Arquivo de etiquetas: Civica Jazz Band

Louis Sclavis – “Dans La Nuit” + Yves Robert – “In Touch” + Edouard Bineau Trio – “Exodus”Maurizio Giammarco & Phil Markowitz – “Seven Plus Eight” + Civica Jazz Band – “Italian Jazz Graffiti” + Prince Lasha – “Inside Story”

(público >> mil-folhas >> jazz >> crítica de discos)
sábado, 15 Fevereiro 2003


Paris Texas

Sclavis rendido ao romantismo do cinema mudo. Robert enfiado no jazz de câmara. Uma escola italiana em euforia. Todos vencidos por um príncipe texano em busca de trono. A guerra do jazz joga-se noutros tabuleiros.

Louis Sclavis
Dans la Nuit
ECM, distri. Dargil
6 | 10

Yves Robert
In Touch
ECM, distri. Dargil
7 | 10

Edouard Bineau Trio
Exodus
Night Bird Music, distri. Multidisc
4 | 10

Maurizio Giammarco & Phil Markowitz
Seven Plus Eight
Night Bird Music, distri. Multidisc
7 | 10

Civica Jazz Band
Italian Jazz Graffiti
2xCD Soul Note, distri. Dargil
7 | 10

Prince Lasha
Inside Story
Enja, distri. Dargil
8 | 10



França. Romantismo. Uma certa ideia de Primavera de poetas. De músicos perdidos. Louis Sclavis, grande saxofonista e clarinetista, tem ateado incêndios onde menos se espera e, embora vagabundo, nunca se perdeu. “Dans la Nuit” é mais frio, a banda sonora de um filme mudo realizado em 1930 por Charles Vanel, cuja apresentação, no folheto, é feita por Bertrand Tavernier. Histórias de escuro e de mineiros que o músico francês equilibra entre Murnau e Renoir. Mas havia, segundo Sclavis, que obedecer a certos princípios: Respeitar os ambientes da época e de cada sequência; encontrar para cada uma destas a pulsão justa, a duração e o ritmo próprios; adequar os dois primeiros princípios à sua estética e preocupações atuais, o que implicou a soma de momentos improvisados à partitura escrita.
O resultado agradará porventura aos apreciadores de “musiques de scène” feitas de imagens musicais bem focadas, que aqui acharão matéria de sobra para preencher os seus sonhos, no andamento do acordeão de Jean Louis Matinier, nas atmosferas de valsa musette, nos “flashes” de um imaginário de princípio do século indubitavelmente sedutor. Agora, se falarmos de jazz e, sobretudo, compararmos “Dans la Nuit” com anteriores trabalhos do espírito livre que é Sclavis, será difícil não sentir desilusão. Portal sucumbira à mesma beleza sedativa nas suas próprias “Musiques de Cinémas”. Quanto a Sclavis, por mais “poética” e interiorizada que seja a forma como o seu clarinete “lê” e tenta refletir a magia da “caixinha mágica”, não conseguiu, desta vez, fazer saltar a faísca. A noite, afinal, também foi feita para adormecer.
Na mesma editora, o seu compatriota e trombonista Yves Robert optou por outro “filme”, em trio com Vincent Courtois (violoncelo) e Cyril Atef (bateria). Em “In Touch”, o trombone e o violoncelo sentam-se na nave central de uma catedral sonora com alicerces na música de câmara, com o jazz a imiscuir-se, por vezes desajeitadamente, no meio das liturgias, altares e crucifixos, como em “L’air d’y toucher”, pautado por uma nota de humor (a bateria despreocupada, o registo escapista do trombone) a perturbar a oração. “In touch”, com as suas “drones” erguidas aos cumes indianos, funciona ainda como ponto de fuga de uma música feita de contemplação, solenidade e ternura platónica.
Ainda um terceiro gaulês, o pianista Edouard Bineau, apresenta-se no formato clássico de trio piano/baixo/bateria, ao lado de Olivier Rivaux e Arnaud Lechantre. No extremo oposto ao conceptualismo assumido desta vez tanto por Sclavis como por Robert, Bineau pratica em “Exodus” um jazz mais imediatamente reconhecível como tal, em onze originais com assinatura própria, onde a serenidade, o despretensiosismo e abundância de atmosferas “cool” não escondem a absoluta incapacidade em renovar a partir do interior da tradição. Assim, contentemo-nos com baixar o volume e saborear estes “clichés” em boa companhia, imaginando porventura como seria amar nesse outro tempo em que a vida e o jazz avançavam nas constantes descobertas da “real thing”.
Já desesperávamos, mas eis que finalmente se faz ouvir um saxofone tenor. E o jazz deixa de ser azul para se tornar vermelho. Ainda na Europa, mas agora já sob o sol mediterrânico do jazz italiano e de um quarteto liderado pelo saxofonista tenor e soprano Maurizio Giammarco e pelo pianista Phil Markowitz, com Piero Leveratto (baixo) e Fabrizio Sferra (bateria). “Seven Plus Eight” socorre-se do “cool” e do “bop”, o que significa que, se quisermos inquietar-nos e confrontarmo-nos com o vendaval do novo, não será ainda por aqui que desbravaremos caminho por nossa própria conta e risco. “7” é das poucas composições que ousa pôr a cabeça de fora e sair de casa para o meio do bosque, onde os quatro músicos se desafiam e estimulam mutuamente. “Shapes” é uma incursão alternada no “neo bop” e no “free” bem modelado, e “Beloved” um exercício de piano impressionista. No tema final, Giammarco parece querer dizer que, além de razoável tenorista, sabe as linhas com que se cosem tradicionalismo, espontaneidade e convicção.


