Arquivo de etiquetas: Milladoir

Milladoiro – “Milladoiro Em Lisboa, Na Semana Da Galiza – Galicia No País Das Maravilhas” (concertos / festivais / céltica)

Secção Cultura Sábado, 07.12.1991


Milladoiro Em Lisboa, Na Semana Da Galiza
Galicia No País Das Maravilhas



Os Milladoiro, expoentes da música tradicional galega, pelo menos os mais conhecidos e divulgados no estrangeiro, actuam hoje às 21h30 no Teatro Tivoli, em Lisboa, em espectáculo integrado na Semana da Galiza.
Passados sete meses desde que tocaram em Portugal pela última vez, no IV Festival de Música Popular Portuguesa realizado em Maio na Amadora, os Milladoiro persistem num trabalho, sério e despreconceituado, de recolha e transformação dos sons e dos segredos da Galiza. De Catoira, na região de Pontevedra, onde se refugiam ao fim de cada ciclo de viagens, sem perder de vista a música dos caminhos da Irlanda, da Escócia e da Bretanha.
Caminhos entre a terra e o mar, sinalizados por pequenos amontoados de pedras – os “milladoiros” – que, juntamente com as estrelas, servem de guia e de farol aos peregrinos do mito e da catedral que dá acesso ao país das maravilhas.
Para os Milladoiro a realidade galega é uma e una, mas também “algo de universal, convertido num sinal de identidade progressivamente aceite e reconhecido no campo da música popular a nível internacional”. Reivindicam o direito à diferença, “no conjunto das culturas e realidades ibéricas”, de maneira a encontrar um papel e uma voz próprios da Galiza no mundo.
Hoje a Galiza afirma cada vez com mais força, através da música, a sua independência cultural. Mas sem o esforço pioneiro dos Milladoiro (ao lado dos modernos trovadores Amancio Prada e Pablo Quintana), talvez não tivesse sido possível a actual profusão de escolas de “gaitas” espalhadas por todo o território ou de grupos como os Muxicas, Luar na Lubre, Xeito Novo, Xorima, Doa, Arco da Vella e Na Lua, entre outros.
Moncho Garcia, gaiteiro dos Milladoiro recorda os primeiros tempos, quando um amigo analfabeto, de quartel, ao vê-lo pela primeira vez vestido de gaiteiro exclamou “ao que tu chegaste!”. Hoje os Milladoiro são respeitados na Galiza e em toda a parte onde a sua música é conhecida, tendo tocado ao lado dos Chieftains e Alan Stivell, dois dos “monstros sagrados” do género.
Vale a pena escutá-los, ao desafio com os irlandeses, num dos temas de “Celebration”, da banda de Paddy Moloney, ou, melhor ainda, em álbuns da sua própria discografia, como “O Berro Seco”, “Galicia de Maeloc” (recentemente importados pela Mundo da Canção, do Porto), “Galicia no país das maravilhas”, “Milladoiro 3” ou nas ousadias orquestrais de “Castellum Honesti”.
Os Milladoiro deverão apresenta-se em Portugal com a mesma formação com que actuaram em Maio: Xosé Mendez (flautas), Michel Canada (violino), Rodrigo Romani (harpa, ocarina, guitarra), Antón Seoana (teclados, acordeão, guitarra), Xosé Ferreiros (“gaita”, “tin whistle”, bandolim, bouzouki), Nando Casal (“gaita”, clarinete, “tin whistle”) e Moncho Garcia (percussões). É tempo de aprender a dançar a “muinera”.

Nota [Caixa] : Irmandades Da Fala Contra Ferrín
AS IRMANDADES da Fala da Galiza e de Portugal manifestaram ontem a sua repulsa pelas afirmações públicas de J. L. Mendez Ferrín sobre Fernando Pessoa e José Saramago, proferidas durante a Semana da Galiza (ver PÚBLICO de 5 de Dezembro). Para esta congregação, as referências desprestigiantes “resultam de um acto de terrorismo intelectual e são uma fantochada contra dois vultos da cultura portuguesa”. Num texto enviado ao PÚBLICO, as Irmandades da Fala consideram graves as afirmações proferidas por Ferrín, “que ofendem mesmo todo o intelectual lusófono bem-nascido, tanto galego como português”.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0