Cocteau Twins – Em Inglês É Que a Gente Se Entende – concerto

Pop Rock

27 de Abril de 1994

EM INGLÊS É QUE A GENTE SE ENTENDE

Em “Four-Calendar Cafe”, o mais recente álbum dos Cocteau Twins, Elizabeth Frazer canta pela primeira vez apenas em inglês. Depois do ensaio geral empreendido no anterior “Heaven or Las Vegas”, no qual esta língua fazia já uma tímida aparição. Até então, em álbuns como “Garlands”, “Head over Heels”, “Treasure”, “Victorialand” e “Blue Bell Knoll”, a sua voz entoara invocações na forma de onomatopeias que permitiam ao canto voar sem restrições.


ct

Nos antípodas do rock, a música do grupo formado por Fraser, Robin Guthrie e Simon Raymonde veiculava uma estratégia de indefinição – das palavras sem significado mas também no nevoeiro sonoro tecido pela guitarra de Guthrie – que então ajudava a criar o que se viria a chamar o “som 4AD”, editora onde a banda gravou toda a sua anterior discografia.
“Four-Calendar Cafe” marca uma inflexão na carreira e na música dos Cocteau Twins. Coincidindo com a mudança de editora, da 4AD para a Fontana, subsidiária da multinacional Polygram, o novo álbum, para além da mudança de agulhas linguística, aponta de forma inequívoca para uma pop mais convencional. Se ao longo da obra anterior desta banda escocesa só com alguma boa vontade se poderiam chamar canções aos esboços impressionistas que nessa altura lhe conferiam uma aura de originalidade e de diferença (estética que os Cocteau Twins levaram ao extremo e à incursão no ambientalismo da escola de Brian Eno, quando do seu encontro com o pianista Harold Budd, no álbum “The Moon and the Melodies”), em “Four-Calendar Cafe” os novos temas respeitam sem grandes desvios este formato.
Poderemos ainda verificar nesta mudança a tentativa, da parte da banda, de encontrar uma via de compromisso que lhes permita reproduzir ao vivo os ambientes e arranjos característicos dos discos. Recorde-se que até há bem pouco tempo os Cocteau Twins sempre tinham manifestado relutância em tocar ao vivo, reconhecendo deste modo a impossibilidade de, em concerto, fazerem justiça ao som de estúdio.
Perante esta alteração de métodos não falta quem acuse a banda de se vender em nome do mais que provável aumento de venda dos discos. Se este passo era ou não inevitável só a consciência dos músicos o poderá dizer. Certo é que o grupo conseguiu chegar ao topo das listas independentes mas não se contenta em ficar por aí, perseguindo a partir de agora objectivos mais vastos e, porventura, mais rentáveis.
Veremos se com a sua primeira apresentação em Portugal os Cocteau Twins confirmam esta hipotética apetência por horizontes comercialmente mais largos ou se, pelo contrário, mantêm intacta a integridade artística, apenas deslocando os passos para uma estrada com mais faixas e, vá lá, bem menos sinuosa. Ou ainda se as palavras do discurso musical e críptico da fase pré-linguística se transformaram em vulgar conversa de café.

LISBOA, COLISEU DOS RECREIOS, 27 DE ABRIL
PORTO, COLISEU DO PORTO, 29 DE ABRIL
BRAGA, T-CIRCO, 30 DE ABRIL



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.