Arquivo da Categoria: Blues

Rui Veloso e Carlos Tê – “Peregrinação dos Portugueses Eléctricos”

Secção Cultura Quarta-Feira, 20.11.1991

Rui Veloso e Carlos Tê, Que Lançam Esta Semana “Auto Da Pimenta”, Ao Público
“As Descobertas Foram Feitas Por Homens Normais”
… Entrevista a Rui Veloso e Carlos Tê, por Luís Maio …


Artigo, por Fernando Magalhães
Peregrinação dos Portugueses Eléctricos


“Auto da Pimenta”, novo trabalho da dupla Rui Veloso / Carlos Tê, é uma peregrinação pela gesta dos Descobrimentos que inventa novos rumos para a música popular portuguesa. Um disco especioso.



Agora que a famigerada ópera de Philip Glass está concluída, convinha arranjar uma honrosa alternativa nacional. “Auto da Pimenta” constituiu essa alternativa, que tem pelo menos sobre a primeira a vantagem de ser mais económica. Que são 6000 mil contos, que foi quanto a Comissão dos Descobrimentos dispendeu com “Auto da Pimenta”, em comparação com as enormidades exigidas pelos americanos? Pelo mesmo preço fica cada rabisco de Robert Wilson ou meia dúzia de notas de Philip Glass.
Claro que haverá quem recorde que, anos antes de se começarem a lançar os foguetes, já Fausto recolhia as canas e editara a obra-prima “Por Este Rio Acima”, sobre idêntica temática. Mas era preciso uma coisa nova, moderna, que fizesse vista.
Rui Veloso e Carlos Tê saíram-se muito a contento da tarefa. “Auto da Pimenta” constitui desde já o seu melhor trabalho discográfico e, ao nível dos textos, um tratado na arte de bem escrever letras de canções em português, roteiro de viagem pelos mares da poesia escrita, mapa de navegação à disposição dos aprendizes. Carlos Tê revela-se mestre da palavra, navegando sem medo nem desfalecimento pelas águas da inspiração e da gramática. A música de “Auto da Pimenta” começa por aí, pela palavra. Há na métrica dos textos de Carlos Tê a noção da musicalidade, do ritmo certo, da cadência emocional exigida por cada tema. E o conhecimento antecipado dos rumos que a voz do Rui lhes empresta. Carlos Tê retoma a História e as suas histórias, de “pessoas e de emoções. As emoções que vivem depois das personagens desaparecerem. E que permitem a tristeza de sempre”. Histórias de uma História que “não era bem assim”: “Que boa colheita de almas!’ disse de contente o papa / ao ver as chagas de Cristo a tomar conta do mapa / e em paga dos meus serviços ali fui feito feitor / e eis tudo o que passei só por um crime de amor”.
E com Carlos Tê avança também Rui Veloso pelo descobrimento de novas formas e territórios para a música popular portuguesa. Dos blues o criador de “Chico Fininho” aporta a outras paragens: do “reggae” de “Cabo Sim Cabo Não” à recriação guitarrística dos anos 50 e dos Shadows em “Lançado”, da batida africana de “Faena do Mar” à balada evocativa de Fausto, “Praia das Lágrimas”, das sugestões medievais de “Canção de marinhar” à chula de “O Ourives Mestre João”, dos blues de “À Sombra da Tamareira” ao funky renascentista de “Memorial”. Preside às 19 canções de “Auto da Pimenta” a mesma atitude universalista que norteou a aventura marítima dos Descobrimentos portugueses.
Síntese do passado e da modernidade, do mar e das novas aventuras em motorizada pela marginal, exemplificada no tema final, “Brizas do Restelo”, epopeia dos jovens portugueses de hoje, “dandies afectados com linhagem e requinte” com mais de “oitocentos anos” (embora ninguém lhes dê “mais de vinte”…), para quem “o mundo é demasiado pequenino para lhes conter a alma”. O futuro cantado em traços de humor e ironia.
Destaque para a originalidade dos arranjos, que juntam a electricidade às referências tradicionais, e para a escolha criteriosa dos músicos convidados, entre eles Manuel Tentúgal, dos Vai de Roda, em “tin whistle”, ponteira, sanfona e “bodhran”, Maria João, vocalista, Jay Burnett, nos samplers, José Peixoto, na guitarra eléctrica e, à laia de provocação, um Marcelo Salazar nas percussões…
Registe-se o grande cuidado posto na apresentação de “Auto da Pimenta” (louvor para Luís Filipe Cunha, responsável por todo o trabalho de “art & design”): desde a embalagem de luxo, ao “lettering” e ao livro interior que, além das letras, notas introdutórias e ficha técnica detalhadas, inclui gravuras e citações alusivas à época. Rui Veloso e Carlos Tê descobriram o caminho musical para a Índia e para a ilha dos Amores em “Auto da Pimenta”, a mais valiosa especiaria.

