Arquivo de etiquetas: Barabàn

Chieftains, Battlefield Band e Barabàn – “Pela Lei E Pela Grei” (Festival Intercéltico)

Pop Rock >> Quarta-Feira, 04.11.1992


PELA LEI E PELA GREI

Chieftains, Battlefield Band e Barabàn são os nomes já confirmados para o Festival Intercéltico do Porto, cuja quarta edição terá lugar nos próximos dias 1, 2 e 3 de Abril, no Teatro Rivoli. Este ano vai ser possível conhyecer os “suonattori” dos Apeninos e participar num torneio de xadrez celta. Se levar cartas, tenha cuidado. Se é mulher, prepare-se, ou não, para gritar. E nunca, mas nunca, puxe os cabelos a um padre.



Para além daquelas bandas, encontra-se em fase de negociações a vinda de um grupo da Bretanha (que poderá bem ser um dos nomes sonantes da editora Keltia) e outro da Galiza. Prevê-se ainda, à semelhança das edições anteriores do festival, a actuação de uma banda portuguesa.
Algumas actividades paralelas – que muito contribuíram para o sucesso e ambiente de festa que caracterizaram as anteriores edições do Intercéltico, este ano, como sempre, organizado pelo MC – Mundo da Canção – estão já confirmadas, como uma exposição sobre os “suonattori” ou tocadores de “piffero” (instrumento de palheta dupla parente da bombarda) e “musa” (gaita-de-foles) dos Apeninos, que será acompanhada de um “workshop” dirigido por Giuliano Grasso, membro dos Barabàn.
Para os estudiosos, apreciadores ou simples curiosos de tudo o que se relaciona com a cultura celta, está reservada uma surpresa: a apresentação e realização de um mini-torneio de xadrez celta, uma variante deste jogo com regras próprias, descoberta a partir de estudos e recolhas efectuadas na Irlanda e na Bretanha.

Bárbaros

Uma pequena exposição alusiva ao tema “As antigas leis da Irlanda”, com possível edição de uma brochura, dará a conhecer certas idiossincrasias da personalidade dos antigos irlandeses. Legislação que nada deixava ao acaso e sobre matérias tão díspares como os direitos cívicos do gado bovino e da mulher (desde que gritasse) ou ofensas dirigidas a um membro do clero (desde que fosse virgem). Por exemplo, era ilegal “expor uma vaca ao perigo derivado dos cães vadios e dos piratas”. Sobre as práticas, presumivelmente sexuais, levadas a cabo sobre lençõis ou sobre a relva, a lei era um pouco mais elaborada: “se uma mulher concordar em ir para a cama ou para trás de uma sebe com um homem, este não pode ser considerado culpado mesmo que ela grite. Mas se ela não concordou, ele é culpado, desde que ela grite”. Dos desagravos aos membros do clero se diz que “por puxar os cabelos a um bispo casto, a multa é de um bezerro de um ano por cada vinte cabelos arrancados”. Estas leis permaneceram em vigor até ao século XVI e ao reinado de Isabel I, altura em que foram abolidas por terem sido consideradas “bárbaras”.

Embaixadores

Dos grupos já agendados no programa, os Chieftains, cabeças de cartaz da edição número quatro do Intercéltico, são o que se pode chamar uma lenda viva da Irlanda e os representantes legítimos da música tradicional desta Ilha, no resto do mundo. Estiveram em Portugal em Setembro passado, na Festa do “Avante!”, onde rubricaram uma actuação com sabor a alguma frustração. Nem o local nem o contexto eram os mais propícios para uma música feita de pormenores e subtilezas estilísticas, manifestando os Chieftains, logo nessa ocasião, o desejo de voltar. Em condições diferentes, de modo a poderem tirar o máximo partido da excelência instrumental em que são mestres. Até Abril, vale a pena recordar ou descobrir discos como “The Chieftains 5”, “Bonaparte’s Retreat”, “Boil the Breakfast early”, “The Chieftains 10”, “Celebration”, manifestos inspirados da tradição musical da Irlanda. Enquanto não chega o novo disco, intitulado “Another Country”, no qual os Chieftains voltam a desempenhar o papel de anfitriões, num trabalho de levantamento das relações entre a música irlandesa e a “country” americana que inclui como convidados, entre outros, Emmylou Harris, Ricky Scaggs, Chet Atkins, Willie Nelson e os Nitty Gritty Dirt Band.
Não menos importantes, os Battlefield Band desempenham na Escócia o mesmo papel que os Chieftains na Irlanda, de embaixadores da música tradicional do seu país no estrangeiro. Autêntica instituição, a banda chegou ao ponto de organizar anualmente um festival próprio, o “Battlefield Band’s Highland Circus” e de emprestar o seu nome a uma corrida de cavalos. Da formação original dos Battlefield Band, e ao fim de 15 anos de carreira, apenas resta o teclista e vocalista Alean Reid que virá a Portugal acompanhado por Alistair Russell (guitarra, cistro, voz), Iain MacDonald (Highland pipes, flauta, whistle) e John McCusker (violino, whistle, acordeão, teclados).
Nos concertos, os escoceses são um espectáculo de energia e entusiasmo. Sempre imprevisíveis, é frequente alternarem em “medleys” diabólicos, temas tradicionais com outros estilos jusicais, desde canções dos Beatles e dos Creedence Clearwater Revival a clássicos do rock ‘n’ rol, versatilidade essa patente no álbum ao vivo “Home Ground”, gravado em 1989. De uma discografia que compreende até à data 10 álbuns de originais, recomendam-se “Home is where the Van is” (1980), “There’s a Buzz” (1982), “Celtic Hotel” (1987) e o volume dois de “Music in Trust” – de parceria com a harpista Alison Kinnaird -, banda sonora de uma série televisiva sobre os patrimónios arquitectónico e paisagístico da Escócia. Todos eles com o selo Temple e disponíveis no nosso país.

