Arquivo mensal: Agosto 2011

Peter Hammill – “Unsung”

04.01.2002

Peter Hammill
Unsung
Fie, distri. Megamúsica
6/10

LINK

“Unsung” insere-se numa série de álbuns instrumentais de Peter Hammill que inclui os anteriores “Loops and Reels” e “Sonix”, bem como “Spur of the Moment”, com Guy Evans, e “The Appointed Hour”, com Roger Eno. O poeta e músico explica que as peças nele incluídas insistiram em permanecer no formato instrumental, de acordo com uma vertente a que Hammill chama “experimental”, em oposição, ou complemento, à “normal”, constituída por canções. O que aqui encontramos são fragmentos organizados de “ambient music”, por vezes próximos das “frippertronics” de Robert Fripp, loops esculpidos por forma a soarem como música de câmara, ensaios de “contemporânea erudita” e pedaços de melodias polvilhadas pelo açucareiro dos Durutti Column. O que aqui não se encontra, porém, mesmo levando em conta a descontracção típica de um trabalho deste género, é o génio que raramente anda ausente na discografia “oficial” do ex-líder dos Van Der Graaf Generator. Ainda que mantendo níveis de qualidade e de exigência próprios do autor, “Unsung” denota por outro lado ter este privado talvez em demasia com Roger Eno…

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Matt Howden – Sinfonias do Sol Negro

15.03.2002

Matt Howden – Sinfonias do Sol Negro

LINK

Matt Howden e Aranos. Dois violinistas loucos. Demónios. Pagãos. Artífices de uma música que brota das profundezas, com o rosto corado pelas maldições lançadas pelos antigos gigantes. Matt Howden é um dos astros negros dos Dieben e, com Tony Wakeford, dos Sol Invictus (além de fazer parte dos Raindogs, banda com base em Portugal). Aranos, enigmática personagem de ascendência cigana, natural da Boémia, é uma das entidades em acção nos Nurse With Wound, de Seteven Stapleton, e nos Current 93, de David Tibet. Os dois tocam juntos, hoje e amanhã, em Lisboa, no Teatro Ibérico de Xabregas, duas noites que se prevêem fora do comum.
Em cada uma destas apresentações os músicos reservaram os dez, quinze minutos finais para interpretarem temas compostos para os concertos de Lisboa. Na 6ª feira, após o concerto, terá lugar uma aula de tango pelo grupo Milonga das Estrelas, para o qual Aranos escreveu propositadamente um tango (convém esclarecer que o tango é uma das suas paixões, bem como a guitarra de Carlos Paredes). A Matt Howden e Aranos juntar-se-ão em palco Paulo Romão, dos Raindogs, e, em três ou quatro temas, B’Eirgh, vocalista da banda britânica In Gowan Ring, pertencente à editora World Serpent.
É extensa a obra de Howden, a solo ou nos projectos Sol Invictus, Sieben e Stiki. De comum, a proximidade do Mal, as cores soturnas, as luzes fátuas, os rituais ocultos de louvor a deuses cruéis e antigos. “Intimate & Obstinate”, “Hellfires” e “Redroom” são os três trabalhos com a ssinatura de Matt Howden. Na forja está uma longa peça conceptual intitulada “Voyager”, inspirada na expedição espacial que leva a sonda para fora do Sistema Solar, ao encontro do desconhecido.
Em “Hellfires”, os “Fogos do Inferno”, Hoden fez incidir a sua atenção nas concepções filosóficas e religiosas do Inferno em algumas das civilizações do passado, como o Hades etrusco ou o Amenti egípcio. Temas como a transmigração das lamas ou a condenação eterna são abordados segundo uma perspectiva que o levou, por exemplo, a questionar-se sobre as “regras” e os “motivos” que poderiam levar Shu, deus da luz, a determinar a “aniquilação completa” de uma alma pecadora. Charun, “meio humano, meio besta, com o seu olhar flamejante e o seu aspecto selvagem”, considerado uma “concorrente do próprio Satanás”, é outra das simpáticas personagens que Howden convocou para “Hellfires”.
“Redroom” é a obra em vermelho, a cor que cobre as paredes do seu estúdio. A cor do Inferno, do sangue e do sexo. “Voyager” não deverá ter esta cor, mas é de prever que seja escuro. A escuridão do espaço sideral. Matt Howden faz questão de explicar que este seu trabalho não significa qualquer conversão ao espírito “new age”, deixando, aliás, o aviso para esperarmos dele “toda a espécie de coisas estranhas e assustadoras”.
Mas nem só de trevas vive a música de Matt Howden. As formas com que reveste as suas visões de pesadelo têm amiúde a solenidade da música clássica, reportando-as ao mesmo tipo de sinfonias infernais de projectos como SPK (de “Zamia Lehmani”), Lustmord ou Zone. No folclore pop colou-se-lhes o rótulo de “gótico”.
Feiticeiras, a decadência da Europa, a intrusão do mundo astral no mundo físico, o cosmo em ruínas, a oposição luz/trevas e um lote bem fornecido de criaturas mitológicas e títulos em latim integram o léxico fundamental da sua obra, que pode ser apreciada num sem número de realizações das quais as mais recentes são “The Line and the Hook”, dos Sieben, e “Thrones”, dos Sol Invictus, este editado já em Fevereiro.
Fica assim entendido que tem apetência pelo lado escuro da mente e pelos rituais que a fazem sintonizar-se com o buraco negro do Inconsciente. A normalidade repugna-lhe. A tempestade vai bem com a sua personalidade. Recorda com nostalgia um concerto dos Sieben no “Wave Ghotic Festival” em Leipzig, quando, durante o “encore”, a noite explodiu em trovões e relâmpagos: “Great stuff!”
Será assim em Lisboa? A meteorologia não prevê uma melhoria do tempo, estando reunidas as condições para que o cerimonial decorra da melhor forma. Com fantasmas à solta. Quem tem medo do escuro?

Matt Howden & Aranos
Lisboa | Teatro Ibérico de Xabregas
6ª e sáb., às 21h30. Bilhetes a 12,50 euros

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Lúnasa – “The Merry Sisters of Fate”

03.05.2002

Lúnasa
The Merry Sisters of Fate
Green Linnet/Resistencia, distri. Sabotage
8/10

LINK
pwd: folkyourself.blogspot.com

Sabe bem ouvir discos como “The Merry Sisters of Fate”. Fica-se com a cabeça a andar à roda e o coração em sobressalto, com uma sensação de frescura agarrada ao espírito e à pele, e uma vontade irresistível de agarrar na trouxa e passar o resto dos dias na Irlanda. Os Lúnasa ouviram e aprenderam do passado o que importa ouvir e aprender. Está cá tudo. O musgo, o bosque, o verde, o sol, a chuva, a vivacidade de uma música onde o sagrado, o profano e o virtuosismo dão as mãos. A agilidade com que os Lúnasa efectuam as tradicionais mudanças de ritmo, a conjugação – em contraponto ou em uníssono – das “uillean pipes” (Cillian Vallely é já um caso muito sério neste instrumento…), do violino e da flauta irlandesa, a riqueza e firmeza dos timbres, o balanço instrumental (o título-tema, um reel de fazer dançar Deus e o diabo, é a prova real deste parentesco), apontam na direcção dos Bothy Band, mas sem cair na cópia. Já perceberam: da melhor “Irish Folk” que temos ouvido nos últimos tempos.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0