Aquivos por Autor: admin

Georges Moustaki – Georges Moustaki Actua Hoje À Noite Em Lisboa – ‘Não Sou Um Militante'”

Secção Cultura Terça-Feira, 26.11.1991


Georges Moustaki Actua Hoje À Noite Em Lisboa
“Não Sou Um Militante”


Passados mais de vinte anos sobre “Le Métèque”, o cantor afastou-se da política, ouve Ravel e afirma não compreender os ventos que sacoem o Leste. Canções antigas, nunca mais. A revolução agora é outra, confessou na conferência de imprensa que deu ontem em Lisboa, antes do espectáculo de hoje, às 21h30, no Teatro Tivoli.



Vagabundo das canções, Georges Moustaki – aliás Joseph Mustacchi -, grego de nascimento mas francês de coração, personifica os ideais de toda uma geração “engagée” que se viu retratada na boémia e libertinagem poética da “chanson française”. Ao lado de grandes vultos como Piaf, Gréco, Montand (“soube da sua morte pela televisão. Senti uma tristeza incontrolável”), Barbara, Brassens, Forestier ou Reggiani, fez frente ao conservadorismo, pugnando pela afirmação de uma música genuinamente francesa.
“La Marche de Sacco et Vanzetti” ou “Il est Trop Tard” são canções que agitaram consciências, provocaram, abalaram convicções. Hoje será talvez “trop tard” para alterar o estado de coisas: “Em França, o Estado preocupa-se mais com a máquina da indústria musical do que com os verdadeiros criadores.” Antes sobrava espaço para os músicos como ele, capazes de lutar contra o “rock ‘n’ rol”, essa “reciclagem da música negra, inventada para provocar a histeria das ‘petites filles’”.

“Ir Ao Encontro De Uma Ideia”

Georges Moustaki fez da vida uma viagem permanente, de encontro com os outros, com novas ideias, com a utopia. O seu novo disco, com edição prevista para o final da próxima Primavera, tem por título “Chansons de Recontre et de Voyage” e conta com a colaboração do compositor Angelo Branduardi.
Para trás ficaram velhos êxitos como “Milord”, “Sarah” e “Ma Liberté” e a vontade de as cantar – uma “fuga em frente para escapar ao peso da idade, da rotina, da carreira…”, embora não saiba “quando começa ou acaba a juventude”.
Entre as recordações de viagem e o apelo do futuro, nesse precário equilíbrio entre a memória e a vontade de avançar, Georges Moustaki recolhe ao porto de abrigo e ao apartamento da Île-St. Louis, em Paris, onde habita há mais de vinte anos, para reflectir sobre tantas peregrinações pelo mundo e pelo interior de si próprio. Lugar onde cabe o desejo de “escutar certos sons, de comer certos frutos, de amar certas mulheres” e de fruir a música de Debussy, Fauré e sobretudo Ravel, cujo Segundo Concerto considera a obra “mais perfeita deste século”, para ouvir “a comer, a dormir ou a fazer amor”.
Amigo de Georges Brassens, Boris Vian, Jorge Amado e Otelo Saraiva de Carvalho, cantou a revolução dos cravos e das mentalidades. Revolução, ontem, como hoje, na ordem do dia. Algo mudou entretanto.
Da política, que antes lhe proporcionava “emoções fortes”, procura afastar-se cada vez mais: “Não sou um militante, nem um especialista da política, apenas gosto de escrever canções de crítica”. Hoje, ser revolucionário é “ir ao encontro de uma ideia” e lutar contra a “rotina, a burocracia e a esclerose” que minaram esse conceito de revolução.
Os recentes acontecimentos do Leste europeu suscitam-lhe uma enorme perplexidade: “não consigo perceber o que aconteceu num país onde sempre prevaleceram os valores da dignidade humana, se súbito abalado por uma onda de selvajaria”. Viagens cumpridas. Viagens por cumprir.

Vários – “BBC, Quem Te Ouviu E Quem Te Vê”

Pop-Rock / Quarta-Feira, 20.11.1991


BBC, QUEM TE OUVIU E QUEM TE VÊ

A editora e distribuidora inglesa Windsong assegurou os direitos de edição das gravações ao vivo arquivadas pela BBC, registadas nos programas Vast in Concert, Sight and Sound e Whistle Test. O acordo entre as duas companhias prevê o lançamento de uma média de quatro álbuns por mês, no formato CD, durante um período de cinco anos. A Windsong assegura o pagamento de direitos de autor de todos os artistas envolvidos. Em Portugal, os discos serão distribuídos pela Anónima.



