Arquivo de etiquetas: Nuno Canavarro

Listas: Electrónica Portuguesa – 10 Discos Fundamentais

Sons

14 de Janeiro 2000


Electrónica Portuguesa


10 DISCOS FUNDAMENTAIS


NUNO CANAVARRO: Plux Quba-Música para 70 Serpentes (Ama Romanta/Moikai, 1988)
TÓ ZÉ FERREIRA: Música de Baixa Fidelidade (Ama Romanta, ed. em vinilo, 1988)
CARLOS MARIA TRINDADE & NUNO CANAVARRO: Mr. Wollogallu (União Lisboa, 1991)
TELECTU: Evil Metal (Área Total, 1992)
JOÃO PEDRO OLIVEIRA: Electronic and Computer Music (Numérica, 1993)
CARLOS ZÍNGARO: Musiques de Scène (Ananana, 1993)
NO NOISE REDUCTION: The Complete No Noise Reduction (Moneyland, 1995)
NUNO REBELO: M2 (Ananana, 1996)
VÍTOR JOAQUIM: Tales from Chãos (Ananana, 1997)
ZZZZZZZZZZZZZZZZZP!: Ficta 003 (Ananana, 1998)

Nuno Canavarro – “Plux Quba-Música para Setenta Serpentes” – Série: “Os Melhores De Sempre – Música Portuguesa”

Pop Rock

15 de Fevereiro de 1995
Os melhores de sempre – música portuguesa

Nuno Canavarro
Plux Quba-Música para Setenta Serpentes


nc

Como foi

Exemplar único, “Plux Quba – Música para Setenta Serpentes”, de Nuno Canavarro. O disco surgiu logo após o músico ter regressado da Holanda, onde esteve a estudar composição. “Estive lá dois anos, no Instituto de Sonologia, na Universidade de Utrecht. Havia uma movimentação incrível, em termos de concertos, exposições, música electro-acústica. Não tinha a calma, aquela concentração para fazer lá qualquer coisa. Quando cheguei, quis logo trabalhar.” Antes disso, Nuno Canavarro estudou arquitectura no Porto e em Lisboa, e fez a produção de um disco dos Mler Ife Dada e, mais recentemente, dos Lobo Meigo. Tocou durante algum tempo, em 1988 e 89, com os Delfins, “porque precisava de fazer alguma coisa”.
O material para a gravação de “Plux Quba” não poderia ser mais simples: “Um Ensonic Mirage, um ‘sampler’ de 8 bits, dos primeiros que houve, e um gravador de oito pistas, um Fostex. Hoje, quase nem acredito como é que consegui fazer o disco.” A esta precaridade meios contrapôs Nuno Canavarro a imaginação na forma como tirou partido das próprias limitações técnicas: “Com o gravador de oito pistas, é aquele sistema de uma pessoa fazer um coisa qualquer num instrumento e partir para a criação de uma estrutura a partir disso. Grava-se numa pista e, depois, vai-se adicionando outras coisas. Pode, por exemplo, gravar-se uma pista e depois outras seis ou sete à volta dela e, por fim, apagar a primeira, aquele género de truques. Ou pôr coisas ao contrário ou gravar a velocidades diferentes. Na altura, era isso.” Nuno Canavarro utilizou no “sampler” sons pré-gravados, “embora seja difícil ouvir no disco sons que sejam reconhecidos como de um instrumento x ou y. Era tudo altamente modificado ou então gravava melódicas, sons de televisão ou fitas de música étnica.”
O disco foi gravado no estúdio caseiro, na própria casa do músico. Saiu posteriormente com o selo Ama Romanta. “Nessa altura, tinha aparecido um concurso de música, ligado ao Centro Nacional de Cultura. Dei um concerto no Instituto Franco-Português, juntamente com os outros cinco projectos que tinham ido à final, e estava lá o João Peste a ver. Gostou imenso e convidou-me para pôr aquilo em disco.” Não houve qualquer trabalho de pós-produção, apenas o corte a partir da fita original, gravada num gravador de bobines de duas pistas. Custos de produção ou assinatura de um contrato “não houve”. Nuno Canavarro não sabe o número de exemplares vendidos: “O João Peste fez quinhentos, acho que era o mínimo; depois, não faço ideia.”
Sobre a música de “Plux Quba”, Nuno Canavarro acha que esta resultou, “em parte por ter sido um trabalho totalmente isolado”. “O Tó Zé Ferreira tinha viajado para a Holanda, o Nuno Rebelo tinha ido viver para Lisboa. Fechei-me no estúdio a fazer aquilo”, diz. “Por outro lado, a própria limitação de meios técnicos, neste caso, acho que funcionou a favor, porque puxou pela criatividade. Chegava a utilizar os próprios defeitos, a nível de ‘software’ do sampler. Era um aparelho muito instável, havia coisas bestiais que, obrigando-o a trabalhar muito, respondia de maneira um bocado imprevisível. Era bestial para o género de música que eu queria fazer.” O título, esse, permanece um enigma. “Foi para tornar a coisa ainda mais esquisita.”
Para já, “Plux Quba – Música para Setenta Serpentes” existe apenas em vinilo, estando neste momento esgotado e fora do mercado. Nuno Canavarro não sabe do paradeiro das “masters”: “Já não me lembro se ficou o João Peste com elas ou se fiquei eu”. Enquanto não forem encontradas as fitas, fica afastada a possibilidade de passagem para compacto. Para Canavarro, a ideia “era fazer, dentro de dois ou três anos, um compacto com, além de ‘Plux Quba’, alguma música que tinha feito antes, ainda mais esquisita, uma terceira parte com alguns temas do disco feito com o Carlos Maria Trindade [“Mr. Wollogallu”] que acabaram por não sair”. O CD teria ainda uma quarta parte, com temas novos que Nuno Canavarro mostrou, para já, à Ananana. “Tudo junto, compilado num CD de para aí setenta minutos, é capaz de mostrar um processo engraçado.” Setenta, tantos como as serpentes.

