Imagens de cabeçalho aleatórias... Recarregue a sua página para ver mais!

Curso Básico de Electrónica Prática: capítulo 2, secção 1

Continuamos, com este post, o nosso curso de electrónica prática básico iniciado há poucos posts atrás. Desta vez dedicamos algum espaço a três dos componentes discretos mais utilizados em projectos de electrónica: As resistências, os condensadores e os transístores.
Seguir-se-ão, conforme o tempo o permitir outros capítulos, tais como: segurança no trabalho em electrónica; grandezas eléctricas; componentes mais utilizados em projectos electrónicos (cont.), etc., e, depois alguns projectos concretos que poderá montar em sua casa ou na escola.
Caso pretenda continuar a acompanhar este curso, registe-se no nosso blogue para poder ler os próximos posts do curso de forma completa e subscreva o nosso feed para poder receber alertas sobre esses mesmos posts que compõem o curso, quando forem publicados, bem como alertas sobre todos os outros posts aqui publicados.

Componentes
Nesta secção vamos analisar alguns dos componentes discretos mais utilizados nos projectos de electrónica.
Os componentes discretos são assim chamados por contraposição aos circuitos integrados. Enquanto estes últimos possuem no seu interior dezenas a milhões de componentes devidamente interligados, os discretos são constituídos por um único componente electrónico.

Resistências
resistência de electrónica
“Faça o seu LOGIN para ver o resto deste post”
[hide for=”!logged”]
As resistências são componentes cuja função é reduzir o valor da corrente eléctrica num determinado ponto do circuito. Quanto maior o seu valor menor a corrente (fluxo de electrões) que a consegue atravessar.
Um exemplo de utilização comum é colocar uma resistência entre uma fonte de alimentação e um led, uma vez que estes trabalham com uma pequena corrente e se não colocássemos essa resistência ele poderia queimar.
O valor de uma resistência é medido em ohms (Ω), e em electrónica, porque trabalhamos com valores relativamente baixos de tensões e correntes, costumam-se usar resistências de valores muito elevados, pelo que temos de recorrer aos múltiplos do ohm: kiloohm (kΩ) e megaohm (MΩ).
Porque se tratam de componentes pequenos o valor das resistências não é escrito no seu corpo mas, em vez disso, inscrevem-se várias listas de diferentes cores, que correspondem ao seu valor de acordo com um determinado código.
Existem milhares de sites com tabelas de códigos de cores de resistências, para os mais variados gostos.
Poderá vê-las, por exemplo, no nosso blog, ou fazendo uma simples busca no Google.
código cores resistências
Uma variação muito usada é a Resistência Variável, ou Potenciómetro, que é uma resistência que possui três terminais em vez de dois, sendo que um deles está fixado a um cursor móvel que quando movimentado faz variar o valor da resistência inserido no circuito. Uma utilização muito comum é, por exemplo, o potenciómetro que usamos para baixar ou elevar o volume do nosso aparelho de rádio.
potenciómetro

Condensadores
Um condensador é um componente com a capacidade de armazenar energia eléctrica (cargas eléctricas).
Pode realizar várias funções nos circuitos electrónicos como por exemplo, associados com uma resistência, temporizações. O princípio de funcionamento é que a resistência deixará passar mais ou menos corrente (electrões por segundo) levando a que o condensador demore menos ou mais tempo a carregar; outra aplicação comum é a sua utilização como filtros, sendo comum dizer-se que os condensadores deixam passar a corrente alternada e bloqueiam a corrente contínua.
A forma de diferenciar os vários condensadores é através da sua capacidade que, como o nome indica, é a capacidade que ele tem de armazenar mais ou menos cargas eléctricas.
A capacidade é medida em Farads mas como esta é uma unidade muito grande utilizamos normalmente os seus submúltiplos: milifarad, microfarad, nanofarad e picofarad.
Quanto ao material de que são constituídos, existem basicamente três tipos de condensadores:
Condensadores electrolíticos: feitos de um determinado material em folha (ex: alumínio) e são aqueles que se conseguem fabricar com maior capacidade em tamanhos razoavelmente pequenos. Vão desde capacidades de cerca de 1 microfarad para cima e existem dois tipos: Axiais e Radiais.
condensador electrolítico
condensador electrolítico
Normalmente estes condensadores são polarizados, o que implica uma especial atenção à sua ligação, isto é, possuem um pólo positivo que deve ser sempre ligado ao ponto do circuito de maior tensão e um pólo negativo que deve ser sempre ligado ao ponto de menor tensão. Isto ao contrário dos cerâmicos que a seguir apresentamos, em que a intermutabilidade entre os dois terminais aquando da sua ligação ao circuito é completa.
Condensadores de Tântalo: o tântalo é um material metálico.
condensador de tântalo
Este tipo de condensadores pode apresentar valores de 0,1 microfarad para cima e são mais caros que os electrolíticos, apresentando valores mais precisos.
Condensadores cerâmicos: apresentam valores de 1 picofarad até 0,47 microfarad.
condensador cerâmico
Estes condensadores podem ser muito pequenos em tamanho o que dificulta a inscrição do seu valor no seu corpo, motivo pelo qual existe um código, nada compreensível aliás:
Valores
Marca Valor
101 0.0001 µF
102 0.001 µF
103 0.01 µF
471 0.00047 µF
472 0.0047 µF
473 0.047 µF
474 0.47 µF

Transístores
As duas funções dos transístores num circuito electrónico são: amplificar um sinal eléctrico ou servir de interruptor electrónico (automático / rapidíssimo).
Os transístores vieram substituir as antigas válvulas electrónicas com as vantagens da miniaturização e da fiabilidade.
Existem vários tipos de empacotamento, sendo dos mais comuns o empacotamento TO-92, TO-39 e TO-220.
transístor TO-92
transístor TO-39
transístor TO-220
Quanto à forma como funcionam, existem dois tipos: NPN e PNP.




[/hide]

Posts Relacionados:

1 comentário

1 Curso Básico de Electrónica Prática: O Resumo | ligados à corrente { 02.27.12 at 18:25 }

[…] Básico de Electrónica Prática: capítulo 1 Curso Básico de Electrónica Prática: capítulo 2, secção 1 Curso Básico de Electrónica Prática – capítulo 2, secção 2 Curso de Electrónica […]

Deixe-nos um comentário