Arquivo de etiquetas: Luétiga

Vários – “Festivais De Verão – Festa No Bosque Dos Druidas” (concertos / festivais / destaque)

(público >> cultura >> world >> concertos / festivais)
sexta-feira, 4 Julho 2003
destaque


FESTIVAIS DE VERÃO

Festa no bosque dos druidas

Vizela, Sines e Sendim são os polos da música tradicional neste Verão


No ainda jovem Intercéltico de Vizela, o ambiente conta muito para o sucesso das celebrações em torno da nova cultura com origem na história e imaginário célticos. Os galegos Berroguetto, do multi-instrumentista Anxo Pinto, garantem nota máxima para um festival que terá bandas de gaitas a tocar pelas ruas e uma festa no “bosque dos druidas”, onde público e músicos se juntam para uma viagem pelas tradições milenares, de união e convívio com a música e a Natureza. Em Sendim os celtas estão vivos. Além da presença dos espanhóis Luétiga, o acontecimento será o regresso a Portugal dos Dervish (e, logo, da voz de Cathy Jordan), num festival que encerra com o ritual de uma Missa Intercéltica, onde os homens e os deuses comunicam ao som das gaitas-de-foles. Mais a sul, o castelo de Sines abre-se às músicas do mundo. Como sempre com uma proposta de programação que distingue várias vertentes da “world”, ao ponto de, este ano, trazer o Kronos Quartet, grupo de cordas com especial predileção pela destruição dos dogmas. Para derreter, haverá “reggae” pelos The Skatalites.

Luétiga – Cernéula (conj.)

19.09.1997
Folk Espanha
Doa A Quem Doer
Enquanto por cá os discos importantes de grupos nacionais vão surgindo com intervalos de meses ou mesmo de anos, ao nosso lado, na vizinha Espanha, acontece o oposto. Músicos e editoras, animação e formação convergem num propósito comum. Os resultados estão à vista. Clau de Lluna, Luétiga, Clorofolk, Atlântica e Doa são exemplos da melhor folk que se está a fazer do outro lado da fronteira.

“Obertura” é o terceiro álbum dos catalães Clau de Lluna, sucedendo a “Cercle de Gal-la” e “Fica-Li Noia!”. Diga-se desde já que é o melhor ábum do grupo. Não podia ser mais auspiciosa a abertura desta “Obertura”, uma “suite” de dez minutos com este nome onde é manifesta a enorme evolução sofrida pelo grupo. Dividida em quatro movimentos, “Obertura” apresenta uma riqueza excepcional ao nível dos arranjos, sucedendo-se as surpresas: um solo inspirado de gaita-de-foles, “intermezzos” barrocos, cânticos religiosos, no fundo pondo em prática o principal propósito enunciado pelo grupo: “a procura de uma sonoridade folk actual e genuinamente catalã”. Os restantes 12 temas centram-se nas danças tradicionais, contradanças, valsas, “sardanas”, “jotas” e “passedobles” animados pela gaita-de-foles (“sac de gemecs”, estes catalães são loucos!…), sanfona, violino, acordeão, cordas dedilhadas e percussões. Há ainda polifonias (“Con no n’era”) e aproximações à música antiga (“Tocata i polca”) num baile para dançar até ao nascer do dia (Música Global, distri. MC – Mundo da Canção, 8).

