Arquivo de etiquetas: Quarteto 1111

“Mistérios E Maravilhas Do Progressivo Português” (artigo de opinião)

(público >> y >> portugueses >> artigos de opinião)
11 Abril 2003


mistérios e maravilhas do progressivo português



Em Portugal o Progressivo chegou a conta-gotas. Quando lá fora se varriam os cacos e o punk encolhia o rock’n’roll a três notas e o dobro de cuspidela, em Portugal os músicos “descobriam” ser possível fazer algo mais que a canção popular interventiva, a pop canónica dos Beatles e o nacional-cançonetismo.
Ao contrário, porém, do que sucedeu em Inglaterra, Itália ou França, faltava-nos tradição. Tínhamos a MPP de José Afonso e companhia e, mais para trás, o ié-ié. Também não abundavam os bons executantes e, pior, bons executantes originais. Restava aos músicos que se deixaram impressionar pelos King Crimson, os Gentle Giant, os Jethro Tull, os Genesis, os Yes ou os Van Der Graaf Generator assimilar e copiar os modelos estrangeiros.
Houve bandas promissoras que nunca chegaram a gravar, como os Kama Sutra ou, para muitos uma das melhores bandas progressivas portuguesas de sempre, os Ephedra. Os Psico tinham em Filipe Pires (mais tarde nos Heavy Band, imortalizados numa célebre primeira parte de um concerto dos Atomic Rooster em Almada) um dos maiores guitarristas da sua geração. Os Perspectiva guardaram o projeco “A Quinta Parte do Mundo” na gaveta. Já os Anangaranga deixaram registados “Regresso às Origens” (79) e “Privado” (80), hoje bastante procurados pelos colecionadores estrangeiros. Dos Saga há a anotar o conceptual “Homo Sapiens”.
Os Beatnicks, com a vocalista Lena d´Água, poderiam ter ido mais longe do que foram. Ficaram a recordação de um concerto inolvidável em Sintra onde o grupo se entregou com brio à execução de um tema de meia-hora, “Cosmonicação”, no meio de fumos coloridos e projeção de slides psicadélicos, a gravação de dois singles e um álbum tardio, “Aspectos Humanos” (1982).
Miguel Graça Moura, hoje maestro da “clássica”, lançou os Pop Five Music Incorporated (lembram-se do indicativo do programa radiofónico “Página Um”?) e, a seguir, os Smoog, um dos primeiros grupos a utilizar um sintetizador Moog, acabado de desembrulhar por MGM no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, em 1973, na primeira parte de um espetáculo do “bluesman” Freddie King.
Não chegava para criar uma atmosfera, muito menos uma corrente. Mantendo apenas ténues ligações ao Progressivo, a Banda do Casaco, de Nuno Rodrigues e António Pinho, gravaram álbuns importantes como “Do Benefício de um Vendido no Reino dos Bonifácios” (74), “Coisas do Arco da Velha” (76), “Hoje há Conquilhas Amanhã não Sabemos” (77) e “Contos da Barbearia” (78). Mais datado, o álbum dos Filarmónica Fraude, “Epopeia” (69), destaca-se como uma curiosidade resgatada pelo tom de crítica social bem humorada das letras de António Pinho. Júlio Pereira coseu rendilhados progressivos à música tradicional portuguesa em “Fernandinho Vai ao Vinho…” (76)”. Luís Cília gravou um álbum instrumental de ressonâncias progressivas, “Transparências” (78). Quanto ao Quarteto 1111, renovou a pop nacional, entrando para a lenda com “Onde Quando e Porquê Cantamos Pessoas Vivas” (74).
“Mestre” (73) e “Ascenção e Queda” (76), dos Petrus Castrus, o segundo recentemente reeditado em CD em miniatura cartonada, fornecem pistas honestas do que poderia ter sido o “Progressivo Português” mas não tiveram continuação. Outro álbum, furiosamente apreciado pelos maníacos colecionadores de Progressivo japoneses, tem a assinatura de José Cid: “10000 Anos Depois, entre Vénus e Marte” (79, um delírio “sci-fi” colorido pelas sonoridades do “Mellotron” e do “Moog Synthesizer”).
Sobram os Tantra, de Manuel Cardoso, o único grupo clássico do Progressivo lusitano. Tinham (e têm…) um conceito próprio, presente na teatralidade (a história regista a apresentação de “Mistérios e Maravilhas”, 1977, no Coliseu de Lisboa como réplica nacional ao “show” dos Genesis), com máscaras e cenários alusivos, e no conteúdo musical. Seguir-se-ia “Holocausto” (79) e a posterior encarnação de Manuel Cardoso na personagem Frodo, que deu origem ao álbum “Noites de Lisboa” (82). Frodo que agora desceu de novo à “Terra”.



Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

O Regresso Dos Clássicos – artigo

Pop Rock

5 JANEIRO 1994
O ANO EM MÚSICA POPROCK PORTUGUESA

O REGRESSO DOS CLÁSSICOS


1111

Em 1992 o ano passado passou a sê-lo menos, na música popular portuguesa. Obras fundamentais de décadas anteriores perderam a poeira, os riscos e a “patine”, para se apresentarem de cara lavada no formato digital. Os novos têm desde agora ao seu dispor compêndios onde podem dar de beber à inspiração. Claro que muito ficou por reeditar, mas o caminho parece estar traçado, sem hipótese de retorno.

Durante os primeiros seis meses foram reeditados em Portugal e em CD algumas obras fundamentais da música de Cabo Verde. Primeiro a rainha da morna, Cesária Évora, com “Destino de Belita”, o menos conseguido, “Mar Azul”, um dos discos mais belos de sempre da música lusófona, e “Miss Perfumado” que, só em França, já vendeu para cima de 50 mil exemplares. No mesmo mês chegou aos escaparates outro nome mítico da música das ilhas, António Vicente Lopes, ou Antoninho Travadinha, com “Travadinha – Le Violin du Cap Vert”.
Junho foi o mês da chegada de mais mornas, desta feita assinadas por B. Leza, na voz de Titina. Vitorino foi o primeiro português a merecer honras de reedição. “Leitaria Garrett”, o já clássico retrato de Lisboa do princípio do século, aí está de novo, liberto de ruídos e preconceitos. Já perto do final do ano, o cantor alentejano viria a reincidir, lançando uma colectânea que inclui as canções por si consideradas “as mais bonitas” da sua carreira. Enquanto isso o seu irmão Janita Salomé soltava o “cante” alentejano e outros ventos ainda mais a sul com “Melro”. Em Setembro Pedro Caldeira Cabral mostrou na guitarra portuguesa as suas fusões com a tradição e a música de câmara em “Pedro Caldeira Cabral” e “Duas Faces”. Em minidisc saíram entretanto “Fados de Coimbra”, Traz Outro Amigo Também” e “Cantigas do Maio”, de José Afonso.
Já em Dezembro chegou a vez das homenagens. Vicente da Câmara, José da Câmara e Nuno da Câmara Pereira evocaram os fados e a música de Maria Teresa de Noronha, falecida este ano, em “Tradição”. Homenagem a Maria Teresa de Noronha”. Na calha estão o disco de homenagem a José Afonso, que levará a assinatura da maior parte dos nomes mais conhecidos da nossa cena musical, e outro em que o homenageado será António Variações, com edição prevista já para este mês.
Quem não esperou pelo novo ano foram os Castro e Barius que em “Tributo” “assassinam” a música de José Afonso, Fausto e Vitorino. José Afonso que, se fosse vivo, teria gostado de ver as reedições em compacto que se fizeram de “Galinhas do Mato” e “Zeca Afonso no Coliseu”.
Com a “Pedra Filosofal” voltou a obra de Manuel Freire. Por cumprir fica a promessa de reedição em caixa da obra completa de Adriano Correia de Oliveira. Outras duas caixas de triplos CD’s, entretanto já lançadas, são: uma de declamação de poesia pelo grande João Villaret, outra com “O Melhor” da fadista castiça Hermínia Silva.
“Cavaquinho”, de Júlio Pereira, encetou entretanto a reedição dos primeiros trabalhos deste artista, na mesma altura em que a Banda do Casaco começava pelo fim, lançando as edições em compacto de “No Jardim da Celeste”, “Também Eu” e “Banda do Casaco com Ti Chitas”, deixando para a próxima os quatro álbuns que faltam. A canção ligeira do final dos anos 60 foi recordada através de “Os Primeiros Êxitos” de Carlos Mendes e Fernando Tordo, os mesmos de Falas Tu ou Falo Eu.
Finalmente, num ano que assistiu ao renascimento do rei do twist Vítor Mendes, não causou surpresa o reaparecimento e recuperação de bandas ié-ié dos 60 como os Sheiks e o Conjunto João Paulo. E porque não começar o novo ano a ouvir “A lenda de el-rei D. Sebastião” e “Balada para D. Inês”, duas canções que puseram o comboio em andamento, incluídas na colectânea “A lenda do Quarteto 1111”?

aqui



Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Frei Hermano Da Câmara – Entrevista

Pop Rock

21 de Dezembro de 1994
EM PÚBLICO

FREI HERMANO DA CÂMARA *


fhc

Entre “O Nazareno” e este seu novo disco, “Missa Portuguesa” distam 16 anos. A que se deve um intervalo tão longo?
Deve-se sobretudo à fundação que eu fiz, dos Apóstolos de Maria, uma fundação com duas vertentes. Somos religiosos contemplativos e activos. Pela contemplação rezamos, temos uma via de adoração intensa. Pela acção, temos o nosso apostolado através da música. Como deve calcular, uma fundação nova dentro da Igreja dá sempre muito trabalho. Depois, as minhas gravações são quase todas com músicas compostas por mim e isso exigiu um reportório especial.