Vários – “’Guitar Legends’ Terminou Ontem, Em Sevilha – Guitarrossauros Excelentíssimos”

Secção Cultura Domingo, 20.10.1991


“Guitar Legends” Terminou Ontem, Em Sevilha
Guitarrossauros Excelentíssimos


“Rock” sem guitarra eléctrica não é “roll”, é conversa mole. Em Sevilha, durante cinco noites, a guitarra consagrou os seus heróis. A “velha guarda” uniu esforços e trocou de posições: Bob Dylan, Keith Richards, Phil Manzanera e Richard Thompson formaram uma das várias superbandas de ocasião que entraram directamente para a lenda. A CRGE – Companhia Reunida de Guitarras Electrificadas – deu festival. A todo o gás.



Sevilha está em festa. Não é caso para menos. A Expo 92 está à porta. O “Nuevo Sur” prepara-se para ser o centro do mundo. A música antecipou-se. Logo a seguir a estas “Guitar Legends” anunciam-se já os terceiros Encontros de “Nueva Musica” com nomes como Luis Paniagua, Cassandra Wilson, Markus Stockhausen, Klaus Schulze e Bill Frisell em cartaz. Mas por agora a rainha é a guitarra. No anfiteatro ultramoderno construído na ilha de La Cartuja, em pleno recinto da Expo 92.
Quinta-feira: Tempo de chegar ao hotel e de ligar a TVE 2, para assistir em diferido ao concerto da noite. Vicente Amigo, o novo menino-prodígio do flamenco, mal aquece as cordas da guitarra. Toca só dois temas mas dá para perceber que Paco e Manitas têm continuador à altura.
Joe Cocker, o vocalista convidado, continua a gesticular e a berrar como só ele sabe. Insiste em recusar os rebuçados “Dr. Baiard” só para manter a rouquidão da voz. Jack Bruce, por seu lado, faz reviver o fantasma dos “Cream”, com “White Room”, de parceria com Phil Manzanera (ex-“Roxy Music” e principal dinamizador deste festival).
Bob Dylan junta-se aos dois. Depois é a vez de Richard Thompson (dos lendários “Fairport Convention”) integrar esta “troupe” de génios, para aprestação conjunta de “All Along the Watchtower”.
Dylan cada vez mais canta com o nariz. Felizmente não está constipado. Mas quem se importa com a voz? Basta o velho trovador levar a harmónica aos lábios para que todas as interrogações sejam levadas pelo vento… Em todo o caso talvez não fosse má ideia mudar outra vez o nome para Zimmerman. É salvo à justa pela chegada de Keith Richards. Não tocavam juntos há anos. Keith Richards está com bom aspecto, aparentando uns 80 anos ao contrário dos habituais 120. Interpretam “Shake, Rock & Roll”, de Bill Haley. Depois o Rolling Stone é deixado a sós com os “Rhythm and Blues” que tanto aprecia.
Em cada noite tem sempre sido assim: um carrossel de estrelas em “roulement”. Sai uma, entra outra, tocam juntas um par de temas. No final reúnem-se todas, fazem a festa e apanham os foguetes. Na ocasião são Dylan, Richards, Thompson e Manzanera irmanados no ritmo de Eddie Cochran, antes de se desligarem as guitarras.