Para a BBC, o acordo significa a oportunidade de lançamentos no mercado de novos produtos associados ao seu nome, com a vantagem adicional de, deste modo, lutar contra a edição de discos piratas contendo gravações daqueles programas, o que tem acontecido até agora. Do lado da Windsong, é o alargamento das suas actividades editoriais, mantidas em “low profile” até ao presente.
Integram o primeiro lote de CD, da série “In Concert”, os Family, Caravan, Wishbone Ash e Alex Harvey Band (Outubro) e Hawkwind, Nazareth e Echo and the Bunnymen (Novembro). O preço de venda ao público é de £ 6.08 cada CD (cerca de mil e 500 escudos).
Os Family foram uma das bandas que ao longo dos anos 70 conheceram um sucesso relativo. À semelhança de outras formações nascidas à saída dos “sixties”, os Family criaram raízes nos “rhythm ‘n’ blues”, daí partindo para a inevitável saga “progressiva” que haveria de marcar a primeira metade da década de 70. Roger Chapman, um “animal de palco” senhor de um inacreditável “falsetto” vocal, constituía o principal foco de atracção de uma banda que para a posteridade deixou álbuns que ainda hoje merecem ser reescutados, entre eles “Music in a Doll’s House” e “Anyway”, ou canções que ainda hoje se relembram: “Me my friend” e “Weaver’s answer”, esta incluída no presente CD, gravado em 1973 nos estúdios da Radio One.
Banda emblemática do núcleo experimental / psicadélico de Canterbury, os Caravan são apresentados num concerto realizado no “Théâtre de Paris”, datado de 1975, com am formação clássica Mike Wedgewood, Richard Coughlan, Geoff Richardson, Pye Hastings e David Sinclair. O CD inclui quatro temas longos, incluindo as versões dos hinos psicadélicos “Love in your eye” e “For Richard”. Pretexto para procurar dois discos lendários, “If I could do it all over again I’d do it all over you” e “In the Land of Grey and Pink”.
Houve quem considerasse Andy Powell e Ted Turner, dos Wishbone Ash, dois grandes guitarristas de rock que passaram ao lado da glória. Chegaram a dar brado na crítica musical inglesa os seus duetos de guitarra. Numa época, 1972, em que o termo “guitar band” ainda não fora inventado, os Wishbone Ash avançavam em força com o conceito “double lead guitar”. Vale a pena recordá-los na versão alongada de “The Pilgrim”, incluída em “Argus”, o seu melhor álbum de sempre.
Os Alex Harvey Band, em registo de 1973, no “Hippodrome”, passaram de forma discreta pela pop. Valia a Alex Harvey a comunicação que conseguia estabelecer com as audiências, em parte facilitada pelo consumo exagerado de álcool. O “pub rock” extravasado para a sala de concerto. O rock ‘n’ rol na sua expressão mais simples e imediatista. A horda “heavy” já espreitava, enquanto se divertiam os “amigos de Alex”.
Ainda vivos e de saúde, os Hawkwind eram em 1972, ano a gravação deste concerto, um dos mais respeitados representantes do “cosmic rock” britânico. Quem nunca folheou de olhos em bico o célebre livrinho de “In Search of Space”? Hippies, futuristas e completamente loucos, mos Hawkwind alinhavam ao lado dos Amon Düül II e dos Gong (este em versão “pot”) na grande desbunda cósmica encetada pelos Pink Floyd. “Space fantasy”, osciladores e LSD numa combinação explosiva que levou a noção de “acid jam” às últimas consequências. Títulos como “Brainstorm”, “Masters of the Universe” e “Silver Machine” dizem tudo. A colaboração com o autor de “sci-fi”, Robert Moorcock, e o sax alucinado de Nick Turner constituíam o toque de estranheza extra, numa banda que o baixista Lemmy levaria à “zona do metal” e à formação dos Motorhead.
Quanto aos Nazareth, “apanhados” em flagrante delito nos estúdios da Radio One, é suficiente referi que faziam, à época, 1972-73, bastante barulho. “Razamanaz” e “Rampant” são títulos que por si só nos zurzem os ouvidos.
Por último, uma banda e gravação mais recente, os Echo & The Bunnymen, liderados pela voz e guitarra de Ian McCullough, como soavam há três anos atrás, no “Empire Theatre” de Liverpool. Guitarras e canções de sabor psicadélico foram a fórmula que encontrou eco nas multidões.
Para os apreciadores de música ao vivo, durante os próximos cinco anos, é “fartar ó vilanagem”.