LINK

Diz a lenda que em todos os sábados, quando a oite cai, as bruxas da Cantábria saem, voando, em forma de aves, a caminho de Cernéula…”
Deixem a racionalidade de fora, caso queiram aceder ao mundo de histórias contadas em voz baixa à lareira na estação dos frios e de danças de transmutação m´gica, nos rituais da Primavera, dos Luétiga. Canções montanhesas, as “tonadas campurrianas” típicas da região, instrumentais sdofisticados e vocalizações “a capella” são abordadas pelos seis elementos dos Luétiga, neste seu terceiro álbum, depois de “La Ultima Cajiga” e “Nel ‘El Vieju”, numa perspectiva de modernização que não trai a essência desta música profundamente enraizada na sua região natal, a Cantábria, a sul das Astúrias.
A instrumentação, como é regra neste género de grupos, é variada, incluindo a gaita-de-foles cantabro-asturiana, flauta e tamborim, pandeiretas, guitarras, violino, clarinete e acordeão. Tudo junto faz de “Cernéula” um álbum indispensável. Já agora, não liguem ao aviso, se pretendem bailar “a lo agarrau”, método considerado uma invenção do demónio, em que os jovens que dançavam deste modo “eram condenados irremediavelmente ao inferno” (Several, distri. MC – Mundo da Canção, 9).
Dois elementos dos Luétiga, Marcos Bárcena (guitarra, “whistle”, gaita-de-foles, “bodhran”, flauta e voz) e a, cremos que irlandesa, Kate Gass (violino, “whistle”, concertina, acordeão, pandeireta e voz), formaram o seu projecto pessoal, Atlântica, onde dão largas ao “pecado” da irlandização. Num álbum intitulado “Musica Celta Y De Otros Paises Del Atlantico”, pois claro, os “reels” são a pontapé e as vocalizações em inglês fazem sorrir. Há quem goste. Nós achamos que, apesar de tudo, lá mais para norte, na ilha, soa mais convincente. Mas gostos não se discutem, como se costuma dizer… Condescenderam num tradicional da Galiza, noutro da Escócia, noutro de França, noutro ainda do Quebeque. O resto é tudo Irlanda e, para falar com franqueza, um pouco aborrecido e “celtichique” em demasia… (Several, distri. MC – Mundo da Canção, 6)
Os Clorofolk, outro sexteto, no seu álbum de estreia, “Cambio de Agujas”, preocupam-se menos com os purismos regionalistas do que com uma abordagem renovada da música do mundo. Vão à Bretanha, à Roménia e, na vasta geografia espanhola, a Zamora e à Sanábria. E ao Oriente, que lêem de forma particular na sua “Luna de Oriente”. Rabi Abou-Khalil parou no centro do imenso planalto castelhano. E “El Monte de Venus” é tão inocente como a delicadeza das guitarras quer fazer crer? Progressivos (vestidos de Malicorne em “Ezperanzas Rotas”, pode lá ser, mas é um tema delicioso, o melhor, a par de “Apenas Brilla La Aurora”, uma oração de gait-de-foles…), criativos e sem preconceitos, aos Clorofolk faltará, para já, soltar alguma adrenalina. Ou será que o defeito é da produção? 8Saga, distri. MC – Mundo da Canção, 7.)
Resta darmos graças à reedição de “O Son da Estrela Escura”, dos Doa, um dos clássicos da música tradicional e antiga da Galiza, editado originalmente em 1979. Ainda um sexteto, os Doa recriavam então, com a sapiência de verdadeiros iniciados, as cantigas de Santa Maria, de Afonso X, as antiquíssimas “danças de espada”, com semelhamças melódicas e rítmicas com a música da Bretanha e da Provença, um romance francês do Caminho de Santiago, a “Carballesa” galega, a “Danza do Rosal”, a “Cabalgata de Ribadavia”, cantigas de amigo de Martín Codax e os célebres “Romance de dona ausenda” e “A Casadina infiel”. Em todos eles sobrleva ora uma simplicidade tocante, ora a grandeza arquitectónica de uma catedral. Para ouvir com devoção. Obrigatório. (Clave, distri. MC – Mundo da Canção, 10)

Luétiga – Càntabros (conj.)

17.03.2000
Folk
Almoço para Obélix

luetiga_cantabros

Situada no Norte de Espanha entre as Astúrias e o País Basco, a Cantábria é permeável às influências musicais destas duas regiões, arrastando-se há anos as discussões em torno das suas origens e da sua autonomia. Aos Luétiga (que actuaram em Portugal, na Amadora, no âmbito do Festival ligado ao Prémio José Afonso) tem pertencido um louvável trabalho de pesquisa e divulgação desta música fortemente marcada pela vertente céltica. “Càntabros” é o quarto álbum desta banda, actualmente uma das melhores de Espanha, depois de “La Ultima Cajiga”, “Nel ‘El Vieju” e “Cernéula”.
Um trabalho maduro e seguro que recupera tradições e rituais de uma região cujas origens e civilização remontam à Idade do Ferro. Canções de despertar, canções montanhesas, jotas e pasacalles, música de bailes e romarias desfilam como um rio, tornando vívidas imagens de um mundo que, cada vez mais, como o mítico paraíso dos celtas, se vai escondendo do mundo para sobreviver no espírito e na imaginação dos homens que ainda esperam. Mas a música dos Luétiga não se esgota na leitura, mais ou menos fiel, do cancioneiro, optando antes por se estruturar em pequenas suites (como “Càntabros”, tema central da exposição “Càntabros, la génesis de un pueblo”) onde assumem particular destaque a sanfona e os teclados de Jorge Méndez, ideólogo e multinstrumentista do grupo e um apaixonado pela música e câmara, de cuja discografia fazem parte um álbum inteiramente executado em órgão de igreja, uma obra instrumental inspirada nos mitos celtas e alguma fusões new age. Para os apreciadores do celtismo e da música do Norte de Espanha (já agora, entre os músicos convidados, figura um tal Kepa Junkera…), “Càntabros” é um álbum absolutamente a não perder. (Oca, distri. Distrimúsica, 8/10).

