Brigada Victor Jara – Entrevista

Pop Rock

20 de Setembro de 1995

Brigada Victor Jara lança “Danças e Folias”

“Desconfiai de um Deus que não sabe dançar”*

O Deus da Brigada Victor Jara sabe dançar. “Danças e Folias”, o novo álbum desta banda coimbrã, representa desde já um marco na evolução da nossa música da raiz tradicional. O violinista Manuel Rocha explica que há danças que já desaprendêramos de dançar.


bvj

É a segunda idade de ouro da música portuguesa de inspiração tradicional, na continuação do “boom” dos anos 80. Depois de Né Ladeiras ter escancarado a porta astral que dá para Trás-os-Montes e numa altura em que estão prestes a rebentar as estreias discográficas dos realejo e dos Gaiteiros de Lisboa, a pioneira Brigada Victor Jara vem ocupar o trono que por direito lhe pertence. O violinista Manuel Rocha explicou ao PÚBLICO que existem maneiras de se dançar mais com os ouvidos do que com os pés.
PÚBLICO – Seis anos de intervalo entre “Monte Formoso”, o anterior disco da Brigada, e este “Danças e Folias” é muito tempo. A par da tal “preguiça” já referida por Aurélio Malva (ver entrevista no PÚBLICO do dia 1 deste mês), há outras razões que expliquem a demora?
MANUEL ROCHA – Realmente, a par dessa “preguiça” em pegar no material há outras razões que envolvem um grupo que não tem uma ocupação profissional enquanto tal. As pessoas neste grupo conservaram sempre os seus trabalhos. Por outro lado existem algumas questões do foro musical. Este disco até nasceu de uma forma curiosa. Normalmente os discos da Brigada nascem para ser tocados ao vivo. Este nasceu para ser um disco, com características que envolviam logo á partida a consulta e um pedido de participação aos músicos convidados.
P. – “Danças e Folias” é um disco conceptual?
R. – Inicialmente tínhamos a intenção de fazer um disco com os espécimes mais diversos de música tradicional. Só que a alma do disco estava a sair muito triste. Numa certa altura pensou-se então – o Aurélio deu a ideia – em fazer um disco de danças. As nossas danças estão muito mal-tratadas, foram associadas indevidamente a uma versão transformadora dos ranchos folclóricos em que de facto a dança permaneceu mas a música foi sendo corrompida. Pareceu-nos interessante pegar no aspecto propriamente musical da dança. Se se reparar bem, há muitos temas no disco em que não se percebe a característica dançante…
P. – Nos temas vocalizados?
R. – Exacto. Aquilo que privilegiámos, sendo música de dança, foram as características altamente modais da nossa música e, como tal, explorá-las no seu lado “bonito”, mais complexo, com arranjos que avançam para o modalismo em vez de darem importância à questão da cadência, do ritmo.
P. – Essa tónica no modalismo levou a resultados como o tema “O mineiro”, tradicional da Estremadura, onde são espantosas as semelhanças com a música da Bretanha…
R. – É engraçado, porque temos em Portugal música que quebra a quadratura, isto é, em que o tempo é arrevesado. É como diz, de repente encontramos em Portugal sons que não têm a ver com aquilo que nos habituámos a ouvir.
P. – Em Portugal ou no seio transmutador da Brigada?
R. – Em Portugal! Em particular esse tema que refere foi tocado na sua forma original num instrumento de cana [sevina] por um tocador da Estremadura. Não tem nada a ver com aquilo que geralmente identificamos com um som português. O que nos faz ao fim e ao cabo pensar na origem tão diversificada das nossas músicas. Acontece também que em Portugal, ao contrário de outros países, não tivemos a possibilidade de explorar aquilo que é mais “bizarro” no caminho do aperfeiçoamento. Houve a clivagem musical dos anos 60 e 70, em que o acordeão funcionou como instrumento monopolizador, quer da tonalidade quer da sonoridade. A tal música mais “estranha” nunca foi explorada.
P. – Em comparação com discos mais antigos, como “Contraluz” ou “Monte Formoso”, obras que se podem considerar de fusão, “Danças e Folias” aposta no regresso a um certo classicismo.
R. – Apesar de ser um disco, como disse, feito com arranjos preparados pelo Ricardo Dias e o Aurélio Malva, acaba por apontar para esse classicismo, para um regresso à canção enquanto canção, com princípio, meio e fim. Enquanto que em “Contraluz”, por exemplo, a canção se encontrava dissimulada no ambiente musical geral.
P. – Não será também uma defesa vossa, no sentido em que é menos perceptível uma identidade própria, um som imediatamente reconhecível como pertencendo à Brigada?
R. – Isso é uma característica do grupo. Então se pegarmos na sua história discográfica ainda se nota mais, já que cada disco é diferente dos outros. Tem a ver, por exemplo, com a dispersão dos elementos do grupo, enquanto ouvintes e assimiladores de música. É uma heterogeneidade que acaba por se reflectir no trabalho do grupo. Não há um “som Brigada”. A nossa grande preocupação tem sido, até, de alguma forma, de complicar as coisas…
P. – Complicar como?
R. – Ir ao encontro da complexidade da música portuguesa e, cada vez mais, estudar para chegar lá. Além de que o encontro com os músicos convidados que tocam neste disco, acabou por ser para nós muito enriquecedor, na medida em que nos “complicou” também a vida… Por exemplo, o António Pinto a trabalhar nas harmonias ou o Tomás Pimentel a tocar um solo lindíssimo permitiram descobrir novos caminhos que uma melodia pode ter dentro de uma harmonia que é subvertida.
P. – Complexidade e profundidade que se tornaram notórias na imensa riqueza de “Danças e Folias”…
R. – Pois, a nossa música não é como a de grupos que dão ênfase às chulas ou ao vira. Se queremos fazer um trabalho sobre a música portuguesa, na extensão territorial daquilo a que chamamos Portugal, chegamos à conclusão que é preciso pegar no seu lado “incómodo”, o seu modalismo e a sua polirritmia.
P. – A alegria e a diversidade de registos que percorrem “Danças e Folias” podem ser uma resposta ao cinzentismo que se está a instalar numa facção da nossa música popular?
R. – Deve haver alguma reacção a esse cinzentismo que acaba por desenterrar outra vez os valores do céu carregado de nuvens e dos pescadores que se arrastam pela estrada de costas vergadas a puxar o barco. Na música dita de inspiração tradicional não precisamos de pegar nesse lado negro. Isso seria lustrar uma só faceta da nossa própria vida.

* Friedrich Nietzsche, em “Assim Falava Zaratustra”



Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.