Arquivo de etiquetas: Luis Delgado

Luis Delgado – “Al Andalus”

Pop Rock

7 Dezembro de 1994
WORLD

CANTOS DO ISLÃO ELÉCTRICO

LUIS DELGADO
Al Andalus

Lyricon, distri. MC-Mundo da Canção


ld

Natural de Madrid, Luis Delgado é um músico multifacetado que distribui a sua actividade por diversos grupos, entre os quais os já nossos conhecidos La Musgaña, de música tradicional, Atrium Musicae – “heréticos” da música antiga dirigidos por Luis Paniagua – e os excelentes Mecanica Popular, especializados em música electrónica. Enquanto produtor, Luis Delgado trabalhou em discos de Maria Del Mar Bonnet, Emilio Cao e Aurora Moreno, entre outros. A música medieval, com os Calamus, o “rock andalus”, com os Califato Independiente, fusões étnicas, com os Finis Africae e Babia, ou a tradição sefardita, com os Halilem, são outras tantas direcções já exploradas por este músico, que, curiosamente, foi nomeado membro honorário da Grand Ole Opry, mítica entidade da música country norte-americana. Luis Delgado é ainda assessor musical e compositor permanente do planetário de Madrid, fundou uma editora para as “novas músicas” espanholas, El Cometa de Madrid, escreve regularmente bandas-sonoras e ainda arranja tempo para se dedicar à sua colecção de instrumentos musicais, já com mais de 200 peças, que ele próprio utiliza nas suas gravações.
Nutrindo um interesse especial pela chamada “Espanha das três culturas”, judaica, cristã e islâmica, Luis Delgado faz em “Al Andalus” uma recriação em moldes vagamente “new age” (não esqueçamos que esta é uma das áreas privilegiadas do selo Lyricon) da música islâmica, numa banda-sonora composta para o documentário sobre a exposição “Al Andalus, las artes islámicas en España”, organizada pelo Metropolitan Museum of Art de Nova Iorque e pelo Patronato de la Alhambra, de Granada, em 1992.
Situando cronologicamente a temática do disco no século X, durante o califado de Córdova, coincidente com o apogeu da cultura islâmica no Sul de Espanha, “Al Andalus” segue o esquema de obra conceptual onde se ilustram histórias, lendas, edifícios e lugares, pormenores da vida de pessoas, desde o próprio califa e seus mais altos dignitários aos poetas, carpinteiros, jardineiros e outros artífices que, à sua maneira, contribuíram para a construção e implantação de uma das culturas que mais e mais fundas marcas deixou na arquitectura e na estrutura anímica de “nuestros hermanos”.
Em “Al Andalus”, as percussões electrónicas e as tecituras urdidas pelo computador misturam-se com instrumentos típicos como o “ud”, o “gimbri”, o “bendir”, o “nei”, o “tar”, a “darbouka” e o “qanum”, só para mencionar aqueles com que os nossos leitores mais assíduos já se terão decerto familiarizado. O que significa que, neste caso, o termo “fusão” faz sentido. Mas, num terreno onde cada vez mais se corre o risco de as particularidades específicas de cada região e de cada cultura se “fundirem” numa amálgama amorfa sem fogo nem contrastes, “Al Andalus” consegue sair incólume. Porque a sua finalidade não é, de forma alguma, nem simular nem muito menos reproduzir, mas sim reconstruir em novos moldes um determinado imaginário, reconvertendo-o para uma dimensão sonora a que poderemos chamar cinematográfica e, sem dúvida, actual. Utilizando, no fundo, processos não muito diferentes dos usados pelos Atrium Musicae em relação à música antiga. Se é música electrónica com influências étnicas ou música étnica do próximo milénio, a questão está em perceber que os extremos, quando se não perde o fio à meada, se tocam. (8)



Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0