Lombardos

Originários da região de Milão, os Barabàn poderão ser uma das revelações do festival. Movendo-se numa área próxima à dos piemonteses La Ciapa Rusa, os Barabàn fazem o levantamento de temas tradicionais da Lombardia, região do Norte de Itália, a Leste do Piemonte, adaptando-os, numa fase seguinte, a arranjos da sua autoria que incluem o uso imaginativo dos computadores. A música resultante é ao mesmo tempo complexa e espontânea, terna e extrovertida, sem nunca perder de vista a visão intuitiva do mundo e o telurismo que caracterizam o modo de ser tradicional. Os Barabàn são Vicenzo Caglioti (acordeão, voz), Guido Montaldo (“pifero”, flautas, clarinete, voz) e Paolo Ronzio (guitarra, “piva” [outra variante da gaita-de-foles], “musa”, bandolim, voz). Têm gravados três álbuns: “Musa di Pello Pinfio di Legno Nero…”, na Madau Dischi e, na editora própria Associazione Culturale Barabàn, “Il Valzer dei Disertori” (considerado pela “Folkroots” o melhor álbum de música tradicional italiana de 1987) e “Naquane”, um disco espantoso, na linha de “Faruaji”, dos Ciapa Rusa, inspirado num ritual de invocação à chuva celebrado na localidade de Vacamonica. “Naquane” e “Il Valze dei Disertori” vão ser editados brevemente em Portugal pelo Mundo da Canção.

Barabàn – “La Santa Notte dell’Oriente”

POP ROCK

26 Março 1997
world

Barabàn
La Santa Notte dell’Oriente
ASSOCIAZONE CULTURALE BARABÀN, DISTRI. MC – MUNDO DA CANÇÃO


bar

Como o Natal é todos os dias, esta colecção alusiva à época, com assinatura dos celtas da Lombardia, os Barabàn, faz todo o sentido. Quem quiser seguir a estrela terá que acompanhar os Reis Magos e descer no presépio onde nasceram estes 11 temas, subdivididos numa miríade de canções, cuja exacta localização geográfica pode ser verificada no pequeno mapa que o grupo italiano inclui no livrete. No Norte de Itália, por onde andaram os celtas, a herança cristã confundiu-se com a religiosidade pagã dos séculos anteriores. E resulta esta mistura, onde os cânticos de louvor a José, Maria e o Menino dão inocentemente as mãos ao culto da Natureza e às cerimónias mágicas. Multiplicidade religiosa e cultural que os Barabàn aproveitaram para, por seu lado, diversificarem o modo como colheram, a ocidente e oriente, as flores musicais do Natal. Abriram mão da rigidez que poderia advir do dogma religioso, para variarem o estilo e a cor musicais, tirando máximo partido da parafernália instrumental que têm à sua disposição (acordeão, teclados, sanfona, “bouzouki”, ocarina, violino, “piffero”, clarinete, “darbouka”, “ghatam”, gaita-de-foles, harmónica, etc.). Mas, apesar de tudo, como é Natal, haja respeito e, neste aspecto, os Barabàn refrearam a sua fome de electricidade, pondo de lado alguns excessos de sintetizadores e sequenciadores, que batem forte e feio nos anteriores “Naquane” e “Barabàn Live”. A gaita-de-foles de Paolo Ronzio, na introdução de “Nina” é, por si só, uma oração. Entre o calor das polifonias, suspiros de música antiga, sinos pendurados na voz de uma criança e luzinhas e a acender no abeto. Um álbum de tez antiga, sem espinhas, para ouvir de noite, devagar. Noite feliz. (8)



