-o este compositor americano como Suso Saiz e Jorge Reyes, no projecto Suspended Memories, do qual estes “Halcyon Days” são como que a sua continuação, numa área por vezes mais próxima de Hassell, Lights in a Fat City ou Mo Boma, que do naturalismo sónico da sua obra gravada para a Hearts of Space/Fathom. Os seus actuais parceiros são Stephen Kent, mago do didgeridu dos Lights in a Fat City, e Kenneth Newby, autor de uma equação de paranóia musical intitulada “Ecology of Souls”. Com base nos mitos da Grécia antiga, “Halcyon Days” é mais um tratado de hipnose e alucinação auditiva, respiração húmida da terra e das criaturas do subsolo, tanto como o adejar das asas dos insectos e dos anjos. Banda sonora de uma revelação interior ou cova de perdições, território de sonhos sem princípio nem fim. (8)



10 Mais de 1997

26.12.1997
10 Mais de 1997

kreidler_weekend

LINK (Kreidler – “Weekend”)

Fuschimuschi Math-Ice – “Short Stories”
Negativland – “Idepsipe”
Steve Roach, Stephen Kent, Kenneth Newby – “Halcyon Days”
Peter Hammill – “Everyone You Hold”
Kreidler – “Weekend”
Legendary Pink Dots – “Hallway Of The Gods”
Art Zoyd – “Haxan”
Hans-Joachim Roedelius – “Sinfonia Contempora No. 1”
Paul Simon – “Songs from ‘The Capeman’”
La! Neu? – “Düsseldorf”