Arquivo de etiquetas: Sam Rivers

Bud Powell – “The Scene Changes” + Jackie McLean – “Let Freedom Ring” + Lee Morgan – “Search For The New Land” + Sam Rivers – “Fuchsia Swing Song” + Joe Henderson – “Mode For Joe” + Wayne Shorter – “Adam’s Apple” + Larry Young – “Mother Ship” + Andrew Hill – “Passing Ships” + Hank Mobley – “Thinking Of Home”

(público >> mil-folhas >> jazz >> crítica de discos)
sábado, 20 Dezembro 2003

Jackie McLean e Wayne Shorter, em duas das suas obras-chave, destacam-se do mais recente pacote de remasterizações da série Rudy van Gelder. Os colecionadores da Blue Note não vão ter mãos a medir.


Liberdade de comer a maçã

Bud Powell
The Scene Changes
8 | 10

Jackie McLean
Let Freedom Ring
9 | 10

Lee Morgan
Search For The New Land
8 | 10

Sam Rivers
Fuchsia Swing Song
7 | 10

Joe Henderson
Mode For Joe
8 | 10

Wayne Shorter
Adam’s Apple
9 | 10

Larry Young
Mother Ship
8 | 10

Andrew Hill
Passing Ships
7 | 10

Hank Mobley
Thinking Of Home
7 | 10

Todos Blue Note, distri. EMI-VC


Sabe a manjar e não sai caro escutar as preciosidades que a Blue Note vem colocando periodicamente no mercado em remasterizações de 24-bit com a chancela “The
Rudy Van Gelder Edition”, incluindo as novas “Connoisseur CD Séries”. Na mais recente fornada encontramos os nomes de Bud Powell, Jackie McLean, Lee Morgan, Sam Rivers, Joe Henderson, Wayne Shorter, Larry Young, Andrew Hill e Hank Mobley. Qualquer deles com o nome inscrito em letras gordas na grande enciclopédia do jazz. Depois do “quem”, vejamos o “quê”. Por ordem cronológica.
28 de Dezembro de 1958. Bud Powell, uma das forças vivas do piano “bop”. Em “The Scene Changes” em trio com Paul Chambers (contrabaixo) e Art Taylor (bateria). Powell habitou desde cedo o lado negro do “be bop”, acometido por problemas físicos e mentais que moldaram a sua música em intervalos estranhos, tons menores e solos aos quais alguém chamou um “empilhamento de caixas” de modo incongruente. “Un poco loco”, título revelador incluído no primeiro volume de “The Amazing Bud Powell” (gravações compreendidas entre 1949 e 1951), “génio” ou ambas as coisas, Bud Powell recria em “The Scene Changes” os tempos rápidos, fragmentados em nódulos harmónicos de onde é possível extrair inesgotável alimento. Entre o mambo e o enigma, Powell bopou como um louco, fazendo os cenários girar interminavelmente nas nossas cabeças.
19 de Março de 1962. Sob a influência de Ornette Coleman, Jackie McLean relança em “Let Freedom Ring” a linguagem do “bop” e do “hard bop” na direção de uma expressividade mais livre, rasgada pelas inovações modais que Miles Davis patenteara três anos antes no manifesto “Kind of Blue”. O sax alto liberta-se, aliando a rugosidade tímbrica e uma energia entusiasmante às permissividades do “free” e a modulações pertencentes já ao emergente jazzrock. A longa abertura “Melody for melonae” é um portento onde o fogo e a água (jorrando em cascata do piano de Walter Davis Jr.), a abstracção e a imaginação se combinam na criação de um clássico. “My life has been sweet and sour, bittersweet, and I’m interpreting my experience. I’m a sugar-free saxophonist”, disse de si próprio o saxofonista que neste disco se faz acompanhar ainda por Herbie Lewis (contrabaixo) e Billy Higgins (bateria). Para o comprovar, basta escutar o licor e o grito amargo que se desprendem de “I’ll keep loving you”.
15 de Fevereiro de 1964. Lee Morgan, autor da obra-prima “The Sidewinder”, gravaria no ano seguinte outro disco magistral, “Search for the New Land”, como líder de uma formidável formação composta por Wayne Shorter (sax tenor), Grant Green (guitarra), Herbie Hancock (piano, Reggie Workman (contrabaixo) e Billy Higgins (bateria). Também neste caso os 13 minutos do título-tema que abre o álbum funcionam como formulário de um disco marcado por uma faceta dançável, advinda do “blues”, a par da imaginação e criatividade proporcionadas por Shorter e Hancock, ambos em picos de forma (o saxofonista gravaria neste ano “Juju” e “Speak no Evil” enquanto para o teclista 1964 seria o ano do monumental “Maiden Voyage”). Para o trompetista, porém, esta busca de novas terras soaria como um dos derradeiros ecos de uma música que daí para a frente se esgotaria num sólido suporte de “blowing sessions”, às quais faltaria, porém, a nitidez do enfoque deste disco e de “The Sidewinder”.