La Ciapa Rusa – “Aji & Safrán” + Barabàn – “Barabàn Live”

Pop Rock

29 de Março de 1995
álbuns world

DO “SUK” A MOSCOVO

LA CIAPA RUSA
Aji & Safrán (8)

ROBI DROLI


lcr

BARABÀN
Barabàn Live (7)

ASSOCIAZIONE CULTURALE BARABÀN
Distri. MC – Mundo da Canção


bar

“Alho e Açafrão” – um título condimentado, escolhido pelas suas “ressonâncias mágicas” (em dialecto piemontês, é possível; traduzido para português, nem por isso…) e, ao mesmo tempo, por evocar o ambiente de um “suk” (mercado) árabe. É o regresso em beleza desta banda do Piemonte, liderada por Maurizio Martinotti e Beppe Greppi, actualmente das mais importantes no circuito “folk” europeu. Os celtas italianos voltaram a não deixar os seus créditos por mãos alheias, com uma selecção variada de temas de inspiração piemontesa ou lombarda, arranjados ou compostos por Martinotti. As “monferrini”, danças típicas da região, dão um ar festivo à maioria das faixas, numa série de “medleys” divididos em secções que raramente excedem os dois minutos, numa girândola de cores criadas pela sanfona electro-acústica, o acordeão, o violino, e o arsenal de palhetas do novo elemento Patrick Novara, incluindo o indispensável “piffero” piemontês (da família da bombarda bretã), o oboé, o clarinete e a gaita-de-foles. Uma das virtudes dos La Ciapa Rusa é a preocupação, quase maníaca, com o detalhe e a precisão dos arranjos, o que faz deles uma miniorquestra de alquimistas. Há, em “Aji & Safràn” fantasia, Carnaval, dedicatórias sentidas a lugares ou a um velho “suonatore” de “piffero”, e baladas ancestrais como “Cecilia”, onde é narrada a história de uma noiva que, para livrar o seu amado da sentença de morte, sacrificou a sua honra ao executor. O último tema, “Ad Oriente”, homenageia de forma vibrante o festival de Lorient, reunião magna de celtas que todos os anos, durante dez dias, se celebra naquela localidade da Bretanha. Ao contrário dos Ciapa Rusa, Barabàn, os seus vizinhos da Lombardia, arriscam mais, seja na utilização (por vezes, exaustiva) das programações electrónicas ou, neste caso, da orientação estética de “per se”. Neste seu registo ao vivo, a qualidade dos temas é prejudicada por ocasionais falhas técnicas. Este desequilíbrio encontra justificação no facto de se tratar de uma compilação de actuações registadas entre 1989 e 1993 em Itália, Canadá, Inglaterra, Rússia, Bélgica e Áustria, em condições por vezes deficientes, com os próprios músicos a serem os primeiros a reconhecer que as canções “não são homogéneas”, quer do ponto de vista técnico, quer da interpretação”. O roubo dos instrumentos de que foram vítimas ou concertos em locais e horas impróprias, pagos, por vezes, “com alguns tostões e uma sandes”, contam-se entre as dificuldades que o grupo se viu obrigado a enfrentar. Os Barabàn citam, a propósito, um espectáculo em Moscovo, no Inverno de 1990, onde não tiveram outro remédio senão utilizar uma amplificação que não oferecia um mínimo de garantias. Mas o entusiasmo do engenheiro de som russo e da assistência foram tais, dizem, que não hesitaram em “guardar a memória do concerto, embora o som não ofereça qualidade” – uma saudável concessão “à emoção”, em detrimento do perfeccionismo clínico. Saudades devem ter os Barabàn do Intercéltico, onde há dois anos rubricaram um concerto memorável. O ponto forte deste sexteto impulsionado por Aurelio Citelli e Giuliano Grasso continuam a ser as baladas, de inexcedível beleza, como “Ol me buntemp”, “Lena”, “Gorizia tu sei maledetta” e a tocante melodia de “Dona Lombarda”, sem esquecer as polifonias “La merla” e “La Brunetta”, estes três últimos temas podendo já considerar-se clássicos do grupo. “Live” constitui uma escolha arriscada para suceder a “Naquane” – um disco imaculado – mas, como já foi dito, para os Barabàn, o risco é a sua profissão.