Berrogüetto, Llangres, Barahúnda + Vários – “Folk E Um Rio De Várias Cores” (festivais / concertos / artigo de opinião)

(público >> cultura >> world >> concertos / festivais)
terça-feira, 8 Julho 2003


FOLK E UM RIO DE VÁRIAS CORES

Berrogüetto e Llangres trouxeram ao II Intercéltico de Vizela o melhor da música do Norte celta de Espanha, num festival ainda à procura de personalidade própria.




Os Barahúnda mostraram alguns bons instrumentistas, mas também que precisam de fazer muito trabalho de casa

Vizela teve no passado fim-de-semana a segunda edição do seu festival Intercéltico. Dois dias de música céltica, ou nem tanto, que atraíram à Praça da República – com o palco instalado diante da fonte onde, reza a lenda, “quem se banhar nela mais cedo ou mais arde irá viver para Vizela” – um público verdadeiramente interessado em ouvir música folk, passantes e curiosos e uma mão cheia de crianças de tenra idade (todas, certamente, com insónias, dado nunca terem dado mostras de cansaço) que acompanharam a música proveniente das bandas em palco com danças, folguedos e gritaria constantes.
Sexta-feira, dia de abertura, teve início com os portugueses Ódagaita cuja música está atrasada uns vinte anos. O som dos Trovante imperou numa atuação que foi buscar temas de José Afonso e arranjos que, dada a evolução que a MPP tem conhecido nos últimos anos, já não fazem muito sentido. Uma banda a necessitar urgentemente de se atualizar.
Depois de um intervalo preenchido por uma atuação, entre o público, do trio tradicional da região de Miranda do Douro, Lenga-Lenga, liderado pelo gaiteiro Henrique Fernandes, chegaram os Barahúnda, de Madrid, com música do seu álbum de estreia, “Al Sol de la Hierba”. Uma cantora excelente, Helena de Alfonso, de voz e presença corporal plenos de sensualidade, estilo cigana “sexy”, e o colorido proporcionado pela sanfona de Jota Martinez e pelo clarinete de Dário Palomo não fizeram esquecer um percussionista quadrado e a necessidade de muito trabalho de casa.
À noite, no apregoado “bosque dos druidas”, em esplanada improvisada, as gaitas-de-foles fizeram-se ouvir ao desafio. A rusticidade e genuinidade do modelo transmontano “contra” a sofisticação dos protótipos galegos.
Sábado nasceu cheio de sol e de promessas de melhor música. Almoço no Maquias, onde se come assim-assim. Fica num local paradisíaco, na margem do Vizela. Cenário verdejante. Porém, quando nos debruçamos sobre o rio, é o choque. A incredulidade. A vergonha. As águas, correndo cheias de energia por entre o granito e as ervas, são… cor-de-rosa, lilás, roxas, numa gama de tonalidades dignas de um pintor paisagista psicadélico, ou louco. Noutros dias, contam-nos, são amarelas, azuis, de todas as cores menos a natural. Alguns quilómetros acima uma tinturaria despeja há mais de uma década as suas tintas para o leito do rio, poluindo-o sem que alguém consiga inverter a situação. Portugal no seu pior.
De noite, porém, todos os gatos são pardos e, na Praça da República, a música ultrapassou as expetativas, depois de, durante a tarde, a Banda de Gaitas e Danças dos Amigos do Mosteiro de Melon (sextos classificados da Terceira Divisão no concurso de bandas de gaitas do ano passado; na Galiza não se brinca com estas coisas…), formada por elementos muito jovens, ter animado o jardim da praça, com o aprumo de uma coreografia espartana e os mimos dos familiares que vieram em peso apoiá-los. Já sem farda, pareciam alunos de uma escola, de mãos dadas aos pais, e a comer gelados.
A grande música folk chegou finalmente com os Llangres, das Astúrias. Na folk, a atitude é um trunfo e a banda, que recentemente editou o álbum “Stura”, esbanjou o entusiasmo característico das melhores formações irlandesas. Instrumentistas de alto nível, tocaram, precisamente, “à irlandesa”, em toada de “jigs”, com rigor, musicalidade e bom gosto inultrapassáveis. Borja Baragaño deu “show” na gaita asturiana, enquanto no tom mais introspetivo das baladas se destacou a harpa céltica de Yago Prada. O público fez roda e dançou, conseguindo, inclusive, abafar a gritaria da criançada.
Era difícil aos Berrogüetto fazer melhor. Foram diferentes. Atualmente já integrados no grupo restrito dos grupos galegos com projeção na Europa, praticam uma música abrangente que procura agradar a todos os gostos. Temas mais comerciais e cantaroláveis alternaram com instrumentais de extrema complexidade (depois da “irlandização”, a folk galega parece estar a ser afetada pela “balcanização”…) que puseram em relevo as capacidades de Anxo Pintos, “virtuose” em todos os instrumentos que toca: sanfona, gaita-de-foles, flauta de bisel, saxofone soprano… Uma “jota” de sabor medieval destacou-se como o momento mágico da noite, com Anxo Pintos, na sanfona, a evocar os antigos trovadores.
A noite não terminaria na nota de profissionalismo dos Berrogëtto, mas, antes, com o que a folk tem de mais verdadeiro e espontâneo, numa sessão dos Llangres num “pub” de Braga, para onde a comitiva do festival seguiu. Aí, entre as conversas distraídas ou a concentração dos aficionados, a música deslizou como a cerveja Guiness nas gargantas ressequidas – água da vida, fonte de alegria. Borja Baragaño, então, “abusou”, entregando-se a um inacreditável solo de gaita de quase meia hora, sem conseguir parar. No final, alguém lhe bateu nas costas, a tentar descobrir onde ficava a cavidade das pilhas…