11 de Dezembro de 1964. “Fuchsia Swing Song” constitui a primeira gravação enquanto líder de Sam Rivers, um dos grandes saxofones tenores do “free jazz”, mas nesta gravação dependendo ainda das métricas swingantes do “hard bop”. Torrente imparável de ideias, todavia invariavelmente formatadas na disciplina do “blues” (“Downstairs blues upstairs”) e da tradição. Atento às inovações de Rollins, Coltrane, Dolphy e Coleman, bem como aos percursos de Ayler e Shepp, Rivers permite-se rasgar os compassos, entrando e saindo, estendendo-os em modulações circulares, como em “Cyclic episode”, ou solilóquios de pura interiorização, como “Luminous monolith”. Jaki Byard (piano), Ron Carter (contrabaixo) e Tony Williams (bateria), são os seus parceiros de luxo mas não ainda aqueles que permitiriam ao saxofonista libertar todo o seu génio.
27 Janeiro de 1966. Joe Henderson, tenorista de sonoridade redonda e “comestível” (como Rollins e Coltrane, embora sem a amplitude anímica destes, o que não o impede de meter ambos no bolso no extraordinário “Caribbean fire dance”) recruta Lee Morgan, Curtis Fullwer (trombone), Bobby Hutcherson (vibrafone), Cedar Walton (piano), Ron Carter (contrabaixo) e Joe Chambers (bateria) para fazer “Mode for Joe”. A instrumentação diversificada permite uma riqueza de arranjos e cores que Henderson aproveita, como em “Black”, para juntar a complexidade da composição à liberdade da improvisação. Depois, já se sabe, qualquer disco que tenha a participação de Hutcherson jamais corre o risco de ser recompensado na avaliação com um défice de estrelas.
2 de Fevereiro de 1966. Outro disco indispensável. “Adam’s Apple”, de Wayne Shorter. Com Herbie Hancock, Reggie Workman e Joe Chambers. Aos primeiros acordes de piano de Hancock, o coração dispara numa dança irresistível. Logo a seguir, o tenor entra e acerta o passo e… nada a fazer… quem quiser assistir a uma demonstração prática do que é o swing só tem que ter ouvidos e deixar-se arrastar pelo balanço. Hancock e Shorter são, aliás, almas gémeas, e da sua colaboração irrompe invariavelmente magia. Seja nos tempos rápidos, seja numa balada como “802 blues (drinkin’ and drivin’)”, diálogo muito perto da perfeição. Voltam a ser o tandem perfeito na latinidade de “El gaucho”. Ah, claro, e é neste disco que se encontra “Footprints”, um dos “standards” dos anos 60 que marcaram o som e a atitude do jazz de fusão que a década de 70 consagraria.
7 de Fevereiro de 1969. Menos “lounge” que Jimmy Smith, menos “funky” que Charles Earland, Larry Young é um organista assolado por uma espiritualidade acentuada (a infl uência de Coltrane e McCoy Tyner, tem destes efeitos), autor de “Unity”, gravado quatro anos antes deste “Mother Ship” (com Lee Morgan, Herbert Morgan, no sax tenor, e Eddie Gladden, na bateria). Construída em verticalidade (ouça-se um solo de Smith e outro de Young, para se perceber a diferença de orientação e construção…) “Mother Ship” lança na estratosfera hinos e orações a divindades pagãs, em templos onde a arquitetura é por vezes, como em “Visions”, banhada pela sombra do “dark magus” Miles Davis.
7 de Novembro de 1969. Dois trompetes, trombone, “french horn”, tuba, clarinet baixo, “english horn”, saxofones, flauta. Woody Shaw, Julian Priester, Howard Johnson, Joe Farrell, estão presentes em “Passing Ships” repletos de sopros em banda de nove elementos sob a liderança do pianista Andrew Hill. O título-tema é elucidativo do barroquismo dos arranjos e a entrada de “Plantation bag” poderia fazer parte de um álbum dos Soft Machine. Para quem aprecie desbravar florestas e deparar com o inesperado a cada canto, embarque num destes “Passing Ships” e desfrute da riqueza das paisagens. O próprio Hill se deixa deslumbrar baixando o piano ao nível das sombras. Ocasionalmente, a gravação deixa entender o trabalho de remontagem a que as fitas originais foram sujeitas.
31 de Julho de 1970. Entrada nos anos 70 com o Jazz Messenger e ex-sideman, uma década antes, de Miles Davis, Hank Mobley, tenorista incontornável do “hard bop”. Mas é Woody Shaw quem começa por se destacar na trompete na “suite” cortada em três segmentos que abre o álbum. Cedar Walton, no piano, é a outra peça-chave deste trabalho onde a competência dos músicos é inquestionável, mas ao qual falta a chispa das grandes obras. Como é “Soul Station”, deste mesmo Hank Mobley, aqui caseiro e acomodado em demasia.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Jason Moran Trio com Sam Rivers + Kenny Werner Trio – “Pianos, Para Que Vos Querem” (concertos / festivais / jazz / seixal jazz 2003)

