Arquivo de etiquetas: Linda Thompson

Linda Thompson – “Dreams Fly Away”

Pop Rock

3 de Julho de 1996
world

O último que apague a luz

Linda Thompson
Dreams Fly Away (8)
HANNIBAL, DISTRI. MVM


lt

“O álbum para as pessoas que adoram as canções de Richard Thompson mas preferem ouvi-las cantadas por Linda”, diz-se no folheto promocional. É o nosso caso, para quem as composições do antigo guitarrista dos Fairport Convention sempre adquiriram um brilho mais intenso na voz da sua então companheira. “A grande voz perdida”, anuncia, por sua vez, um título à largura de duas páginas, a encabeçar o extenso artigo que lhe é dedicado na última edição da “Folkroots”.
Linda Thompson – ou Linda Peters, nome de solteira – nunca gozou, de facto, a projecção mediática que o seu talento merecia. “Merecia”, e não “merece”, porque decidiu deixar de cantar ao vivo já há algum tempo, encontrando-se o grosso da sua obra nos álbuns que gravou com o marido, “Pour down like Silver”, “First Light”, “Hokey Pokey”, a obra-prima de 1973, “I Want to See the Bright Lights Tonight”, “Sunnyvista” e “Shoot out the Lights”, de 1982, que assinala o final da colaboração. “Dreams Fly away” reúne em 78 minutos 20 canções retiradas da sua discografia a duo com Richard Thompson, diversas remisturas, duas versões ao vivo e uma série de inéditos do formato de demonstração.
Linda Thompson é uma espécie de Nico do circuito “folk”. Conheceu toda a gente que se agitava no meio, na transição dos anos 60 para os 70 – Sandy Denny, Nick Drake, os Incredible String Band, Bert e John Renbourn, dos Pentangle, a nata do “folk rock” – e viveu com algumas dessas pessoas. Martin Carthy e o lendário produtor da Island, Joe Boyd, antes do casamento, que durou 12 anos, com Richard Thompson.
Não teve nem a fama nem o proveito. Começou por cantar em clubes, como o Troubadour, acabando o casamento com o guitarrista por lhe ser, de certa forma, fatal, já que se acomodou a uma posição de subalternidade em relação ao marido, entretanto tornado celebridade graças aos Fairport. Um pouco o mesmo que aconteceu com Beverly Martyn, mulher de John Martyn.
Ainda gravou um álbum a solo, “One Clear Moment”, de 1985, mas uma timidez extrema (chegou a perder a voz, vergada pela responsabilidade de trabalhar com Richard Thompson e pela tensão que lhe causava a competição, nunca assumida, com Sandy Denny, diva querida de todos os “folkies”) e o pânico que sentia de actuar ao vivo impediram-na de voar mais alto. Chegou a colaborar com os Home Service numa produção do National Theatre, “The Mysteries”, antes de se recolher sob a protecção do marido. Preferiu sempre manifestar a sua admiração pelos seus ídolos (Martin Carthy, Shirley Collins, Maddy Prior, June Tabor) do que valorizar as suas próprias capacidades.
“Dreams Fly away” traça uma panorâmica geral sobre a obra desta cantora, que, de certa forma, foi o “Doppelgänger” (duplo-sombra) de Sandy Denny, com quem se compara pela intensidade dramática posta na interpretação. Estranhamente, ou não, Linda dá aqui voz a um tema da antiga vocalista dos Fairport Convention e dos Fotheringay, “I’m a dreamer”, cujo título – outra coincidência? – se associa ao da própria antologia. É ainda a verificação do acento “country”, influência exercida sobre Linda Thompson, no início de carreira, por Bob Dylan e Tom Paxton.
“Lonely hearts”, “First light”, todos os inéditos (cinco), “Talking like a man” (remistura do lado “b” de um “single”), “I want to see the bright lights tonight”, “For shame of doing wrong” ou “Telling me lies” são alguns dos destaques possíveis, num lote de canções ao qual faltam talvez outras peças do fundamental “I Want to See the Bright Lights Tonight”, como a pungente “Has he got a friend for me”, aparecendo “The great Valerio”, outro clássico, num registo ao vivo algo apagado. Única falha deste testemunho tardio de uma das vozes mais originais e menosprezadas da “folk” britânica.