Vários – “Festivais De Verão – ‘Monstros’ Sagrados No Jazz De Verão” (concertos / festivais / artigo de opinião)

(público >> cultura >> world >> concertos / festivais)
sexta-feira, 4 Julho 2003
destaque


FESTIVAIS DE VERÃO

“Monstros” sagrados no jazz de Verão

Grandes nomes do jazz passarão por Portugal na temporada de festivais de Verão que já neste fim-de-semana se inicia



Wayne Shorter e Dave Holland no Estoril Jazz. Eddie Prévost e John Butcher no Funchal. Aldo Romano, Louis Sclavis e Henri Texier no Porto. Franco Ambrosetti e Benny Golson em Loulé. Marty Ehrlich e Eric Boeren em Lisboa.
O Estoril Jazz receberá dois monstros sagrados: Wayne Shorter e Dave Holland. Shorter, o multifacetado saxofonista dos Weather Report com escola feita com Art Blakey e Miles Davis; Holland, um dos mais extraordinários compositores, arranjadores e contrabaixistas do jazz atual.
Com uma programação eclética, o Estoril Jazz coloca em destaque, este ano, as “big bands”. Além da liderada por Dave Holland, o programa apresenta a Vanguard Jazz Orchestra, fundada por Thad Jones e Mel Lewis, a orquestra do veterano pianista português Jorge Costa Pinto, numa homenagem a Stan Kenton e Woody Herman, e a Jean-Pierre Gebler Belgian All Stars. Outra homenagem, desta feita a um dos criadores do “bop”, Dizzy Gillespie, estará a cargo de um quinteto liderado pelo trompetista brasileiro Cláudio Roditi.
No Funchal, poderão ser ouvidas as fusões latinas do pianista Gonzalo Rubalcaba com o grupo do saxofonista porto-riquenho David Sanchez e, num miniciclo de música improvisada, o saxofonista ultra-radical John Butcher medirá forças com Vítor Rua, enquanto o outro Telectu, Jorge Lima Barreto, fará o mesmo com Eddie Prévost, percussionista dos lendários avatares da música improvisada designados pela sigla AMM.
No Jazz do Parque do Porto, além da homenagem ao pianista “bopper” Herbie Nichols, pelo The Herbie Nichols Project, será de cortar a respiração assistir ao desempenho do trio que junta a bateria de Aldo Romano, os sopros de Louis Sclavis e o contrabaixo de Henri Texier.
Em Loulé haverá uma homenagem a Django Reinhardt, mas a não perder, neste jazz ao sol do Algarve, será a apresentação do trompetista Franco Ambrosetti e de um nome emblemático do “hard bop”, o tenorista Benny Golson, fundador dos Jazztet com Art Farmer.
Este ano em formato mais contido, o Jazz em Agosto incidirá, como é hábito, nas novas tendências do jazz contemporâneo. Tudo poderá acontecer num programa que terá o saxofonista Marty Ehrlich a comandar um sexteto que homenageia e recria a música de Julius Hemphill, os dois trombonistas alemães Johanes e Conrad Bauer e uma “big band” holandesa com direção de Eric Boeren e o saxofone de Sean Bergin –“free sounds” em formato alargado. O piano de Veryan Weston e a voz de Phil Minton arriscarão tudo nos 4 Walls. Han Bennink estará sob as ordens de Tobias Delius, mas a surpresa poderá vir da Brian Ervine Ensemble, orquestra oriunda da Irlanda onde se abriga o já “habitué” deste festival, Paul Dunmall, o homem da gaita-de-foles e outros sopros dos Mujician de Keith Tippett.
Lançados os dados, resta a cada um optar pelo jazz que melhor lhe convier.