Um passo para oeste e estamos nas Astúrias, onde a influência dos vizinhos galegos se faz sentir com mais intensidade. Juntando-se aos Boides. Llan de Cubet e Felpeyu, três bandas asturianas já conhecidas em Portugal, os Brenga Astur carregam com quanta força podem nesta tecla, em “Cancios del Gochu Xabaz” (na foto). Um daqueles álbuns que impressiona de imediato num piscar de olhos constante aos sons que constantemente brotam não só da Galiza como da Escócia e da Irlanda. Os dois gaiteiros, Fernando Montes e Fernando Diaz, optam quase sempre por tocar em uníssono, utilizando as gaitas asturianas num registo “escocês” que por vezes recorda bandas como os Whistlebinkies e Tannahill weavers e noutras o folk rock de Alan Stivell (de “Chemins de Terre”, quando este músico bretão veste, por sua vez, o kilt das terras altas…). As melodias, como o guerreiro e o javali da capa (o almoço para Obélix) não primam pela sofisticação, caindo por vezes num certo primarismo, pecha que os Brenga Astur compensam com o rigor, uma produção que acertadamente joga no som do colectivo e, sobretudo, com a voz maravilhosa de Marta Arkas, exótica e sem qualquer problema em socorrer-se de um tipo de ornamentações que estamos habituados a ouvir bastante mais para sul… (Fonofolk, distri. Dristimúsica, 7/10).

Para os apreciadores da farra e da excitação dos discos ao vivo, há o sexto álbum dos escoceses (estes de verdade) Old Blind Dogs. Até porque já colaram a esta banda o rótulo de praticantes de “sexy folk music”. Ainda com a presença do cantor e guitarrista Ian F. Benzie e do percussionista Davy Cattanach, que entretanto abandonaram este grupo, “Old Blind Dogs Live” vale pela celebração do ambiente e da comunicação que nestas ocasiões sempre se estabelece com o público, com palmas de acompanhamento, gritos excitados e falatório dos músicos em barda. A música não apresenta novidades: a habitual sequência de danças intercaladas com as vocalizações de Benzie, muitas delas a pedir coro e a participação da assistência, assim ao jeito de uns U2 da folk, cada canção um hino. Embora reconheçamos ser difícil resistir a um standard como “Bedlam boys”, aqui num registo bastante mais acelerado do que a formidável versão dos Steeleye Span incluída no álbum “Please to see the king”. O mesmo se podendo dizer de “The Cruel Sister”, em relação à versão dos Pentangle no álbum com este nome. Além de que a voz de Ian Benzie não faz esquecer, de modo nenhum, as de Maddy Prior e Jacqui McShee… Por nós, preferimos festejar estes acontecimentos “in loco”, soando estes álbuns ao vivo, com raras excepções, a sucedâneos do momentos impossíveis de ser vividos à distância. Apesar de este “Live” ser até bastante apetecível e ter momentos de subtileza como “The Buzzard”, sublinhada por um belíssimo solo de violino realmente “sexy”. (Lochshore, distri. Distrimúsica, 7/10).

Trilok Gurtu, percussionista indiano há longos anos em actividade, virtuoso convidado para tudo o que é álbum de “world music”, não escapou à tentação de computorizar a sua música, transformando música de dança que brota da terra em música de dança que começa e termina quando se carrega num botão. Não é pecado, quando é bem feito. Estou a lembrar-me do fabuloso trabalho de Hector Zazou com Boni Bikaye, “Noir et Blanc”, ou da negritude electrónica produzida por Dieter Moebius, Conny Plank e Mani Neumeier com uma voz do Sudão, em “Zero Set”. Em “African Fantasy”, Trilok Gurtu estende a mão à música africana mas arrisca menos do que qualquer daqueles dois discos. Convidou, entre outras vocalistas, Angelique Kidjo, do Benim, Oumou Sangare, do Mali, e Sabine Kabongo, do grupo vocal Zap Mama. E são precisamente Kidjo, em “African Fantasy” e “Africa com India”, e Sangare, em “Big brother”, que assinam os momentos mais belos e expressivos de “African Fantasy”. Fantasia por fantasia, depois de desbravado a selva, é só levitar uns quilometrozitos até aos Himalaias, e descer a cavalo numa “sitar” m “Folded Hands”. Não há como viajar com segurança. (ESC, distri. Sony Música, 6/10).