Arquivo de etiquetas: Stephan Micus

Stephan Micus – Life

17.12.2004
Stephan Micus
Life
ECM, distri. Dargil
8/10

LINK

Stephan Micus continua a aumentar a sua colecção de instrumentos do mundo e a utilizá-los para criar um dos compêndios mais completos de “World Music” imaginária. Em “Life” os novos artefactos são a “bagana”, lira da Etiópia, o “maung”, 40 gongos afinados de Burma, o “dondon”, tambor do Ghana e o “Kyeezee”, sinos de Burma usados em cerimónias budistas. Mais “tin whistle”, “sho”, saltério, “dilruba”, “nay” e vozes, todos gravados em pistas múltiplas. “Life” é uma meditação aprofundada, 30 anos depois, do enigma proposto em “Koan”, álbum antigo de Micus. O monge discípulo volta ao mestre convencido que descobriu a essência da vida. “Quando não há nuvens sobre a montanha, a luz do luar atravessa as ondulações do lago”. O mestre, irritado com a resposta, acusa o monge de não ter aprendido nada. O monge, lavado em lágrimas, implora: “Mestre, diga-me então qual é a essência da vida”. Responde o mestre: “Quando não há nuvens sobre a montanha, a luz do luar atravessa as ondulações do lago”. Na música de Micus não há paradoxos mas penetra-a o espírito zen. Cânticos de elevação, orações de flauta, estremecimentos do ar e batimentos de peles e minerais. Uma música que toca e modela as emoções mais profundas e que, álbum após álbum, vem alargando a geografia interior deste alemão apaixonado pelas culturas ancestrais do globo.

Stephan Micus – The Garden Of Mirrors

31.10.1997
Stephan Micus
The Garden Of Mirrors (8)
ECM, distri. Dargil

LINK
pwd: newage

“The Garden Of Mirrors” é o 13º álbum deste músico alemão cuja obra se tem vindo a desenvolver, desde o início, na ECM. Passo a passo, de instrumento em instrumento (e, até agora, já se inventariaram 30, usados ao vivo ou em disco pelo músico), Stephan Micus tem vindo a criar uma sonoridade única, marcada pela religiosidade e pelo silêncio. Ora mais próximo do Oriente e do Zen, como em “koan2, “Ocean” ou “Twilight Fields”, ora da música cristã, incluindo as suas várias heterodoxias, como no recente “Athos”, sempre Micus evoluiu no sentido de uma depuração última, na procura da máxima simplicidade com um mínimo de meios. Desta feita a ênfase instrumental é posta na harpa “sinding”, do Oeste africano, continuando uma prática fundamental de Micus, de agarrar na essência de cada instrumento, servindo-o e servindo-se dele numa ascese sem fim. Em “The Garden of Mirrors”, a influência africana do tema inicial dilui-se progressivamente numa série de mantras subtis que tanto se podem manifestar no canto (faceta cada vez mais explorada por Micus) como nas respirações espirituais do “tin whistle”, do sho e do shakuachi. A cada audição percebem-se subtis ordens interiores e articulações inusitadas no modo como Stephan Micus dispõe as moléculas do seu sistema musical. Tudo conflui para a elevação e para a luz. Não é new age. Não é world music. “the Garden of Mirrors” é verdadeiramente um farol a indicar-nos a fonte de todas as músicas.

Stephan Micus – Desert Poems

09.03.2001
Stephan Micus
Desert Poems
ECM, distri. Dargil
8/10

stephanmicus_desertsongs

LINK

Imperturbável, afastado das modas e tendências, Stephan Micus vem construindo na ECM uma obra ímpar que o coloca num lugar à parte da produção contemporânea. Recolhendo elementos étnicos e religiosos das tradições do Ocidente e do Oriente, a música de Micus é uma viagem de contemplação mais do que pelas geografias do globo, pelos mapas do espírito. O modalismo de múltiplas tradições orais, o transe e os rituais do Oriente árabe e asiático cruzam-se com liturgias gregas e canto gregoriano num jardim zen. Música de silêncio, júbilo e devoção, “Desert Poems” tem a serenidade do despojamento, mas também uma complexidade quase sinfónica na harmonização das dilrubas, em “Adela” e “Shen khar venakhi”. Como de costume, Micus socorre-se de uma extensa paleta de instrumentos tradicionais, multiplicados ou a solo – além da dilruba, o sarangi, dondon, doussn’gouni, kalimba, sinding, steel drums, shakuhachi, sattar e os já habituais vasos de barro.