Mola Dudle – Homens Da Casa

19.01.2001
Homens Da Casa

moladudb

Mobília. Os objectos do quotidiano. Entre o visionário e a patine retro, é o tempo de esculpir o mistério na casa – lugar de todos os encontros e experiências para os Mola Dudle, no seu álbum de estreia.

Um vive em Faro. O outro em Sintra. Conheceram-se em Lisboa e tocaram pela primeira vez juntos ao vivo no Bairro Alto. “Uma coisa experimental, sem ensaios, sem nada”. O telefone fazia, já então, parte dos seus utensílios de trabalho. “trocámos impressões”.
Mas na gravação de “Mobília”, álbum de estreia dos Mola Dudle (ver crítica no “Y” de 12/1), editado pela Ananana, Nanu e Miguel Cabral foram ainda mais longe. Uma das faixas, “300km” (a distância entre os respectivos locais de residência) foi totalmente composta por telefone. Nos restantes 24 temas o processo de composição resultou da troca de cassetes e CD por correio, em que cada um apresentava material pré-gravado para ser posteriormente tratado pelo outro.
“Criámos algumas regras, a primeira das quais foi a de cada um de nós restringir-se a apresentar um número certo de 12 temas, inacabados. A ideia era surpreender o outro”. Mais tarde, na casa de Nanu, em Sintra, encontraram-se para ver o que cada um “tinha espatifado”.
O resultado final é um dos mais originais álbuns de música, digamos electrónica, de que há memória em Portugal. Chama-se “mobília” e na sua feitura Miguel e Nanu utilizaram, além de instrumentos convencionais (teclados, guitarras, sampler, programações, banjo, flauta, bateria), objectos e fontes sonoras como panelas, água, janela, telefonias, televisão, atendedor de chamadas, bule, relógio de cuco, escova de dentes, garrafas de plástico, gira-discos, caldeira, lâminas, moinho de pimenta… Ainda gravações de campo recolhidas na cozinha e no Bairro Alto e a presença dos convidados Miguel Pereira (contrabaixo), Cristina Parreira, Fernanda Rodrigues, Filipa Sousa e Patrícia Tello (vozes).
Nanu e Miguel têm sensibilidades musicais diferentes. Nanu tem trabalhado no teatro e feito “música experimental” embora antes tenha “estado muito ligado ao rock alternativo dos anos 80, da 4AD e Rough Trade” e, nos anos 70, à música de Frank Zappa, Genesis, Gentle Giant – “com os quais cada vez me identifico mais, é curioso…”.
Miguel inclina-se mais para a construção e utilização de instrumentos artesanais e para a tecnologia. “Cresci a ouvir rock-lixo, tipo Iron Maiden, Faith No more”. Mas cedo o heavy-metal deixou de figurar nos meus hábitos, sendo substituído por John Zorn. “o lado experimental é a única coisa que temos em comum”, diz.
Compõem e gravam ambos em casa. Nanu com o programa Q-Base, sampler Akai e módulos Midi, além de fazer captação de exteriores. Miguel utiliza o computador “como um gravador”. Não usa Midi. Os dois trabalham também com programas “com quem mais ninguém trabalha, incluindo alguns ‘roubados’ na internet”.

Espaços
Um “affaire” doméstico. Arrumação de mobília em moldes inusitados. Colagens. De sensibilidades. De exteriores com interiores. Da vanguarda com o retro. As gravuras de móveis e electrodomésticos da contracapa de “Mobília” ostentam design antigo, quase barroco, metamorfose do funcional em objecto de arte.
Nanu chama a atenção para o facto de haver “ambiências sempre relacionadas com o espaço da casa”. Quer “espaços interiores, psicológicos, quer espaços interiores, quer espaços físicos”. E para a importância da dialéctica “contemporâneo” vs. “retro”.
“gostamos de música que não se pode datar muito bem e por isso vamos buscar referências um bocado fora de prazo para dar ao som um ar bolorento”, diz Miguel. Nanu alude por sua vez ao fascínio que desde sempre sentiu pela rádio, os meus aparelhos, “a má rádio”: “É curioso, quando ouço as coisas distorcidas dá-me a impressão que elas ganham a patine do tempo e um valor que as outras não têm. Só as coisas meio escondidas, meio alteradas é que são verdadeiramente novas e causam alguma surpresa. Por isso conservámos na música uma certa sujidade. Queremos manter o mistério”.
“E a distância”, acrescenta Miguel. “Casa” e “distância” são dois conceitos-chave que permitem entender a peculiar arrumação de “Mobília”. Numa casa há de tudo: “vivências, histórias, vidas, tempo, interiores…”. As palavras são como os “bibelots”. Sampladas ou em tempo real. “Aí já não havia regras”, diz Miguel. Ou, como Nanu contrapões, “existia a regra de ter sempre que trabalhar em casa”. Um dos temas, “Jefferies!”, ouve-se “como se estivéssemos a ler as legendas de um filme”. No caso, um trecho da “Janela Indiscreta” de Hitchcock. O tal mistério e suspense que os Mola Dudle pretendem conservar. Em “O postal” a letra foi mesmo tirada do cartão: “Acabo de receber o teu postal, muito estimando que continuem bem…”.
Os Mola Dudle estimam os objectos. E, como mágicos, extraem deles música.
O próximo álbum poderá bem ser “um projecto só sobre telefones”.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.