O Regresso Dos Heróis

Sexta-feira arranca com Roger McGuinn e o “hit” do seu novo álbum “King of the Hill”. “Turn Turn Turn” e “8 Miles High” não fazem esquecer os Byrds mas aquecem razoavelmente o ambiente. Em cima, na “Braza Gallery”, destinada aos jornalistas, as brasas femininas não param de passear, assegurando deste modo a manutenção de temperaturas elevadas no recinto.
Roger McGuinn e Richard Thompson ligam bem. Provam-no o dueto emocionante de “Keep your Distance”. Richard Thompson, com o seu inseparável Bone, é um dos heróis do concerto. As cordas vocais e da guitarra vibram em consonância com a magia da noite. “This Guita ris howling” – exclama, como se homem e guitarra se confundissem num corpo único.
Quando Les Paul, o homem que teve a ideia de ligar a guitarra à tomada, entra em palco, o público salta das cadeiras e aplaude de pé, como se apanhasse um choque eléctrico. De facto, os efeitos da guitarra são ruídos provocados por problemas nos cabos eléctricos. Resolvida esta questão Les dá “show” com a sua “Gibbs Les Paul”, a tal guitarra cujo som corta suavemente, sem ferir, tal qual uma lâmina de barbear de qualidade. Mais tarde a célebre “Gibson Les Paul” viria substituir o modelo “Gibbs”, de sonoridade um tanto ou quanto cremosa para a agressividade do rock actual.
Renascido das cinzas dos “The Band”, Robbie Robertson traz de volta ao auditório a energia dos decibéis, apoiado por uma secção de metais e um par de vocalistas disfarçados de índios. Profusão de penas e cores a sugerir talvez a ave ridícula escolhida como símbolo para a Expo 92: um misto de palmípede e galináceo, pata-choca “punk” de crista e bico multicolores. Refira-se, em abono da verdade, que os sevilhanos adoram as cores. Sobretudo se estiverem todas juntas.

Macacos A Ver Televisão

Robbie Robertson faz de anfitrião do músico mais ansiado da noite: Roger Waters, que chega acompanhado pela sua banda particular. Esperava-se espectáculo e é isso que acontece, embora numa escala, mais reduzaida que a habitual. Um mini “The Wall”, sem muro, mas mesmo assim com os adereços possíveis na ocasião: explosões de fumo, holofotes marciais, piras ardentes (propaganda velada aos próximos Jogos Olímpicos de Barcelona?), luzes às bolinhas, muito “exploding plastic inevitable”.
“Another Brick in the Wall, pt. 823” provoca o delírio, antes de “What God wants, God gets”, uma canção nova sobre “Macacos que vêem televisão”. Como neste caso não há adereços, o músico sugere que a assistência faça o papel de símios que ele, Waters, fará de televisão.
Entre as duas ofensas, é difícil distinguir a pior. De qualquer modo, dado que a assistência aceita a sugestão, é de crer que Roger Waters seja o “God” de que fala a canção. No final, uma fífia de uma das meninas do coro vem provar que afinal “God wants” mas nem sempre “gets”, já os “Stones” o diziam: “You can’t always get what you want”.
A seguir à macacada, um tema dos “Pink Floyd” mais antigos, “The dark side of the moon”, por entre efeitos luminosos psicadélicos. Um dia destes o clube “UFO” reabre as portas… Já com Bruce Hornsby em palco e Waters envergando uma bata branca a fingir de médico, a despedida com “Comfortably Numb”. Despedida irónica que a assistência, uma vez mais, não compreende. Finalmente a “Jam session” da praxe: Roger MacGuinn, Richard Thompson, Les Paul e Phil Manzanera juntos numa guitarrada sempre “a abrir”, fechando em beleza mais uma noite de lenda.
Agora o mais grave: com o sucesso destas “Guitar Legends”, uma das acções de preparação da Expo 92, e os Jogos Olímpicos de Barcelona e a Expo 92 já para o ano, Portugal vai ser irradiado do mapa. O melhor é metermos a viola no saco e, visto que há sempre um Portugal desconhecido que espera por nós, fugirmos todos para a Galiza. Valha-nos Rui Veloso e o fado.

Johnny Winter – “Let Me In”

Pop-Rock Quarta-Feira, 16.10.1991


JOHNNY WINTER
Let Me In
LP / MC / CD, Virgin, distri. Edisom



Dir-se-ia que nunca cortou o cabelo. Não faz mal enquanto, por detrás da imagem do avozinho “freak” com o corpo tatuado, Johnny Winter permanecer fiel à beleza rude dos “blues” e souber responder às tareias do destino com o griot de uma guitarra. Moldado na forma que determina os verdadeiros duros, segundo a máxima do “antes quebrar que torcer”, o albino de coração negro continu a aensinar aos mariquinhas como é. “Life is hard”, diz ele – e é verdade. A guitarra certeira, com o saber e a acutilância acumulados por anos de experiência, dispara à queima-roupa, sem segundas intenções nem terceiros sentidos. São “blues” a valer, em baladas como “Hey you” ou com a crueza pantanosa do Bayou, na ferida final de “Let me in”. “If you got a good woman” mostra até que ponto o velho feiticeiro sabe pôr uma guitarra a chorar. O rock ‘n’ rol de “Sugarre” (com Dr. John ao piano) serve para aliviar a tensão. O homem está há tanto tempo lá fora. Devagar e com cuidado, deixem-no entrar. (6)