História de príncipe

Também de Itália chega um objeto curioso: “Italian Jazz Graffiti”, um duplo CD pela Civica Jazz Band (formada em 1996 por um grupo de professores e alunos, sob a direção de Enrico Intra e Bruno Tommaso, no âmbito dos “Civici Corsi di Jazz”), gravado ao vivo em dois teatros de Milão. Cada faixa teve a participação de um solista convidado, contando-se, entre eles, além do próprio Maurizio Giammarco, Enrico Rava, Gianluigi Trovesi (numa versão esfuziante de “Dedalo”), Roberto Ottaviano, Enrico Pieranunzi, Pietro Tonolo, Paolo Fresu, Antonio Farao, Claudio Fasoli, Franco Ambrosetti, Paolo Damiani, Franco d’Andrea e Tiziana Ghiglioni, todos com discografia gravada em nome próprio. Como o nome indica, “Italian Jazz Graffiti” é isso mesmo, um mural, um painel que serve essencialmente para avaliar a maior ou menor inspiração dos diversos solistas durante os dois concertos (integrados no ciclo “Orchestra senza confi ni”), sendo que, em cada um deles, a base orquestral de “big band” permanece vinculada ao jazz tradicional, nomeadamente o “swing” e todo o legado Ellington até à fase “jungle”, e o “bop”, com ocasionais escapadelas pelo jazz mais liberal. Quente, mas sem surpresas.
Disco forte da semana é “Inside Story” do saxofonista (alto e barítono) e flautista Prince Lasha, um texano marcado pelas inovações estilísticas de Ornette Coleman e Eric Dolphy cujo nome, poucas vezes mencionado nos compêndios, se impôs através de “The Cry”, editado em 1962. Ao mesmo tempo que a Europa se esgota em dissidências, a América continua a rever-se na odisseia do velho Oeste…
Gravado em duas sessões, uma delas com Herbie Hancock, Cecil McBee e Jimmy Lovelace, a outra, ao vivo, destacando a presença no baixo de Ron Carter, que deram origem, respetivamente, aos álbuns “Inside Story” (1965) e “Search for Tomorrow” (1974), a presente reedição evidencia, ao nível do discurso de Lasha no alto (e no disco de 65) sobretudo a influência de Coleman, enquanto a sombra de Dolphy norteia o sax barítono ao longo da sessão registada em 1974 no Berkeley Jazz Festival. Na flauta sobressai um curioso lado étnico (“Kwadwo safari”), mas seja qual for o registo através do qual Lasha se embrenha nas suas lucubrações (porque se trata, de facto, de uma história voltada para as explorações interiores), tendo como base — e há quem diga que sem ela o jazz corre o risco de ficar sem alma… — os “blues”.