Até que ponto o novo disco é fiel às várias fases da liturgia?
Tem todas as características de uma missa. Segue o esquema do missal romano, nas suas partes invariáveis e variáveis. Tem o cântico de entrada, o “Kyrie”, o “Glória”, “Aleluia”…

Porque razão escolheu, em duas canções, textos das místicas Teresa de Lisieux e Teresa de Ávila?
Primeiro porque tenho uma grande paixão pelos grandes místicos, dos carmelitas como Teresa de Ávila, Santa Teresa do Menino-Jesus [Teresa de Lisieux] e São João da Cruz. Achei que Santa Teresa de Lisieux se aplicava ao Ofertório, porque fala de oferta – “os meus perfumes são para ti, Senhor” – e o de Santa Teresa de Ávila à Comunhão.

O disco surge numa altura em que outros, como o dos monges de Silos, estão a ter um enorme sucesso. Que razões encontra para este sucesso?
É um fenómeno que eu não sei explicar. Mas dá-me a impressão que as pessoas estão fartas daquela música que não acalma, que não serena, da chamada música pesada. As pessoas precisam de sossego e de calma.

Em vez de acordar as pessoas, adormecê-las… Não será isso uma fuga, um escape, um sedativo para os problemas do dia-a-dia, em última análise uma outra forma de alienação?
Não sei se o facto de as pessoas ouvirem uma música calma seja uma alienação dos problemas. Pelo contrário, acho que a pessoa, para tomar consciência desses problemas, tem que ter calma e serenidade. Não é neste ruído do mundo, nesta barulheira das “boîtes” e da música que se ouve na telefonia, que as pessoas têm tempo para pensar.

Mas não é possível criar o silêncio necessário no meio desse ruído? Afinal o tal acto contemplativo, mas fora das paredes do convento?
Repare no caso do Papa. O Papa disse numa entrevista que num primeiro momento a sua vocação surgiu para a vida contemplativa, mas depois de ter reflectido – é uma pessoa inteligentíssima, de grande categoria – percebeu que a vida dele não seria a contemplação, a vocação dele não era enfiar-se num convento. Então o que acontece é que o Papa vive a vida contemplativa, mas é um contemplativo do mundo. Mas isso não acontece com toda a gente. Repare, nós também somos contra sociedades contemplativas. A minha fundação é uma fundação contemplativa, mas temos, como já disse, uma vertente activa. De apostolado através da música em que fazemos espectáculos, gravações de discos e programas de televisão. Mas, além disso, todos aqueles que são sacerdotes exercem o seu ministério sacerdotal. Neste momento, estamos num chalé junto da basílica, onde celebro missa todos os domingos.

O Papa conhece os seus discos? Tem alguma opinião sobre a música?
Mandei de facto os meus discos ao Papa. Ele agradeceu imenso e enviou uma bênção. Mandei-lhe “O Nazareno” e outro disco, dedicado a ele, a “Serenata Mística”, que tem o atentado ao Papa, com tiros e tudo.

Porque é que utiliza sempre nos seus discos meios tão espalhafatosos, grandes encenações ou, como neste caso, a Royal Philharmonic Orchestra de Londres?
No meu caso, nunca pedi nada a uma editora, nem esta nem aquela orquestra. Quando gravei por exemplo “O Nazareno” puseram à minha disposição a Orquestra da Gulbenkian e coros do Teatro de S. Carlos. Não pedi nada a ninguém.

É para chegar mais facilmente às pessoas?
Pode chegar-se de qualquer maneira às pessoas. Até só com uma simples guitarra, como foi o caso, por exemplo, da célebre “Irmã sorriso”, uma dominicana belga que cantava, tocava guitarra, e gravou um disco que apareceu nos escaparates do mundo inteiro. Ou o caso dos monges de Silos que cantam sem qualquer acompanhamento.

Já agora, não há monges em Portugal capazes de fazer uma coisa semelhante?
Já podia ter sido feito, com os Beneditinos. Penso que ainda não se fez nada pela mesma razão de sempre: as editoras não querem arriscar. Possivelmente nunca lhes passou pela cabeça que gravar um disco de gregoriano com monges portugueses poderia ser um sucesso mundial.

