Cristina Pato Lança Segundo Álbum

26.05.2000
Cristina Pato Lança Segundo Álbum
Uma Gaita Colorida


cp

LINK

Impressiona pela técnica instrumental irrepreensível e pela cabeleira que já foi vermelha e agora é verde-alface. Para Cristina Pato, a “Tolemia” (“loucura”) é palavra de ordem e a gaita-de-foles um brinquedo tão colorido como os seus cabelos. Esteve recentemente em Portugal para promover o seu segundo álbum, com edição prevista para o final do mês.

“Tolemia” não é um grande álbum – falha na produção e na escolha do reportório – mas revela uma notável gaiteira, Cristina Pato, galega, 19 anos, os últimos 16 passados a estudar e a tocar o instrumento que é o emblema da sua região natal. Com a saída eminente de um novo álbum, intitulado “Xilento”, Cristina Pato garante ao PÚBLICO que emendou a mão. Para já, prestígio é coisa que não lhe falta. Na Galiza todos a conhecem, não só pela cor dos cabelos, como pelo seu inquestionável talento. Os Chieftains (na digressão que fizeram por Espanha, este ano) Carlos Nunez e a sua compatriota Susana Seivane já a convidaram para tocar com eles.
Cristina Pato é a mais nova de quatro irmãs, filha de um acordeonista e de uma pandereiteira. “Na minha casa não havia a tradição de tocar gaita-de-foles”, conta. Foi a irmã mais velha, Raquel, que lhe pôs nas mãos, pela primeira vez, uma gaita. Cristina tinha então três anos, quando soprou pela primeira vez na ponteira. Mais tarde entrou para a escola de gaitas de Ourense (que passou de 150 gaiteiros, quando da sua formação, para os 20 mil actuais!), onde aprendeu com Xosé Luís Foxo, tendo tocado na banda de gaitas da cidade durante dez anos. Entre os quatro e os 15 anos, Cristina Pato dividiu os estudos da gaita com os do piano. Antes de gravar “Tolemia” – “gravado em cinco dias, antes do Natal de 1998, com os meus amigos e com meios limitados” -, o seu primeiro trabalho a solo, fez parte dos Mutenrohi, com quem gravou dois álbuns. “Xilento”, o novo álbum, conta com as participações de Uxia Peixoto e do português Rui Júnior e é, segundo a sua autora, “um disco muito variado e mais próximo de Portugal”. O rótulo “céltico” e o fenómeno da “irlandização”, que ainda não há poucos anos apoquentava os nossos irmãos galegos, não a preocupam. “Antes as pessoas conotavam a gaita-de-foles sobretudo com a Irlanda ou com a Escócia, mas finalmente perceberam que cada país tem a sua gaita específica, nacional. A gaita galega é o instrumento principal da música da Galiza.”
Hoje, Cristina Pato divide as atenções, no capítulo das mulheres tocadoras de gaita, com Susana Seivane, um pouco mais velha do que ela. Conheceram-se, há alguns anos, em Tenerife, “trocaram de gaitas” e a rivalidade, se existe, “é apenas criada pela imprensa”. E se Susana arrancou em força logo com um fantástico álbum de estreia, Cristina Pato prepara-se, também ela, para dar a sua contribuição para a revolução nas técnicas de execução da gaita galega que nos últimos anos se tem vindo a processar, através de gaiteiros como Carlos Nunez, Anxo Pinto ou Xosé Manuel Budino.
Apesar do respeito que tem pela música tradicional, a gaiteira admite que a sua música e os seus espectáculos têm a mais a ver com o rock, destinados a ser apreciados pelas “grandes massas”: “Gosto que o público baile, se sinta bem, e de me divertir. Gosto de ouvir guitarras eléctricas e bateria, de rock ‘n’ roll.” A sua banda usa bateria e sintetizadores. Porque, “para um estrangeiro, a gaita-de-foles tem um som muito duro e são necessários outros instrumentos para tornara a audição mais fácil”.
Em conformidade, a preocupação em mostrar uma imagem exterior espalhafatosa não é descurada. Actualmente de um verde electrizante, os cabelos de Cristina já foram vermelhos e mesmo cor de laranja, a primeira cor com que os pintou, então com apenas 11 anos (“a minha mãe esteve um mês sem me falar…”). Os mais velhos erguem o sobrolho mas acabaram por se conformar. “Não faço do meu aspecto, ou da minha indumentária, uma filosofia de vida.”
Além da Galiza, Crstina Pato nutre uma paixão especial pelo Brasil: “Da minha colecção de CD, uma grande parte é preenchida por discos de música brasileira: Caetano Veloso, Gal Costa, Gilberto Gil, Chico Buarque…” Tem uma explicação: “O meu professor de piano é brasileiro!” Faz sentido, olhando para a imagem colorida de Cristina Pato e ouvindo a forma extrovertida como toca, é difícil não pensar no Carnaval. “Não tento tocar como os velhos mestres, estamos no séc. XX, a minha geração ouve Carlos Nunez mas já não ouve Ricardo Portela. Aos nove anos ninguém vai dizer: ‘Mamã, quero ir estudar com o Ricardo Portela’ [risos]. Eu defino-me como uma gaiteira fresca e divertida. Toco gaita porque é um instrumento muito divertido. E porque é tocado como o coração!”

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.