(público >> cultura >> jazz >> concertos / festivais)
terça-feira, 28 Outubro 2003


Pianos, para que vos querem


Jason Moran Trio com Sam Rivers
SEIXAL Auditório Municipal
23 Outubro, às 21h30
Lotação esgotada

Kenny Werner Trio
SEIXAL Auditório Municipal
25 Outubro, às 21h30
Sala quase cheia

Cumpriu-se o primeiro fim-de-semana internacional do Seixal Jazz, mas ficaram por cumprir promessas de melhor jazz. Na quinta-feira, Sam Rivers, o mestre, não teve nos jovens músicos que o acompanharam parceiros musicais à altura das circunstâncias. Jason Moran e o seu trio deram mostras de um entusiasmo que, amiúde, se traduziu em despropósito, praticamente abafando o discurso do músico convidado. Rivers sorriu, encolheu os ombros, adaptou-se e, embora já sem o pulmão de outros tempos, desencantou mesmo assim sortilégios. Em compensação, Kenny Werner mostrou que o seu piano sabe fazer a distinção entre o essencial e o supérfluo, bem apoiado por uma secção rítmica onde a subtileza imperou sobre a espetacularidade.
Jason Moran veio ao Seixal com Tarus Mateen (baixo) e Nasheet Waits (bateria). Para distribuir um mostruário de poses de “jovens leões” modernaços e tecnicamente dotados. Mateen a cultivar um ar desleixado e a mostrar que velocidade de dedos – assim a modos como um Alvin Lee do jazz – é com ele. Waits a bater com força e a fazer transbordar os tambores e os pratos, assumindo um protagonismo nervoso. Moran é um bom decorador. Desenhou arabescos, núcleos melódicos, timbres aquáticos, cores berrantes, o problema está em que estes se enquadraram com dificuldade na lógica do “3 mais um”. Um solo romântico teve a adorná-lo o tipo de fraseados neoclássicos que das lições de Bill Evans retiveram um lado de “rock progressivo” à maneira dos Renaissance… Um catálogo de moda, pronto a folhear.
Que fez Sam Rivers, convidado de honra, no meio de tudo isto? Fez o que pôde, abdicando de submeter ao sufrágio do coletivo as suas ideias para, ao invés, se resignar aos delírios e sofreguidão do trio. Foi vê-lo sorrir com ar travesso, como quem diz, “são novos, perdoa-se-lhes a distração”. No saxofone tenor mostrou, mesmo assim, que na sua cabeça se entrecruzam, em simultâneo, mais ideias por segundo do que todas as que ficaram asfixiadas debaixo do chapéu de Jason Moran ao longo das mais de duas horas que durou o duplo “set”. O soprano girou suavemente em módulos circulares e acabou por ser na flauta que a imaginação se apoderou de mais espaço para respirar e improvisar com outra liberdade. Seja como for, a ligação Moran/Rivers soou a diálogo mal ensaiado. Mais por culpa do centralismo do primeiro do que por falta de empenho do segundo.