Festa no bosque dos druidas

Vizela, Sines e Sendim são os polos da música tradicional neste Verão


No ainda jovem Intercéltico de Vizela, o ambiente conta muito para o sucesso das celebrações em torno da nova cultura com origem na história e imaginário célticos. Os galegos Berroguetto, do multi-instrumentista Anxo Pinto, garantem nota máxima para um festival que terá bandas de gaitas a tocar pelas ruas e uma festa no “bosque dos druidas”, onde público e músicos se juntam para uma viagem pelas tradições milenares, de união e convívio com a música e a Natureza. Em Sendim os celtas estão vivos. Além da presença dos espanhóis Luétiga, o acontecimento será o regresso a Portugal dos Dervish (e, logo, da voz de Cathy Jordan), num festival que encerra com o ritual de uma Missa Intercéltica, onde os homens e os deuses comunicam ao som das gaitas-de-foles. Mais a sul, o castelo de Sines abre-se às músicas do mundo. Como sempre com uma proposta de programação que distingue várias vertentes da “world”, ao ponto de, este ano, trazer o Kronos Quartet, grupo de cordas com especial predileção pela destruição dos dogmas. Para derreter, haverá “reggae” pelos The Skatalites.

Vários – “Festivais De Verão – Festa No Bosque Dos Druidas” (concertos / festivais / destaque)

(público >> cultura >> world >> concertos / festivais)
sexta-feira, 4 Julho 2003
destaque


FESTIVAIS DE VERÃO

Festa no bosque dos druidas

Vizela, Sines e Sendim são os polos da música tradicional neste Verão


No ainda jovem Intercéltico de Vizela, o ambiente conta muito para o sucesso das celebrações em torno da nova cultura com origem na história e imaginário célticos. Os galegos Berroguetto, do multi-instrumentista Anxo Pinto, garantem nota máxima para um festival que terá bandas de gaitas a tocar pelas ruas e uma festa no “bosque dos druidas”, onde público e músicos se juntam para uma viagem pelas tradições milenares, de união e convívio com a música e a Natureza. Em Sendim os celtas estão vivos. Além da presença dos espanhóis Luétiga, o acontecimento será o regresso a Portugal dos Dervish (e, logo, da voz de Cathy Jordan), num festival que encerra com o ritual de uma Missa Intercéltica, onde os homens e os deuses comunicam ao som das gaitas-de-foles. Mais a sul, o castelo de Sines abre-se às músicas do mundo. Como sempre com uma proposta de programação que distingue várias vertentes da “world”, ao ponto de, este ano, trazer o Kronos Quartet, grupo de cordas com especial predileção pela destruição dos dogmas. Para derreter, haverá “reggae” pelos The Skatalites.