Como é

Um daqueles discos que passou despercebido na altura em que foi gravado mas que os anos obrigam a revisitar, como se crescesse com o tempo. Nuno Canavarro fez um álbum que tem escola. Com Jon Hassell e Brian Eno a leccionarem. “Plux Quba – Música para Setenta Serpentes” pode ser definido como uma obra de música electrónica acusmática (sons acústicos gravados e manipulados electronicamente), entre o ambiental e exotismo “new age world” que viria a ser assumido, anos mais tarde, na companhia de Carlos Maria Trindade em “Mr. Wollogallu” – um género que conta, entre os seus cultores, com o genial Steve Moore, numa obra como “A Quiet Gathering”, com a qual estas serpentes têm pontos de contacto. Ao contrário do que acontece num disco lançado em simultâneo com este, “Música de Baixa Fidelidade”, de Tó Zé Ferreira, companheiro de aventuras de Canavarro na aprendizagem dos métodos e técnicas de composição por computador, a música de “Plux Quba” evolui de forma mais intuitiva, tirando partido das próprias limitações do “hardware” e “software” então disponíveis, jogando com o erro e o acaso, um pouco à maneira do que fazia Eno com as suas “estratégias oblíquas”. Música orgânica, não sistemática, em constante movimento de auto-revelação/ocultação. Nuno Canavarro jogou aqui na indefinição e no segredo, na escritura de símbolos musicais e poéticos com forte poder de sugestão, deixando à imaginação do auditor a tarefa de organizar o enredo do filme, ao ponto de existirem temas sem título, quadros sónicos dispostos segundo lógicas de criação não nomeadas. Canavarro recomenda a audição “com a colunas/monitores o mais possível afastadas entre si” e, “a baixo nível” a partir do último tema do primeiro lado e até ao fim do disco. Recomendações idênticas às de Brian Eno, em “Discreet Music”. “Plux Quba” permanece até hoje um mistério. O tempo fez-lhe justiça, mas não lhe retirou o véu.



Nuno Canavarro – Plux Quba

11.12.1998
Reedição
Nuno Canavarro
Plux Quba (10)
Moikai, import. Ananana

LINK

Editado originariamente em vinilo há dez anos pela Ama Romanta, “Plux Quba”, estirpado do seu subtítulo original, “Música para 70 Serpentes”, é um dos objectos mais fascinantes de sempre do universo da música electrónica produzida em Portugal. A presente reedição, só possível devido ao interesse manifestado por personalidades marcantes da cena pós-rock norte-americana (que demoraram uma eternidade até descobrirem o nome e a proveniência do autor, uma vez que na capa nenhuma indicação era dada…) escapa aos rótulos “new age” e do ambientalismo, assumindo-se como uma experiência, perfeitamente controlada e delineada, no âmbito da música de computador mas cuja originalidade é garantida pela atenção ao detalhe e à organização formal. Neste aspecto “Plux Quba” afasta-se – pela “estranheza” do seu “input” poético ou pelo uso magistral, ainda antes da era da samplagem, de colagens vocais que evocam o trabalho da dupla Roberto Musci / Giovanni Venosta (ouça-se o tema número 12) e de Steve Moore, de “A Quiet Gathering” – quer dos ciclos, mais cinematográficos, de Nuno Rebelo, quer da maior acessibilidade de “Mr. Wollogallu”, com Carlos Maria Trindade, quer ainda da aula de matemática aplicada da “Música de Baixa Fidelidade” de Tó Zé Ferreira, proposta, na mesma altura pela Ama Romanta. Exposto, enfim, com a clareza de um som imaculado, “Plux Quba” reoferece-se com uma intensidade e visibilidade que antes não lhe eram permitidas. Ontem, como hoje, para se ouvir “com as colunas o mais possível afastadas”, de preferência a baixo volume de som. Um clássico.