Arquivo da Categoria: Críticas 1994

Luis Delgado – “Al Andalus”

Pop Rock

7 Dezembro de 1994
WORLD

CANTOS DO ISLÃO ELÉCTRICO

LUIS DELGADO
Al Andalus

Lyricon, distri. MC-Mundo da Canção


ld

Natural de Madrid, Luis Delgado é um músico multifacetado que distribui a sua actividade por diversos grupos, entre os quais os já nossos conhecidos La Musgaña, de música tradicional, Atrium Musicae – “heréticos” da música antiga dirigidos por Luis Paniagua – e os excelentes Mecanica Popular, especializados em música electrónica. Enquanto produtor, Luis Delgado trabalhou em discos de Maria Del Mar Bonnet, Emilio Cao e Aurora Moreno, entre outros. A música medieval, com os Calamus, o “rock andalus”, com os Califato Independiente, fusões étnicas, com os Finis Africae e Babia, ou a tradição sefardita, com os Halilem, são outras tantas direcções já exploradas por este músico, que, curiosamente, foi nomeado membro honorário da Grand Ole Opry, mítica entidade da música country norte-americana. Luis Delgado é ainda assessor musical e compositor permanente do planetário de Madrid, fundou uma editora para as “novas músicas” espanholas, El Cometa de Madrid, escreve regularmente bandas-sonoras e ainda arranja tempo para se dedicar à sua colecção de instrumentos musicais, já com mais de 200 peças, que ele próprio utiliza nas suas gravações.
Nutrindo um interesse especial pela chamada “Espanha das três culturas”, judaica, cristã e islâmica, Luis Delgado faz em “Al Andalus” uma recriação em moldes vagamente “new age” (não esqueçamos que esta é uma das áreas privilegiadas do selo Lyricon) da música islâmica, numa banda-sonora composta para o documentário sobre a exposição “Al Andalus, las artes islámicas en España”, organizada pelo Metropolitan Museum of Art de Nova Iorque e pelo Patronato de la Alhambra, de Granada, em 1992.
Situando cronologicamente a temática do disco no século X, durante o califado de Córdova, coincidente com o apogeu da cultura islâmica no Sul de Espanha, “Al Andalus” segue o esquema de obra conceptual onde se ilustram histórias, lendas, edifícios e lugares, pormenores da vida de pessoas, desde o próprio califa e seus mais altos dignitários aos poetas, carpinteiros, jardineiros e outros artífices que, à sua maneira, contribuíram para a construção e implantação de uma das culturas que mais e mais fundas marcas deixou na arquitectura e na estrutura anímica de “nuestros hermanos”.
Em “Al Andalus”, as percussões electrónicas e as tecituras urdidas pelo computador misturam-se com instrumentos típicos como o “ud”, o “gimbri”, o “bendir”, o “nei”, o “tar”, a “darbouka” e o “qanum”, só para mencionar aqueles com que os nossos leitores mais assíduos já se terão decerto familiarizado. O que significa que, neste caso, o termo “fusão” faz sentido. Mas, num terreno onde cada vez mais se corre o risco de as particularidades específicas de cada região e de cada cultura se “fundirem” numa amálgama amorfa sem fogo nem contrastes, “Al Andalus” consegue sair incólume. Porque a sua finalidade não é, de forma alguma, nem simular nem muito menos reproduzir, mas sim reconstruir em novos moldes um determinado imaginário, reconvertendo-o para uma dimensão sonora a que poderemos chamar cinematográfica e, sem dúvida, actual. Utilizando, no fundo, processos não muito diferentes dos usados pelos Atrium Musicae em relação à música antiga. Se é música electrónica com influências étnicas ou música étnica do próximo milénio, a questão está em perceber que os extremos, quando se não perde o fio à meada, se tocam. (8)



Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Andy M. Stewart – “The Man in the Moon”

Pop Rock

7 Dezembro de 1994
WORLD

Andy M. Stewart
The Man in the Moon

Green Linnet, distri. MC-Mundo da Canção


andy

Há quem embirre com o vocalista dos Sillty Wizard e quem o considere um dos maiores cantores tradicionais escoceses vivos. Por mim, reconheço a originalidade do timbre e a “correcção” das ornamentações da sua voz. Mas é verdade que prefiro ouvi-lo integrado em grupo que entregue a si próprio, mesmo em projectos de maior envergadura, como no seu ciclo de canções de Robert Burns. “The Man in the Moon” é um álbum “clássico”, tranquilo, composto na maioria por baladas lentas, terreno onde a voz do cantor se sente mais à vontade. A canção política faz-se representar pelo ataque à classe política lançado em “Listen to the people”, composto pelo próprio Stewart, como todos os temas do álbum. (7)



Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Taraf de Haidouks – “Honourable Brigands, Magic Horses and Evil Eye”

Pop Rock

16 de Novembro de 1994
WORLD

Taraf de Haidouks
Honourable Brigands, Magic Horses and Evil Eye

Cramworld, distri. Megamúsica


th

Volume segundo de “Musique des Tziganes de Roumanie”, a nova colecção de canções de camponeses, lamentos, romances, danças e canções de casamento, prisão ou simplesmente uma “canção cigana para ser ouvida”, interpretada por músicos de três gerações de músicos ciganos da Roménia traz de regresso a magia e o tecnicismo impressionante destes “patifes” que o público português pôde presenciar ao vivo nos Encontros Musicais da Tradição Europeia deste ano. Música perene, transmitida de pais para filhos ao longo dos séculos, é a prova viva de um amor que na tradição cigana insiste em não morrer, mantido por sucessivas gerações de “lautari” (músico profissional cuja principal qualificação deverá ser a capacidade de improvisação) que adaptam, sem o trair, o estilo antigo aos arranjos actuais. O livrete apresenta excertos de diálogos entre vários elementos do grupo, sobre este (a coexistência entre o velho e o novo estilo) e outros temas como o casamento, o significado das baladas ou dos lamentos na canção cigana ou ainda sobre o ensino do violino aos jovens, de que não resistimos a transcrever uma parte. Diz Neascu, um dos anciãos do grupo a outro mais novo, que por sua vez se interroga sobre como ensinar o filho a tornar-se um “virtuose” no violino: “Neste ofício [de violinista], não se aprende, rouba-se! Um verdadeiro ‘lautari’ é aquele que, quando ouve uma canção, vai a correr para casa reproduzi-la de memória. Quem toca uma canção certamente não a vai ensinar. Sim, um violino é leve nas mãos mas pesado de aprender. Como a matemática!” (9)



Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0