A voz essencial de Kenny Werner

Dois dias mais tarde, o piano teve a sua “vingança” com Kenny Werner. Tudo o que em Moran é artifício, em Werner transmuta-se em voz essencial. Num “Amonkst” de homenagem ao mítico bopper Thelonious Monk ou nas divagações em torno de uma “Siciliana” de Bach, Werner personificou a concentração, a clareza e a arte de navegar. Como em Moran, foram recorrentes as “saídas” e as viagens para o exterior dos temas centrais, com a diferença de que nunca soaram extemporâneas ou artificiais, como se um cordão invisível impedisse a imaginação de cortar os fios que a ligam à razão. Fluência, uma noção do ritmo próprio de um construtor de catedrais e um swing omnipresente criaram as bases sólidas sobre as quais foram edificadas imagens de extraordinária beleza, a uma escala mais evidente do que no último álbum do trio, “Beat Degeneration”. A dupla rítmica alemã formada por Johannes Weidenmueller (contrabaixo) e Ari Hoenig (bateria) evidenciou, por seu lado, uma leveza e subtileza extremas, nos antípodas da dupla de apoio a Moran. Filigranas, variações de compasso e pontuações milimétricas no caso do baterista. Pulsação orgânica, discrição e controle de velocidade no caso do contrabaixista.
Noutro local do festival, músicos portugueses em ação, um balcão de venda de CDs que foi a perdição de muita gente e uma exposição de cartazes pedagógico alusivos à história do jazz com enfoque na editora Blue Note criaram um ambiente acolhedor, ideal para se saborear o jazz. No sábado, mal se deu pela chuva e pelos trovões que ribombaram pela noite fora.

EM RESUMO
No duelo de pianos, Kenny Werner levou a melhor sobre Jason Moran. A vitória do essencial sobre o acessório. Sam Rivers fez parte de outra história.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Sam Rivers + Jason Moran + Kenny Werner + Quarteto de Pedro Madaleno + outros – “‘Play It Again, Sam’ – Seixal Jazz 2003” (concertos / jazz / festivais / antevisão)

(público >> cultura >> jazz >> concertos / festivais)
quinta-feira, 23 Outubro 2003


“Play it again, Sam”

SEIXAL JAZZ 2003

Sam Rivers com o trio de Jason Moran e Kenny Werner abrem hoje à noite a programação internacional do festival


