Arquivo de etiquetas: Radio Tarifa

Radio Tarifa – “Temporal”

POP ROCK

20 de Novembro de 1996
world

No fuso do Sul

RADIO TARIFA
Temporal (10)
Ariola, import. Disco 3


rt

Pode acusar-se os Radio Tarifa de pilhagem, como corsários, ou de “traficantes” do tempo, mas nunca de sectarismo. Ao contrário da maior parte dos grupos de música de raiz tradicional espanhola, que regra geral agem sob a bandeira de um regionalismo ferrenho, na defesa de culturas tradicionais como as da Galiza, Astúrias ou Catalunha, os Radio Tarifa propõem uma nova unidade para um Sul abrangente e culturalmente miscigenado, com raízes no passado mais receptivo ao vírus da modernidade. “Rumba Argelina” (recentemente reeditado pela World Circuit com nova e mais atractiva embalagem) constituiu o cartão de visita deste grupo que, na altura da sua estreia editorial no nosso país, estabeleceu um contraste salutar com a “folk” oriunda da Galiza, que então exercia o seu domínio, quase imperialista, sendo a única, com selo espanhol, com dimensão e implantação no mercado nacional. “Temporal” já não tem, obviamente, o mesmo impacte que “Rumba Argelina”, mas, ainda com mais força do que este, fez-nos acreditar que, afinal, o termo “fusão” está longe do esgotamento, podendo levar a música de raiz tradicional para regiões virgens e excitantes. No caso dos Radio Tarifa, através de um método de trabalho que explora técnicas, vocais e instrumentais, que remontam desde a Idade Média ao “canto jondo” e às tradições cristã, árabe e sefardita – os três pilares da música e da cultura do Sul de Espanha –, passando pelo folclore galego e castelhano. Seja qual for o enquadramento, a regra número um dos Radio Tarifa impõe que cada fragmento mutante do seu híbrido tenha o sinal e corresponda a uma sensibilidade dos nossos dias. Prodigioso, neste aspecto, é o arranjo de “Canción sefardi”, uma solução alquímica de órgão Hammond, com o “nay” (flauta) e um “coral” de cromornas medievais que mete os Gryphon e os Amazing Blondel juntos num sapato. Sensual, inquietante e misterioso. Logo após “Baile de Almut”, inteiramente constituído por percussões, os apreciadores de flamenco têm “Las cuevas”, uma “Soléa” e “Tangos de la condición” para se deliciar, nas vozes ortodoxas de Benjamin Escoriza e Rafael Jiménez. “Conductus”, um tema francês, em cadência processional, do século XIII, está investido da beleza do boé de Poitou (parente da bombarda) e entusiasmará os amantes de música antiga, o mesmo acontecendo com “El mandil de Carolina”, onde o nobre sopro de Poitou dança com a sanfona, a darbuka, o “riq” e a voz arrebatada de Benjamin Escoriza sobre um compasso de baixo eléctrico que faz a síntese admirável do tradicional com o rock. “Temporal” regressa ao flamenco e à fogueira cigana, aplacando-se finalmente na Sanabria e numa cantiga medieval de Afonso X. Menos imediatista do que “Rumba Argelina”, “Temporal” garante aos Radio Tarifa, pelo menos em relação ao seu trabalho de estúdio (a sua apresentação ao vivo, em Algés, numa das edições dos “Encontros” não foi famosa…), a condição de Adeptos da Tradição Mediterrânica e entrada directa na lista de candidatos ao galardão de “melhor disco folk” de 1996.



Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0