Arquivo de etiquetas: Gordon Duncan

Gordon Duncan – The Circular Breath (conj.)

28.02.1998
O Som Da Respiração, Da Seda E Do Bambu

Não tem a sensualidade, nem o corpo, nem o rosto de Kathryn Tickell, mas também não se pode ter tudo quando o assunto em questão é a gaita-de-foles. No caso do escocês Gordon Duncan e do seu segundo trabalho a solo, “The Circular Breath”, temos que nos contentar com a música e dispensar outro tipo de fantasias. Gordon Duncan apresenta no seu currículo diplomas passados pelos Tannahill Weavers, Wolfestone, Dougie MacLean Band e Ceolbeg. “the Circular Breath” mostra vários aspectos do “approach” de Gordon Duncan às Highland Pipes. Um extraordinário domínio temporal da digitação na ponteira e da emissão contínua dos bordões não têm correspondência na solução e diversificação dos timbres, aspectos em que Duncan se revela mais próximo do estilo rude, ou “mal temperados”, dos gaiteiros tradicionais, perdoe-se-nos a expressão, do que alguns dos seus conterrâneos que conferem uma expressividade mais contemporânea e actualizada às mesmas Highland Pipes, como acontece com os actuais gaiteiros dos Tannahill Weavers, Ceolbeg ou Iron Horse. O que não espanta, se levarmos em conta a filiação prévia de Duncan na tradição das bandas militares, concretamente na Grade 1 MacNaughton’s Vale Of Atholl Pipe Band. Alternando temas em solo absoluto na gaita-de-foles com arranjos mais sofisticados onde predominam o banjo tenor, de Gerry O’Connor, as percussões africanas de Jim Sutherland e, nos temas mais “folk rock”, o baixo e a bateria, “The Circular Breath” é acima de tudo um álbum de um genuíno gaiteiro que, inclusive, fez questão de deixar publicadas no livrete todas as partituras. (Greentrax, distri. MC – Mundo da Canção, 7)

Proveniente do imparável cadinho editorial em que se transformou a editora Greentrax, chega-nos também “I Sang That Sweet Refrain”, com a voz e as baladas tradicionais de Kevin Mitchell, nativo do condado de Derry. Um irlandês, portanto, reinando nas terras altas do Norte escocês. Mas Kevin vive há anos em Glasgow, daí a sua aceitação nas fileiras do Norte guerreiro. A primeira evidência que ressalta dos vários temas em canto “a capella” é a de um enraizamento profundo na tradição dos velhos “songwriters”, correspondente aliás a uma longa aprendizagem e convívio com mestres como Sean Gallagher ou Francie Brolly. Curiosamente, o tema de abertura, “Paddy in Glasgow”, que traduzido de forma muito livre para português dá “um irlandês na Escócia” ou, ainda mais livre, “um intruso que olhamos com desconfiança”, recorda nas suas entoações outro irlandês, Christy Moore, dos Planxty, e um … inglês, Martin Carthy… Um álbum para apreciadores de vozes curadas, cheio de substância, que poderá se de audição difícil para ouvidos mais habituados à papinha toda feita. (Greentrax, distri. MC – Mundo da Canção, 8)

Correspondente ao número 36 da série World da Network, “Rhythms of the Outer Core”, dos Ankala, revisita a música de raiz tradicional dos aborígenes australianos, o mesmo é dizer que traz para o centro do palco sonoro as sonoridades do didjeridu, neste caso soprado por Mark Atkins. Como principal parceiro de Atkins nos Ankala encontramos Michael Atherton, no bouzouki, darabuka, dje,be, dobro, sanfona, marimba, flauta de bisel tenor e tapan. O som dos Ankala é menos tradicional do que seria de esperar numa colecção essencialmente vocacionada para registos mais étnicos. Em vez disso, a proposta musical vai no sentido de suavizar os sons, dispondo-os com toda a delicadeza na mesa da “world music” de tendência mais “new age2, como em “Stock route”, outras vezes procurando abrigo num “jazz” suave e delicadamente swingante (“One Tree Plain”), outras ainda, como em “Road Train”, inserindo-os no contexto da música celta tratada com o mesmo respeito de uns Blowzabella. A maioria das faixas explora conteúdos improvisacionais ou técnicas de didjeridu específicas, adequando uns e outras a uma visibilidade de expressão que procura, essencialmente, tornar cativante uma música cujas autênticas bases são, por vezes, pouco perceptíveis. A visceralidade mágica do didjeridu faz o resto. (Network, distri. Megamúsica, 8)

Na mesma série da Network encontramos, com o número 39, a música da China, através de instrumentos vários, mas onde predomina a presença de Louis Chen, reputado executante de “zheng”, instrumento da família dos saltérios, e de Ya Dong, na “pipa” (alaúde chinês). “The Sound of Silk and Bamboo”, título característico de uma forma de sensibilidade musical chinesa muito próxima do Zen, apresenta toda a suavidade e subtilezas de um arranjo floral, seja nos duetos do “zheng” com a “pipa” ou em solos tão cristalinos como a água de um regato. O álbum inclui ainda pequena speças para “erh-hu” (violino chinês), “sheng” e “ti-tse” (flauta). Sem ser um álbum de pôr os olhos em bico a qualquer um, “The Sound of Silk and Bamboo” é uma das primeiras andorinhas a anunciar a Primavera. (Network, distri. Megamúsica, 7)

Outras Recomendações
Se gostou do álbum de Gordon Duncan experimente ouvir também “The Northumberlan Collection”, de Kathryn Tickell, “Chabretas – Les Cornemuses à Miroirs du Limousin”, de Eric Montbel, “Obrigado”, dos Gaiteiros Treixaluma, “O’er the Border”, de Gordon Mooney, “Stepping on the Bridge” de Hamish Moore, “Trio Cornemuse”, dos Trio Cornemuse e a colectânea “Mestres da Gaita”.
Se é adepto do didjeridu comece por “Tjilatjila”, de Charles McMohan e termine com “Somewhere” dos Lights In A Fat City.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0