O Seixal Jazz 2003 arranca hoje com os concertos internacionais. A abertura não poderia ser mais excitante. O programa anuncia como concerto de abertura Jason Moran Trio com Sam Rivers. Muitos, porém, preferirão alterar a ordem dos fatores e dizer Sam Rivers com Jason Moran. Porque, quer se queira quer não, há uma diferença de estatuto. Moran, de 28 anos, é uma das atuais coqueluches do piano. Rivers, de 73, saxofonista e flautista, é uma lenda do jazz. Moran tem técnica, bom gosto e, no novo álbum, “The Bandwagon”, a ousadia de inserir citações electro dos Kraftwerk, via Afrika Bambaataa, no jazz. Rivers tem o “blues” no sangue e outro tipo de ousadia, que o levou a criar uma topologia e lógica próprias dentro do “free jazz”, conferindo-lhe uma ordem apenas possível para quem viveu por dentro e por inteiro a tradição.
Rivers tocou com Gigi Gryce, Billie Holiday, gente da “soul”, como Wilson Pickett, dos “blues”, como B. B. King, e deuses, como Miles Davis. Gravou com Dizzy Gillespie, Tony Williams, Cecil Taylor, Andrew Hill, Bill Evans, George Russell, Dave Holland, Barry Altschul e Larry Young, entre outros. A sua entrada, no saxofone tenor, na obra-prima “Dialogue” (1965, com Andrew Hill, Freddie Hubbard, Joe Chambers…)”, do vibrafonista Bobby Hutcherson, como que projeta a música num futuro até aí inimaginado pelo “free”, numa antecipação do jazz que hoje se ouve, e a confirmar o lado mais visionário e inovador deste extraordinário intérprete e executante. Rivers – que já atuara em Portugal no final dos anos 70 no Festival de Jazz de Cascais e, há dois anos, no de Matosinhos – e Moran encontraram-se em 2001 no álbum “Black Stars”. Dois “sets”, como é hábito no Seixal Jazz, às 21h30 e 23h30, prometem dar muito bom jazz a ouvir e muito que falar.
Amanhã, o guitarrista português Pedro Madaleno apresenta-se em quarteto com Wolfgang Flur (sax tenor), Bernardo Moreira (contrabaixo) e Dejan Térzic (bateria). Jazz na fronteira da fusão. Madaleno estudou, entre outros, com o pianista Kenny Werner, que amanhã, de novo em “set” duplo, atua em trio com Johannes Weidenmueller (contrabaixo) e Ari Hoenig (bateria).
Werner interpretou Duke Ellington e Bix Beiderbecke no álbum de estreia de 1977, mas na década seguinte encontramo-lo já a dar lições de piano na New School of Music, de Nova Iorque. Para trás ficavam gravações com Mingus, Archie Shepp, Chico Freeman, Lee Konitz, Joe Lovano e Maria Schneider, entre outros. Melodista imaginativo (o que terá a ver com a sua estadia na banda do baterista Mel Lewis), abrangente na assimilação quer de uma linguagem de rigor na qual alguns veem o legado de Lennie Tristano, quer nas fraturas e descontinuidades rítmicas herdadas do “free”, Werner é um dos pianistas incontornáveis do jazz atual. Álbuns como “A Delicate Balance” e “Beauty Secrets” fazem-lhe justiça.
A partir das 23h, e às 24h, nos refeitórios da antiga Fábrica Mundet, haverá mais concertos, pelo trio do pianista Filipe Melo (hoje), trio do pianista Rodrigo Gonçalves e Quarteto Politonia (ambos amanhã). A entrada é livre.
Amanhã, entre as 15h e as 18h, nos refeitórios da antiga Fábrica Mundet, o trio de Kenny Werner efetua um “workshop” de piano, contrabaixo e bateria. No sábado, à mesma hora e no mesmo local, será a vez de Sam Rivers revelar os segredos dos saxofones tenor e soprano e da flauta.

Seixal Jazz 2003
Sam Rivers + Jason Moran Trio

Hoje, às 21h30 e 23h30
Quarteto de Pedro Madaleno
Amanhã, às 21h30
Kenny Werner Trio
Sábado, às 21h30 e 23h30.
SEIXAL Auditório Municipal do Fórum Cultural.
Tel. 212226411.
Bilhetes a 10 euros.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0