Rui Veloso e Carlos Tê – “Peregrinação dos Portugueses Eléctricos”

Secção Cultura Quarta-Feira, 20.11.1991

Rui Veloso e Carlos Tê, Que Lançam Esta Semana “Auto Da Pimenta”, Ao Público
“As Descobertas Foram Feitas Por Homens Normais”
… Entrevista a Rui Veloso e Carlos Tê, por Luís Maio …


Artigo, por Fernando Magalhães
Peregrinação dos Portugueses Eléctricos


“Auto da Pimenta”, novo trabalho da dupla Rui Veloso / Carlos Tê, é uma peregrinação pela gesta dos Descobrimentos que inventa novos rumos para a música popular portuguesa. Um disco especioso.



Agora que a famigerada ópera de Philip Glass está concluída, convinha arranjar uma honrosa alternativa nacional. “Auto da Pimenta” constituiu essa alternativa, que tem pelo menos sobre a primeira a vantagem de ser mais económica. Que são 6000 mil contos, que foi quanto a Comissão dos Descobrimentos dispendeu com “Auto da Pimenta”, em comparação com as enormidades exigidas pelos americanos? Pelo mesmo preço fica cada rabisco de Robert Wilson ou meia dúzia de notas de Philip Glass.
Claro que haverá quem recorde que, anos antes de se começarem a lançar os foguetes, já Fausto recolhia as canas e editara a obra-prima “Por Este Rio Acima”, sobre idêntica temática. Mas era preciso uma coisa nova, moderna, que fizesse vista.
Rui Veloso e Carlos Tê saíram-se muito a contento da tarefa. “Auto da Pimenta” constitui desde já o seu melhor trabalho discográfico e, ao nível dos textos, um tratado na arte de bem escrever letras de canções em português, roteiro de viagem pelos mares da poesia escrita, mapa de navegação à disposição dos aprendizes. Carlos Tê revela-se mestre da palavra, navegando sem medo nem desfalecimento pelas águas da inspiração e da gramática. A música de “Auto da Pimenta” começa por aí, pela palavra. Há na métrica dos textos de Carlos Tê a noção da musicalidade, do ritmo certo, da cadência emocional exigida por cada tema. E o conhecimento antecipado dos rumos que a voz do Rui lhes empresta. Carlos Tê retoma a História e as suas histórias, de “pessoas e de emoções. As emoções que vivem depois das personagens desaparecerem. E que permitem a tristeza de sempre”. Histórias de uma História que “não era bem assim”: “Que boa colheita de almas!’ disse de contente o papa / ao ver as chagas de Cristo a tomar conta do mapa / e em paga dos meus serviços ali fui feito feitor / e eis tudo o que passei só por um crime de amor”.
E com Carlos Tê avança também Rui Veloso pelo descobrimento de novas formas e territórios para a música popular portuguesa. Dos blues o criador de “Chico Fininho” aporta a outras paragens: do “reggae” de “Cabo Sim Cabo Não” à recriação guitarrística dos anos 50 e dos Shadows em “Lançado”, da batida africana de “Faena do Mar” à balada evocativa de Fausto, “Praia das Lágrimas”, das sugestões medievais de “Canção de marinhar” à chula de “O Ourives Mestre João”, dos blues de “À Sombra da Tamareira” ao funky renascentista de “Memorial”. Preside às 19 canções de “Auto da Pimenta” a mesma atitude universalista que norteou a aventura marítima dos Descobrimentos portugueses.
Síntese do passado e da modernidade, do mar e das novas aventuras em motorizada pela marginal, exemplificada no tema final, “Brizas do Restelo”, epopeia dos jovens portugueses de hoje, “dandies afectados com linhagem e requinte” com mais de “oitocentos anos” (embora ninguém lhes dê “mais de vinte”…), para quem “o mundo é demasiado pequenino para lhes conter a alma”. O futuro cantado em traços de humor e ironia.
Destaque para a originalidade dos arranjos, que juntam a electricidade às referências tradicionais, e para a escolha criteriosa dos músicos convidados, entre eles Manuel Tentúgal, dos Vai de Roda, em “tin whistle”, ponteira, sanfona e “bodhran”, Maria João, vocalista, Jay Burnett, nos samplers, José Peixoto, na guitarra eléctrica e, à laia de provocação, um Marcelo Salazar nas percussões…
Registe-se o grande cuidado posto na apresentação de “Auto da Pimenta” (louvor para Luís Filipe Cunha, responsável por todo o trabalho de “art & design”): desde a embalagem de luxo, ao “lettering” e ao livro interior que, além das letras, notas introdutórias e ficha técnica detalhadas, inclui gravuras e citações alusivas à época. Rui Veloso e Carlos Tê descobriram o caminho musical para a Índia e para a ilha dos Amores em “Auto da Pimenta”, a mais valiosa especiaria.