Mudando de assunto, o que pensa dos cátaros, místicos cristãos da Idade Média que professavam a religião do amor (“Amor”, anagrama inverso de “Roma”) e praticavam a gnose (contacto directo com Deus, sem intermediários) sem obediência à Igreja Católica, que os considerava heréticos?
Na minha opinião, tudo o que seja uma separação, que não esteja em ligação com o vigário de Cristo, o Papa, está errado. Desde que seja conscientemente. Está errado porque Nosso Senhor Jesus Cristo instituiu uma hierarquia, pôs Pedro como pedra da Igreja, e disse: “Tu és Pedro e sobre esta pedra fundarei a minha Igreja e as forças do Inferno não prevalecerão contra ela.” A partir de Pedro há uma sucessão apostólica transmitida de Papa para Papa, portanto tudo quanto seja fora não está em união com a cabeça. Cristo é a cabeça da Igreja e nós somos um corpo. A igreja não é só o templo, são os sacerdotes e os leigos. As pessoas. Somos pedras vivas, como diz S. Pedro. Depois, há religiões e há seitas. Todas aquelas religiões que estão bem intencionadas e não ofendem a dignidade humana, mesmo que aparentemente estejam fora da Igreja, acho que essas pessoas se salvam da mesma maneira que um católico. Porque acreditam que a sua religião é que é a verdadeira. Agora as seitas, que ofendem a dignidade humana, essas não as aceito. Aí já há uma coisa diabólica pelo meio, contra a qual temos de lutar.

Há quem diga que o Diabo já se instalou em Roma…
Aí está. É isso mesmo. Não diria que o demónio se instalou em Roma, mas sim que o demónio está instalado em toda a parte. Digo muitas vezes na minha comunidade que é preciso dar um testemunho de amor, como os primeiros apóstolos que diziam “vede como eles se amam”, marca pela qual se conhecem os apóstolos de Cristo. Costumo dizer na minha comunidade, quando há qualquer coisa mal, uma tempestade lá dentro, que é porque está lá a garra do demónio.

Já teve algum contacto com esse mal, com o demónio?
Nunca o vi, mas sinto que ele existe. Muitas vezes há coisas que não consigo explicar e digo “isto é o demónio!”. Santa Teresa de Ávila era muito perspicaz e tinha uma facilidade muito grande para descobrir onde é que o demónio estava. Mas não são todas as pessoas que têm esse discernimento.

Concorda com as recentes posições do Papa contra o aborto ou a utilização do preservativo?
Estou plenamente de acordo com ele. Embora as pessoas que são atingidas por esses problemas, problemas reais, gostassem de outra resposta, tenho que acreditar, e acredito, eu as posições que o Papa toma são para o bem da humanidade. O Papa não é um carrasco, que esteja ali com uma disciplina militar. Não se trata sequer de leis. O Papa reza e pede ao Espírito Santo que o ilumine e lhe diga o que é melhor para a humanidade. Por exemplo, no caso de pessoas casadas pela Igreja que se separaram e perderam o direito a receber os Sacramentos. Tem havido uma pressão grande para que o Papa autorize essas pessoas a frequentarem os Sacramentos. Veja o que seria uma abertura, abrir um precedente, neste sentido. O casamento ia ao ar!

Estaremos de facto a viver o fim dos tempos, o Apocalipse?
Cristo disse no Evangelho que esse dia ninguém sabe quando acontecerá. Nem mesmo Ele, o Filho do homem. Mas Ele sabe. Já S. Paulo dizia que nós, os que cá estivermos no fim dos tempos, não morreremos, mas seremos levados imediatamente quando Cristo vier. Pode ser que estejamos no princípio do fim dos tempos. Não quer dizer que seja já amanhã ou daqui a um ano. Pode ser daqui a 20 anos. Há uma coisa muito importante que é preciso não esquecer. Nossa Senhora disse”Por fim o Imaculado Coração triunfará”. Ora nós vemos que o Coração Imaculado de Maria está a triunfar em toda a linha. Quando foi a consagração do Papa, em Roma, em que à irmã Lúcia pediu a conversão da Rússia, logo imediatamente a seguir deram todos aqueles acontecimentos no Leste, a queda do Muro de Berlim, tudo isso aconteceu naquela altura. A irmã Lúcia, numa entrevista, respondeu que realmente a consagração tinha sido ouvida. Temos de acreditar que o Imaculado Coração de Maria está a triunfar. E Ela disse “por fim”. Portanto, podemos acreditar que será o início do fim dos tempos.

Quer deixar aqui alguma mensagem de Natal?
A minha mensagem é a mesma de sempre, desejar a paz para todas as pessoas.

aqui, com o Quarteto 1111

* monge e cantor. Autor de “O Nazareno” e de uma “Missa Portuguesa” acabada de editar. Criador da fundação Apóstolos de Maria, de dupla vocação, contemplativa e de apostolado pela música.



Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0